Ex-presidente chinês Jiang Zemin morre aos 96 anos


O ex-presidente chinês Jiang Zemin morreu aos 96 anos, informou a mídia estatal nesta quarta-feira (30).

Nascido em julho de 1926, Jiang começou sua vida profissional como vice-mecânico-chefe na Fábrica de Carros Número Um em Changchun, no nordeste da China, antes de chefiar o Partido Comunista após o Massacre da Praça da Paz Celestial em 1989.

Ele desistiu do cargo de chefe do PC para Hu Jintao em novembro de 2002, e da presidência em março de 2003, e se aposentou de seu cargo final, como presidente da Comissão Militar Central em setembro de 2004, completando assim uma sucessão histórica de liderança para um geração mais jovem de líderes liderados por Hu.

Rumores circulavam periodicamente na liderança e nos círculos diplomáticos sobre Jiang, especialmente sobre discussões entre ele e o atual presidente Xi Jinping sobre políticas que, com o sistema político da China sendo tão opaco e secreto quanto é, são impossíveis de verificar.

Jiang foi visto pela última vez em público em outubro de 2019, entre outros ex-líderes, assistindo a um desfile militar na Praça da Paz Celestial, marcando o 70º aniversário da fundação da República Popular da China.

Jiang confundiu céticos e consertou laços com os EUA

Arrancado da obscuridade para chefiar o Partido Comunista da China após a repressão de Tiananmen em 1989, esperava-se que o ex-presidente chinês Jiang Zemin fosse apenas mais uma figura transitória, destinada a ser uma nota de rodapé na história.

Ainda assim, ele confundiu os pessimistas, registrando uma lista de conquistas depois de tirar a China do isolamento diplomático na era pós-Tiananmen, consertar as barreiras com os Estados Unidos e supervisionar um boom econômico sem precedentes..

Sob Jiang, a China resistiu à crise financeira asiática de 1997-1998, juntou-se à Organização Mundial do Comércio em 2001 e venceu a candidatura para sediar os Jogos Olímpicos de 2008 em Pequim.

Entre suas realizações de maior orgulho está o retorno de Hong Kong à China em 1997, após mais de 150 anos de domínio britânico, mesmo que o retorno do território tenha sido negociado pelo líder supremo Deng Xiaoping em 1984.

Mais significativo provavelmente foi o seu “Três Representações”, uma teoria progressista com um nome intrigante, que ajudou a moldar a China moderna ao convidar empresários – uma vez perseguidos como cães de corrida do capitalismo – para se juntarem ao partido.

Apesar dos rumores de que ele queria se apegar ao poder, Jiang se aposentou como chefe do partido em 2002, entregando as rédeas a Hu Jintao na primeira transição de liderança sem derramamento de sangue na China desde a revolução de 1949.

Seu estilo poderia surpreender seus convidados, que esperavam um presidente polido e cortês, mas, em vez disso, encontraram um gregário ex-gerente de fábrica de automóveis que às vezes começava a cantar, recitar poemas ou tocar instrumentos musicais.

“Ele tinha um estilo pessoal que às vezes era um pouco extravagante. Acho que ele era mais humano do que Hu Jintao”, disse Jean Pierre Cabestan, professor de política da Universidade Batista de Hong Kong. “Jiang Zemin estava mais pronto para ser natural, embora às vezes pudesse ser percebido como vulgar, não muito sofisticado”. 

O tecnocrata treinado pelos soviéticos era relativamente desconhecido quando foi escolhido por Deng enquanto servia em Xangai para assumir as rédeas do poder.

Jiang era amplamente visto como um candidato de compromisso quando substituiu o reformador Zhao Ziyang, derrubado por linha-dura por simpatizar com o movimento democrático esmagado pelo exército em torno da Praça Tiananmen, no centro de Pequim, em junho de 1989.

Naquela época, muitos comparavam Jiang ao presidente Hua Guofeng, o sucessor escolhido por Mao, que foi deposto por Deng no final dos anos 1970, após alguns poucos anos no comando. Mas Jiang resistiu, acrescentando a presidência à sua lista de títulos em 1993.

Zeloso para que a vizinha e autogovernada Taiwan aceitasse a soberania chinesa, Jiang ameaçou a ilha com jogos de guerra e testes de mísseis antes de sua primeira eleição presidencial direta em 1996, azedando as relações bilaterais por mais de uma década.

Em 1997, Jiang fez uma viagem para quebrar o gelo nos Estados Unidos.

“Devemos seguir a tendência dos tempos, responder à vontade do povo e continuar nossa marcha rumo ao estabelecimento e desenvolvimento de uma parceria estratégica construtiva”, afirmou.

Jiang gerenciou crises nas relações sino-americanas após o bombardeio da Otan em 1999 à embaixada de Pequim em Belgrado e a colisão de 2001 entre um caça a jato chinês e um avião espião dos EUA no espaço aéreo chinês, que mergulhou os laços bilaterais em seu ponto mais baixo desde que o contato diplomático foi restabelecido. criada em 1971.

Em 2002, Jiang foi um dos poucos líderes mundiais a se encontrar com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em seu rancho em Crawford, Texas.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Ex-presidente chinês Jiang Zemin morre aos 96 anos no site CNN Brasil.