Austrália anuncia plano de 10 anos para conter extinção de plantas e animais


Austrália compromete-se a zero extinções com novo plano para proteger 30% da terra

A Austrália, que tem um dos piores registros de extinção do mundo, anunciou na terça-feira (4) um plano de 10 anos para evitar que mais espécies morram no país, protegendo suas plantas e animais mais ameaçados.

Ao lançar o plano no Taronga Zoo, em Sydney, a Ministra do Meio Ambiente e Água da Austrália, Tanya Plibersek, disse que o governo trabalhista tinha uma “meta muito ambiciosa” de conservar mais de 30% da massa terrestre da Austrália até 2030.

“Estamos falando de mais 50 milhões de hectares (cerca de 500.000 quilômetros quadrados) de paisagem que precisamos encontrar e gerenciar de uma forma que proteja a paisagem e as espécies que dependem dela”, disse Plibersek.

O plano coloca a Austrália em linha com mais de 100 outros países, incluindo os Estados Unidos, que se comprometeram a proteger 30% de suas terras e 30% de seus oceanos até 2030. A coalizão inicial de países anunciou seu compromisso à frente do One Planet summit em 2021.

Nos últimos anos, a vida selvagem da Austrália sofreu devido a desastres naturais, desmatamento, predadores selvagens e os efeitos da crise climática, incluindo os incêndios do “Verão Negro” que devastaram os estados do sul em 2019-20, matando ou deslocando quase 3 bilhões de animais, de acordo com estimativas do World Wide Fund for Nature (WWF).

Os incêndios contribuíram para as perspectivas sombrias para a biodiversidade australiana detalhada no relatório State of the Environment 2021. Lançado tardiamente em julho deste ano, o relatório descobriu que a Austrália havia perdido mais espécies de mamíferos do que qualquer outro continente e “continua a ter uma das maiores taxas de declínio de espécies entre os países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico”.

O governo anterior da Coalizão optou por não divulgar o relatório antes da eleição federal em maio, com alguns especulando que seu conteúdo era tão alarmante que o governo temia que pudesse custar-lhes votos. Eles perderam a eleição de qualquer maneira, que viu um número maior de defensores do meio ambiente ganhar assentos em todo o país.

Animais na ilha Kangaroo, no sul da Austrália, sofreram durante os incêndios florestais de 2019-20. Lisa Maree Williams/Getty Images

O que está no plano

O novo plano identifica 20 locais e 110 espécies que se tornarão o foco dos esforços de conservação.

O governo diz que as espécies prioritárias foram selecionadas com base em vários fatores, incluindo sua singularidade e risco de extinção, enquanto os locais prioritários representam uma “ampla gama de paisagens e ecossistemas australianos”. As áreas incluem as florestas do extremo norte de Queensland, o Parque Nacional Kakadu no Território do Norte e a Ilha Kangaroo no sul da Austrália.

“Ao focar nessas espécies e nesses lugares, temos a maior chance de sucesso”, disse Plibersek .

A diretora de conservação do World Wildlife Fund Australia, Rachel Lowry, aplaudiu o compromisso do governo com as espécies ameaçadas da Austrália, mas disse que o plano deve ir além.

A Austrália listou a cacatua de gangue como uma espécie em extinção em março de 2022. Paulo Lagos/Ação Adobe

“A Austrália tem mais de 1.900 espécies ameaçadas listadas. Este plano escolhe 110 vencedores. Não está claro como isso ajudará nossas outras espécies ameaçadas ‘não prioritárias’, como nosso planador maior ameaçado de extinção, por exemplo”, disse Lowry em comunicado.

O gerente do programa de natureza da Australian Conservation Foundation, Basha Stasak, disse que “parar a destruição do habitat da vida selvagem é a chave” para alcançar a meta do governo de não haver novas extinções.

Stasak acrescentou que o plano do governo é “ambicioso, mas essencial para que as futuras gerações de australianos vejam animais como coalas, gambás pigmeus da montanha, planadores maiores e cacatuas de gangues”, todos listados como espécies ameaçadas ou vulneráveis.

O plano também inclui ênfase contínua em “ações que podem beneficiar mais as espécies ameaçadas”, como minimizar o impacto de ameaças como gatos selvagens e raposas, envolver a comunidade e liderar os esforços de recuperação e ajudar as espécies prioritárias a se adaptarem às mudanças climáticas para que acaba por se tornar mais resiliente.

Predadores selvagens introduzidos pelos colonos durante a colonização se multiplicaram e desempenharam um papel descomunal na degradação ambiental da Austrália.

Um estudo recente publicado na revista Diversity and Distributions estimou que raposas e gatos matam quase 700 milhões de répteis, 510 milhões de pássaros e 1,4 bilhão de mamíferos todos os anos na Austrália.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Austrália anuncia plano de 10 anos para conter extinção de plantas e animais no site CNN Brasil.