Moradores pedem para o rei Charles comprar local de futura embaixada chinesa


Moradores de um complexo de apartamentos em um terreno histórico em frente à Torre de Londres querem que o rei Charles compre o lugar de volta, alegando que seu atual proprietário, a China, vai transformá-lo em um centro para atividades diplomáticas obscuras.

A monarquia britânica vendeu o Royal Mint Court, um terreno de 5,4 acres (aproximadamente 2,1 hectares) que já abrigou a instalação que fabricava moedas britânicas, para uma empresa imobiliária em 2010. Pequim comprou o local em 2018 e agora planeja investir várias centenas de milhões de dólares transformando-o em uma nova embaixada no Reino Unido.

O conselho local, Tower Hamlets, deve decidir na quinta-feira (1º) sobre as propostas para o local, que consiste em grande parte de escritórios desativados e um grande edifício do século 19 construído para a Casa da Moeda Britânica. Se os projetos – do arquiteto David Chipperfield – forem aprovados, o local se tornará uma das maiores missões diplomáticas da China no mundo, com acomodações para centenas de funcionários, intercâmbio cultural e um centro de negócios.

Mas Royal Mint Court contém uma espécie de anomalia histórica. Quando ainda era dono do terreno, cerca de 30 anos atrás, o Crown Estate, corporação que administra as propriedades e o patrimônio público pertencentes à monarquia britânica, construiu um conjunto de apartamentos baixos em parte do local como parte de um esquema do governo para fornecer casas para “profissionais estratégicos”, como policiais e enfermeiras. A rainha Elizabeth II foi fotografada abrindo a propriedade em 1989.

 

Os proprietários dos novos apartamentos receberam um contrato de arrendamento de 126 anos sobre o terreno – uma prática comum na lei de propriedade britânica, na qual os residentes são proprietários dos tijolos e argamassa de sua propriedade, mas outra entidade, um proprietário absoluto, possui o terreno no qual ela foi construída.

Tais locações geralmente contêm cláusulas que restringem certas atividades nos edifícios. O contrato de aluguel de um apartamento no empreendimento Royal Mint Court, visto pela CNN, inclui cláusulas que dão ao proprietário absoluto, ou locador, o direito de entrar na propriedade do locatário em certas circunstâncias. Também lhes dá poderes para proibir os moradores de pendurar itens, como bandeiras ou placas, do lado de fora de suas casas.

Os locatários também são informados de que não podem se comportar de maneira a causar “incômodo” ao proprietário ou fazer qualquer coisa que o proprietário perceba que possa incitar ódio racial.

A Associação de Moradores do Royal Mint Court, que representa cerca de 300 pessoas que moram nos prédios, diz temer como a China interpretará e implementará essas regras quando sua embaixada for construída ao lado. A China foi acusada de usar seus postos diplomáticos, associações comunitárias pouco afiliadas, como delegacias de polícia no exterior para monitorar cidadãos chineses fora do país e coagi-los a voltar para casa. Os legisladores britânicos expressaram preocupação com os relatos de três dessas instalações no Reino Unido.

“Temo que ocorra um incidente diplomático porque os poderes de que dispõe o governo chinês são amplos e excessivos”, escreveu David Lake, presidente do grupo de moradores, em carta ao rei Charles, vista pela CNN.

Um desses incidentes ocorreu no Reino Unido em outubro, quando o cônsul-geral da China em Manchester admitiu ter rasgado cartazes de manifestantes de Hong Kong do lado de fora do consulado de lá. Um dos manifestantes pró-democracia, que apareceu com faixas contendo imagens satíricas do líder chinês Xi Jinping, foi arrastado para o terreno do prédio e espancado, em evento registrado em vídeos.

A polícia de Manchester está investigando o episódio. O Cônsul Geral Zheng Xiyuan disse que agiu porque achou os cartazes do manifestante ofensivos para sua terra natal.

Logo após o incidente, as autoridades chinesas cancelaram abruptamente uma reunião planejada com os residentes do Royal Mint Court, sem dar um motivo, de acordo com moradores locais que planejavam comparecer.

Um morador, Mark Nygate, que mora em seu apartamento no Royal Mint Court há 23 anos e atua como tesoureiro do grupo de moradores, disse à CNN que ele e outros planejavam abordar o incidente de Manchester naquela reunião.

