SpaceX e operadora T-Mobile vão usar satélites para eliminar áreas sem cobertura


A SpaceX e a T-Mobile querem transmitir o serviço de celular para “a maioria dos lugares nos EUA”, incluindo algumas das áreas mais remotas do país que tradicionalmente não são tocadas pela conectividade sem fio.

A ideia, que as empresas planejam lançar em testes beta até o final do ano que vem, é usar o negócio de internet baseado em satélite da SpaceX, Starlink, para fornecer uma “camada extra” de conectividade aos telefones da T-Mobile.

A T-Mobile também está oferecendo roaming recíproco para operadoras de celular em outros países, na esperança de que o alcance global da Starlink permita que as pessoas usem seus telefones para mensagens em todo o planeta.

“Este é um convite aberto para operadoras de todo o mundo, por favor, entrem em contato conosco”, disse o CEO da SpaceX, Elon Musk, durante um evento anunciando o plano. O novo serviço dependerá principalmente da “versão 2”, ou V2, satélites Starlink, de acordo com Musk. Eles não devem começar a ser lançados antes do próximo ano.

“Para fornecer esse serviço, as empresas criarão uma nova rede, transmitida a partir dos satélites da Starlink usando o espectro de banda média da T-Mobile em todo o país. Esse verdadeiro serviço de satélite para celular fornecerá cobertura quase completa em quase qualquer lugar que o cliente possa ver o céu”, de acordo com a um comunicado de imprensa da T-Mobile.

O serviço de celular baseado em satélite através da Starlink também funcionará com telefones no mercado hoje, disse Musk.

Essencialmente, o objetivo é trazer o “fim das zonas mortas móveis”, disse o CEO da T-Mobile, Mike Sievert, durante um evento anunciando a parceria nas instalações da SpaceX no sul do Texas. Mas estará disponível apenas para pessoas em planos da T-Mobile, embora Sievert tenha dito que os “planos mais populares da T-Mobile” receberão o serviço sem custo adicional.

As empresas disseram que, a princípio, o serviço provavelmente será limitado a mensagens de texto, com chamadas de vídeo e voz ocasionalmente. As empresas planejam atualizar o serviço posteriormente.

“Você pode ter que esperar meia hora, talvez, para que a coisa aconteça, mas ainda deve funcionar desde o início”, acrescentou Musk. “Não é um substituto para estações de células terrestres, porque as estações de células terrestres, especialmente em áreas urbanas e suburbanas, definitivamente serão superiores ao que estamos falando aqui. Isso realmente visa fornecer cobertura básica para áreas que atualmente estão completamente mortas.”

A T-Mobile diz que estima que “mais de meio milhão de milhas quadradas” dos EUA estão “intocadas por sinais de celular”, de acordo com um comunicado de imprensa.
Musk o classificou como uma missão de “salvar vidas”, pois poderia fornecer conectividade às pessoas em situações de emergência, como caminhadas em áreas remotas.

É bem sabido que grandes áreas dos Estados Unidos não têm acesso à internet ou serviço de celular. Enquanto o serviço de celular depende de torres que transmitem conectividade em certas áreas, e as conexões de banda larga tradicionais exigem teias de cabos subterrâneos, o Starlink da SpaceX adotou uma abordagem diferente para a conectividade. Seus serviços dependem de colmeias de satélites a apenas algumas centenas de quilômetros acima da Terra que trabalham em conjunto com a conectividade do feixe.

Resta saber quão efetiva será a parceria e quantos clientes sem fio serão beneficiados. Starlink também ainda é um novo serviço com apenas meio milhão de usuários até agora.

A notícia vem apenas duas semanas depois que os reguladores federais anunciaram que a SpaceX não receberia os quase US$ 900 milhões em subsídios que a empresa recebeu em dezembro, citando o fato de que seu serviço baseado em satélite “ainda está desenvolvendo tecnologia” e a empresa “não conseguiu demonstrar que [ele] poderia entregar o serviço prometido.”

A Comissão Federal de Comunicações, que supervisionou o programa de subsídios, disse que havia várias razões pelas quais decidiu negar os subsídios da SpaceX, incluindo dados recentes que “indicam que as velocidades da Starlink estão diminuindo do último trimestre de 2021 ao segundo trimestre de 2022”.

Este conteúdo foi originalmente publicado em SpaceX e operadora T-Mobile vão usar satélites para eliminar áreas sem cobertura no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.