Coreia do Sul alerta para uma resposta sem precedentes ao teste nuclear do Norte


O presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, alertou sobre uma resposta conjunta sem precedentes com aliados se a Coreia do Norte prosseguir com um teste nuclear e pediu à China que ajude a dissuadir o Norte de buscar o desenvolvimento proibido de armas nucleares e mísseis.

Em uma ampla entrevista à Reuters na segunda-feira (28), Yoon pediu à China, o aliado mais próximo da Coreia do Norte, que cumpra suas responsabilidades como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. Ele disse que não fazer isso levaria a um influxo de ativos militares para a região.

“O que é certo é que a China tem a capacidade de influenciar a Coreia do Norte, e a China tem a responsabilidade de se envolver no processo”, disse Yoon em seu escritório. Cabe a Pequim decidir se exercerá essa influência para a paz e a estabilidade, acrescentou.

As ações da Coreia do Norte estavam levando a um aumento dos gastos com defesa em países da região, incluindo o Japão, e a um maior desdobramento de tropas de aviões de guerra e navios americanos, notou Yoon.

É do interesse da China fazer seus “melhores esforços” para induzir a Coreia do Norte a se desnuclearizar, disse.

Quando questionado sobre o que a Coreia do Sul e seus aliados, os Estados Unidos e o Japão, fariam se a Coreia do Norte realizasse um novo teste nuclear, Yoon disse que a resposta “será algo que nunca foi visto antes”, mas se recusou a elaborar o que isso implicaria. 

“Seria extremamente imprudente para a Coreia do Norte realizar um sétimo teste nuclear”, disse ele à Reuters.

Em meio a um ano recorde para testes de mísseis, o líder norte-coreano Kim Jong Un disse esta semana que seu país pretende ter a força nuclear mais poderosa do mundo.

Autoridades sul-coreanas e norte-americanas dizem que Pyongyang pode estar se preparando para retomar os testes de armas nucleares pela primeira vez desde 2017.

Os testes da Coreia do Norte ofuscaram várias reuniões de líderes internacionais neste mês, incluindo a conferência do Grupo dos 20 em Bali, onde Yoon pressionou o presidente chinês, Xi Jinping, a fazer mais para conter as provocações nucleares e de mísseis da Coreia do Norte.Xi instou Seul a melhorar as relações com Pyongyang.

À frente do G20, o presidente dos EUA Joe Biden disse a Xi que Pequim tinha a obrigação de tentar dissuadir a Coreia do Norte de um teste nuclear, embora tenha dito que não estava claro se a China poderia fazê-lo.

O conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, disse antes da reunião que Biden alertaria Xi que o desenvolvimento contínuo de armas da Coreia do Norte levaria a uma presença militar aprimorada dos EUA na região, algo que Pequim não deseja ver.

A Coreia do Sul e os Estados Unidos concordaram em enviar mais soldados norte-americanos.

“Recursos estratégicos” como porta-aviões e bombardeiros de longo alcance para a área, mas Yoon disse que não espera mudanças nas 28.500 forças terrestres americanas estacionadas na Coreia do Sul.

“Devemos responder de forma consistente e em sintonia uns com os outros”, disse Yoon, culpando a falta de consistência na resposta internacional pelo fracasso de três décadas da política da Coreia do Norte.

A China lutou ao lado do Norte na Guerra da Coréia de 1950-53 e a apoiou econômica e diplomaticamente desde então, mas analistas dizem que Pequim pode ter poder limitado e talvez pouco desejo de conter Pyongyang.

A China diz que aplica as sanções do CSNU, nas quais votou, mas desde então pediu que elas fossem atenuadas e, junto com a Rússia, bloqueou as tentativas lideradas pelos EUA de impor novas sanções.

Oposições à mudança no status quo de Taiwan

Aprofundar os laços e a coordenação com Washington é o cerne da política externa de Yoon.

Como seu antecessor, Moon Jae-in, Yoon agiu com cautela em meio à crescente rivalidade EUA-China.

A China é o maior parceiro comercial da Coreia do Sul, bem como um parceiro próximo da Coreia do Norte.

Sobre as crescentes tensões entre China e Taiwan, Yoon disse que qualquer conflito deve ser resolvido de acordo com as normas e regras internacionais.

Taiwan, que a China reivindica como sua, está sob crescente pressão militar e política de Pequim, que disse que nunca renunciaria ao uso da força contra a ilha.

“Eu me oponho fortemente a qualquer tentativa de mudar o status quo unilateralmente”, disse Yoon.

Quando perguntado sobre um papel em um conflito de Taiwan para a Coreia do Sul ou os EUA com tropas estacionadas lá, Yoon disse que as forças do país “considerariam a situação geral de segurança”, mas que sua preocupação mais iminente seria as tentativas militares norte-coreanas de tirar vantagem da situação.

“O importante é responder à ameaça iminente que nos cerca e controlar a possível ameaça”, disse ele.

Cooperação regional

Yoon também fez do aumento da cooperação com o Japão um objetivo central, apesar das persistentes disputas legais e políticas que datam da ocupação japonesa da península coreana em 1910-1945.

Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos concordaram em compartilhar informações em tempo real para rastrear testes de mísseis balísticos norte-coreanos.

Como parte de sua maior expansão militar desde a Segunda Guerra Mundial, espera-se que o Japão adquira novas munições, incluindo mísseis de longo alcance, gaste em defesas cibernéticas e crie uma sede de comando combinada aérea, marítima e terrestre que trabalhará mais estreitamente com os EUA.

As ambições militares do Japão têm sido uma questão delicada nos países vizinhos, muitos dos quais foram invadidos antes ou durante a Segunda Guerra Mundial.

O predecessor de Yoon interrompeu muitos dos exercícios trilaterais e quase deixou um acordo de compartilhamento de inteligência com Tóquio quando as relações azedaram.

Agora, o Japão enfrenta cada vez mais ameaças do programa de mísseis da Coreia do Norte, incluindo testes que sobrevoam as ilhas japonesas, disse Yoon.

“Acredito que o governo japonês não pode estar dormindo ao volante com os voos de mísseis norte-coreanos sobre seu território”, disse ele.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Coreia do Sul alerta para uma resposta sem precedentes ao teste nuclear do Norte no site CNN Brasil.