“Aumentou nossos medos”, disse ele. “Este é um lugar adorável para se viver bem no centro de Londres, mas nos perguntamos como nossas vidas mudarão quando a China chegar”, disse Nygate.

“Por exemplo, tenho um lote [jardim compartilhado] com vista para a entrada dos fundos da embaixada. Quando eu estiver lá fora, cuidando do jardim, a China vai se preocupar que eu os esteja espionando?” ele disse.

Os residentes querem que a China e o Reino Unido cheguem a um acordo para transferir a propriedade da parte do terreno que tem contato com os prédios de moradores. “Achamos errado que o governo chinês, como uma superpotência global, tenha sobre nós os mesmos direitos que a rainha Elizabeth tinha quando concordou com nossos arrendamentos”, escreveu Lake, representante dos moradores, em sua carta ao rei Charles.

Uma ONG espanhola, Safeguard Defenders, afirmou que a China administra uma extensa rede de delegacias secretas no exterior em todo o mundo. A China não nega que opera o que chama de “estações de serviço no exterior”, mas diz que tais centros não são redes policiais extraterritoriais, mas sim organizações destinadas a ajudar expatriados chineses com a papelada, como por exemplo renovar suas carteiras de motorista.

O governo britânico prometeu agir sobre a situação. O ministro da Segurança, Tom Tugendhat, disse à Câmara dos Comuns em 1º de novembro: “Relatos de delegacias policiais não declaradas no Reino Unido são, obviamente, extremamente preocupantes e serão levados muito a sério. Qualquer país estrangeiro que opere em solo britânico deve cumprir a lei do Reino Unido.”

Ele acrescentou: “A proteção das pessoas no Reino Unido é de extrema importância. Qualquer tentativa de repatriar qualquer indivíduo não será tolerada”.

Na carta ao rei, os residentes dizem que sua situação única pode ter consequências mais amplas – destacando as armadilhas das leis de propriedade muitas vezes complexas e arcaicas da Inglaterra, uma vez nas mãos de potências estrangeiras.

“A situação pode se deteriorar ainda mais e prejudicar seus leais súditos britânicos e a democracia no Reino Unido”, escreveu Lake em sua carta. “Apelamos a Vossa Majestade que faça tudo o que puder para nos proteger neste momento desafiador”, disse Lake, um engenheiro aposentado que mora no empreendimento desde 1990.

O pedido de planejamento será discutido pelos vereadores de Tower Hamlets na quinta-feira. Os planos para a embaixada da China geraram 51 reclamações, de acordo com documentos publicados no site do conselho antes da reunião.

Um porta-voz do município disse que as propostas para a reconstrução do Royal Mint Court “estão geralmente de acordo com as políticas do plano de desenvolvimento e, com base nisso, os oficiais recomendaram que a permissão de planejamento e o consentimento de construção listada sejam concedidos, sujeitos a condições e obrigações de planejamento.”

A baronesa Scott de Bybrook, ministra júnior do Departamento de Nivelamento, Habitação e Comunidades, revelou no parlamento esta semana que o governo estava considerando um pedido para “convocar” as propostas para um exame mais minucioso em nível nacional.

A CNN procurou o Ministério das Relações Exteriores da China para comentar, mas não recebeu uma resposta até o momento da publicação.

Sugerir que o rei Charles tente comprar de volta os direitos sobre o local arrasta o novo monarca – uma figura ostensivamente neutra que, como herdeiro do trono, tinha um interesse particular no planejamento urbano – em um debate cada vez mais acalorado sobre a posição do Reino Unido em relação à China. Os olhos do mundo estão atualmente fixos na resposta de Pequim à sua maior agitação civil em anos, em meio à crescente insatisfação com as políticas restritivas de Covid zero do país.

No início deste ano, os vereadores de Tower Hamlets consideraram renomear as ruas ao redor do local do Royal Mint Court para protestar contra o tratamento de Pequim aos grupos minoritários, particularmente suas políticas contra os uigures muçulmanos na região noroeste da China de Xinjiang, sugerindo “Praça Tiananmen”, “Tribunal Uyghur”, “Hong Kong Road” e “Tibet Hill” como novos nomes de ruas. Tower Hamlets tem a maior porcentagem de residentes muçulmanos de qualquer bairro de Londres, de acordo com os dados do censo populacional do Reino Unido .

Na época, a China atacou o governo britânico, exigindo que protegesse sua embaixada do “assédio” dos manifestantes.

