Missão da Nasa captura som do impacto de rochas espaciais em Marte; ouça


O Nasa InSight Lander “ouviu” e detectou as vibrações de quatro rochas espaciais quando colidiram com Marte nos últimos dois anos.

É a primeira vez que uma missão capta ondas sísmicas e acústicas de um impacto em Marte, e a primeira detecção de impactos da InSight desde o pouso no planeta vermelho em 2018.

Felizmente, a InSight não estava no caminho desses meteoroides, o nome das rochas espaciais antes de atingirem o solo. Os impactos variaram de 85 a 290 quilômetros de distância da posição da sonda estacionária em Elysium Planitia de Marte, uma planície lisa ao norte de seu equador.

Um meteoroide atingiu a atmosfera marciana em 5 de setembro de 2021 e explodiu em pelo menos três fragmentos, cada um deixando para trás uma cratera na superfície do planeta vermelho.

A Mars Reconnaissance Orbiter então sobrevoou o local para confirmar onde o meteoróide pousou, localizando três áreas escuras. O imager colorido do orbitador, a câmera High-Resolution Imaging Science Experiment, tirou close-ups detalhados das crateras.

Pesquisadores compartilharam suas descobertas sobre as novas crateras em um estudo publicado na segunda-feira (19) na revista Nature Geoscience.

“Depois de três anos de InSight esperando para detectar um impacto, essas crateras ficaram lindas”, disse a coautora do estudo Ingrid Daubar, professora assistente de ciências da Terra, ambientais e planetárias na Brown University em Providence, Rhode Island, em um comunicado.

Os dados da InSight também revelaram três outros impactos semelhantes, um em 27 de maio de 2020 e dois adicionais em 2021 em 18 de fevereiro e 31 de agosto.

A agência divulgou uma gravação de um impacto de meteoroide marciano na segunda-feira. Durante o clipe, ouça um “bloop” (som submarino) que soa muito ficção científica três vezes enquanto a rocha espacial entra na atmosfera, explode em pedaços e atinge a superfície.

Ouça:

NASA · InSight Captures Sound of a Meteoroid Striking Mars

 

Os cientistas realmente questionaram por que mais impactos não foram detectados em Marte porque o planeta está localizado próximo ao principal cinturão de asteróides do nosso Sistema Solar, onde muitas rochas espaciais emergem para atingir a superfície marciana.

A atmosfera marciana tem apenas 1% da espessura da atmosfera da Terra, o que significa que mais meteoróides passam por ela sem se desintegrar.

Durante seu tempo em Marte, a InSight usou seu sismômetro para detectar mais de 1.300 marsquakes (terremotos em Marte), que ocorrem quando a subsuperfície marciana racha devido à pressão e ao calor.

O instrumento sensível pode detectar ondas sísmicas que ocorrem a milhares de quilômetros de distância da localização do InSight — mas o evento de setembro de 2021 é a primeira vez que os cientistas usaram as ondas para confirmar um impacto.

“Os impactos são os relógios do Sistema Solar”, disse o principal autor Raphael Garcia, pesquisador acadêmico do Institut Supérieur de l’Aéronautique et de l’Espace em Toulouse, França, em um comunicado. “Precisamos saber a taxa de impacto hoje para estimar a idade de diferentes superfícies.”

Estudar os dados do InSight pode fornecer aos pesquisadores uma maneira de analisar a trajetória e o tamanho da onda de choque produzida quando o meteoroide entra na atmosfera, bem como quando atinge o solo.

“Estamos aprendendo mais sobre o próprio processo de impacto”, disse Garcia. “Podemos combinar diferentes tamanhos de crateras com ondas sísmicas e acústicas específicas agora.”

A missão da InSight está chegando ao fim à medida que a poeira se acumula em seus painéis solares e reduz sua energia. Eventualmente, a espaçonave será desligada, mas a equipe não tem certeza de quando isso acontecerá.

As leituras mais recentes sugeriram que ele poderia ser encerrado entre outubro e janeiro de 2023.

Até então, a espaçonave ainda tem a chance de adicionar ao seu portfólio de pesquisa e impressionante coleção de descobertas em Marte.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Missão da Nasa captura som do impacto de rochas espaciais em Marte; ouça no site CNN Brasil.