Asteroide que eliminou dinossauros também desencadeou tsunami global, diz estudo


Quando um asteroide do tamanho de uma cidade colidiu com a Terra há 66 milhões de anos, eliminou os dinossauros — e enviou um tsunami monstruoso ao redor do planeta, de acordo com uma nova pesquisa.

O asteroide, com cerca de 14 quilômetros de largura, deixou uma cratera de impacto de cerca de 100 quilômetros perto da península mexicana de Yucatán. Além de acabar com o reinado dos dinossauros, o golpe direto desencadeou a extinção em massa de 75% da vida animal e vegetal do planeta.

Quando o objeto atingiu, criou uma série de eventos cataclísmicos. As temperaturas globais flutuaram; nuvens de aerossol, fuligem e poeira enchiam o ar; e incêndios florestais começaram quando pedaços de material em chamas explodiram do impacto reentrou na atmosfera e choveu.

Em 48 horas, um tsunami deu a volta ao mundo – e foi milhares de vezes mais energético do que os tsunamis modernos causados por terremotos.

Pesquisadores começaram a entender melhor o tsunami e seu alcance por meio de modelagem. Eles encontraram evidências para apoiar suas descobertas sobre o caminho e a força do tsunami estudando 120 núcleos de sedimentos oceânicos de todo o mundo. Um estudo detalhando as descobertas foi publicado nesta terça-feira (4) na revista American Geophysical Union Advances.

É a primeira simulação global do tsunami causado pelo impacto de Chicxulub a ser publicada em uma revista científica revisada por pares, de acordo com os autores.

O tsunami foi poderoso o suficiente para criar ondas gigantescas com mais de um quilômetro de altura e vasculhar o fundo do oceano a milhares de quilômetros de onde o asteroide atingiu, de acordo com o estudo. Ele efetivamente limpou o registro de sedimentos do que aconteceu antes do evento, bem como durante ele.

“Este tsunami foi forte o suficiente para perturbar e erodir sedimentos em bacias oceânicas do outro lado do globo, deixando uma lacuna nos registros sedimentares ou uma confusão de sedimentos mais antigos”, disse a principal autora Molly Range, que começou a trabalhar no estudo como estudante de graduação.

Os pesquisadores estimam que o tsunami foi até 30 mil vezes mais energético do que o tsunami de 26 de dezembro de 2004 no Oceano Índico, um dos maiores já registrados, que matou mais de 230 mil pessoas. A energia do impacto do asteroide foi pelo menos 100 mil vezes maior do que a erupção vulcânica de Tonga no início deste ano.

Traçando o caminho de um antigo tsunami

Brandon Johnson, coautor do estudo e professor associado da Purdue University, usou um grande programa de computador chamado hidrocódigo para simular os primeiros 10 minutos do impacto de Chicxulub, incluindo a formação da cratera e o início do tsunami.

Ele incluiu o tamanho do asteroide e sua velocidade, que foi estimada em 43,2 mil quilômetros por hora quando atingiu a crosta de granito e as águas rasas da península de Yucatán.

Menos de três minutos depois, rochas, sedimentos e outros detritos empurraram uma parede de água para longe do impacto, criando uma onda de 4,5 quilômetros de altura, de acordo com a simulação. Esta onda diminuiu quando o material explodido caiu de volta à Terra.

Mas à medida que os destroços caíram, criaram ondas ainda mais caóticas.

Dez minutos após o impacto, uma onda em forma de anel com cerca de uma milha de altura começou a viajar pelo oceano em todas as direções a partir de um ponto localizado a 220 quilômetros do impacto.

Gráfico mostra o movimento da altura da superfície do mar do tsunami quatro horas após o impacto do asteroide / De Range

Esta simulação foi então inserida em dois modelos de tsunami globais diferentes, MOM6 e MOST. Enquanto o MOM6 é usado para modelar tsunamis oceânicos profundos, o MOST faz parte da previsão de tsunamis nos Centros de Alerta de Tsunami da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica.

Ambos os modelos forneceram quase os mesmos resultados, criando uma linha do tempo do tsunami para a equipe de pesquisa.

Uma hora após o impacto, o tsunami havia viajado além do Golfo do México para o Oceano Atlântico Norte. Quatro horas após o impacto, as ondas atravessaram o Mar da América Central e entraram no Oceano Pacífico. O Mar da América Central já separou a América do Norte e a América do Sul.

Este gráfico mostra o movimento da altura da superfície do mar do tsunami 24 horas após o impacto. / De Range

Em 24 horas, as ondas entraram no Oceano Índico de ambos os lados depois de atravessar os oceanos Pacífico e Atlântico. E 48 horas após o impacto, grandes ondas de tsunami atingiram a maior parte das costas da Terra.

Um fundo do oceano em mudança

A corrente submarina foi mais forte no Oceano Atlântico Norte, no Mar da América Central e no Oceano Pacífico Sul, excedendo 643 metros por hora, o que é forte o suficiente para explodir sedimentos no fundo do oceano.

Enquanto isso, o Oceano Índico, o Pacífico Norte, o Atlântico Sul e o Mediterrâneo foram protegidos do pior do tsunami, com correntes submarinas menores.

A equipe analisou informações de 120 sedimentos que vieram em grande parte de projetos científicos anteriores de perfuração oceânica. Havia mais camadas de sedimentos intactas nas águas protegidas da ira do tsunami. Enquanto isso, havia lacunas no registro de sedimentos para os oceanos Atlântico Norte e Pacífico Sul.

Os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que os sedimentos nas costas orientais das ilhas norte e sul da Nova Zelândia foram fortemente perturbados com várias lacunas. Inicialmente, os cientistas pensaram que isso era por causa da atividade das placas tectônicas.

Mas o novo modelo mostra que os sedimentos estão diretamente no caminho do tsunami de Chicxulub, apesar de estarem a 12 mil quilômetros de distância.

“Sentimos que esses depósitos estão registrando os efeitos do tsunami de impacto, e esta é talvez a confirmação mais reveladora do significado global deste evento”, disse Range.

Embora a equipe não tenha estimado o impacto do tsunami nas inundações costeiras, o modelo mostra que as regiões costeiras do Atlântico Norte e a costa do Pacífico da América do Sul provavelmente foram atingidas por ondas com mais de 20 metros. As ondas só cresciam à medida que se aproximavam da costa, causando inundações e erosão.

Pesquisas futuras modelarão a extensão das inundações globais após o impacto e até que ponto os efeitos do tsunami podem ser sentidos, de acordo com o coautor do estudo e professor da Universidade de Michigan e oceanógrafo físico Brian Arbic.

“Obviamente, as maiores inundações teriam sido mais próximas do local do impacto, mas mesmo longe as ondas provavelmente seriam muito grandes”, disse Arbic.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Asteroide que eliminou dinossauros também desencadeou tsunami global, diz estudo no site CNN Brasil.