Reino Unido e China

Sucessivos primeiros-ministros do Partido Conservador do Reino Unido adotaram abordagens diferentes para equilibrar os interesses econômicos do país com as questões de segurança nacional em relação à China.

O ex-primeiro-ministro Boris Johnson classificou a China como um “concorrente sistêmico”, enquanto sua sucessora de curta duração, Liz Truss, indicou que estava disposta a rotular oficialmente a nação de “ameaça”.

O atual primeiro-ministro, Rishi Sunak, disse a uma audiência em Londres esta semana que a chamada “era de ouro das relações sino-britânicas”, antes defendida por seu partido, acabou e disse que o “desafio sistêmico” que a China representava para os interesses do Reino Unido deveria ser enfrentado com o que ele chamou de “pragmatismo robusto”.

Além da questão dos direitos humanos, também houve tensões sobre se os planos da embaixada chinesa para o Royal Mint Court incluiriam proteção adequada para os residentes britânicos no caso de um protesto ou ataque terrorista.

Um relatório do início deste ano de Ann Corbett, diretora de segurança comunitária do conselho de Tower Hamlets, disse que qualquer protesto em torno da embaixada, uma vez que a China se mude, provavelmente exigiria uma presença considerável da polícia e inevitavelmente causaria transtornos para os moradores próximos.

Documentos vistos pela CNN mostram que um conselheiro contraterrorismo do Serviço de Polícia Metropolitana da capital foi chamado para fornecer uma “avaliação da possibilidade de uma explosão” para modelar os danos causados ​​se a embaixada fosse alvo de uma bomba e identificou uma série de vulnerabilidades.

Embora algumas descobertas tenham sido compartilhadas confidencialmente com os residentes, de acordo com os documentos, a maioria dos habitantes não tinha a autorização de segurança adequada para acessar as descobertas completas. Não está claro, com base em pedidos recentes de acesso à informação, se os conselheiros locais, que decidirão sobre os planos chineses, também têm permissão para visualizar todos os documentos confidenciais.

Nygate, que diz que sua janela fica a cerca de sete metros de distância do perímetro da futura embaixada, está particularmente preocupado com as ambições de longo prazo da China para o local e se as casas dos residentes podem um dia ser engolidas pelo complexo da embaixada.

“Eles estão efetivamente usando nossos prédios como uma zona tampão de segurança, sem fornecer proteção adequada, de bombas, veículos, manifestantes ou intrusos”, disse ele. “Isso deixou os moradores no limbo e teve um enorme impacto no valor de nossas casas, estamos presos”, disse Nygate.

Queixas apresentadas ao conselho de Tower Hamlets mostram que os residentes também expressaram preocupação sobre a futura privacidade de suas comunicações eletrônicas e levantaram temores de vigilância física. O governo do Reino Unido recentemente aprovou leis para proibir as câmeras de segurança fabricadas pela empresa chinesa Hikvision em locais sensíveis do Reino Unido, como o parlamento, e removeu os componentes da Huawei da parte central da rede de telecomunicações 5G do país. A Huawei descreveu a decisão como “decepcionante” e a Hikvision negou as sugestões de que representa qualquer ameaça à segurança nacional da Grã-Bretanha.

Um ex-líder do Partido Conservador, Iain Duncan Smith, que foi sancionado pela China por falar sobre o tratamento de sua população uigur, descreveu a decisão das autoridades do Reino Unido de permitir que os planos para a nova embaixada da China fossem tão longe como “ingênua”.

“É inacreditável o que a China consegue fazer, aqui no Reino Unido, mas também em outras partes do mundo, porque ninguém quer perturbá-los”, disse ele à CNN. “Este é um país realmente perigoso, liderado por um ditador peculiar. Eu não confiaria nem um pouco no governo chinês.”

Moradores do local do Royal Mint Court dizem que ficariam tranquilos se a terra fosse comprada de volta pelo monarca britânico. “Gostaríamos que a Coroa possuísse nossa propriedade novamente”, escreveu Lake, representante dos moradores, em sua carta ao monarca. “Isso ajudaria a nos fazer sentir parte do Reino Unido, protegidos pela Coroa e pelas leis da Inglaterra.”

Este conteúdo foi originalmente publicado em Moradores pedem para o rei Charles comprar local de futura embaixada chinesa no site CNN Brasil.