Mais disputados que nunca, pilotos saem “empregados” de aérea recém-falida


Os pilotos estão em alta demanda ultimamente —uma demanda tão alta, na verdade, que os pilotos da recém extinta ExpressJet Airlines estão encontrando novas ofertas de emprego dias após o empregador declarar falência.

A Piedmont Airlines, uma companhia aérea regional com sede em Maryland e subsidiária da American Airlines, anunciou na quinta-feira (25) que ofereceria vagas de emprego aos pilotos da ExpressJet com base na senioridade.

A oferta considera o contrato de piloto da Piedmont, negociado em 2021 com o maior sindicato de pilotos do mundo, a Airline Pilots Association, que permite à empresa oferecer um “porto seguro para o emprego” para pilotos “em dificuldades”, segundo a empresa.

A oferta não vem apenas da Piedmont Airlines. A Envoy Air, subsidiária da American Airlines, “tem as mesmas disposições e estamos oferecendo aos pilotos ExpressJet/Aha ofertas de emprego condicionais sem entrevista”, de acordo com Ric Wilson, vice-presidente de operações de voo da Envoy Air.

A ExpressJet, com sede em Atlanta, operou mais de 450 aeronaves em seu pico, mas os problemas induzidos pela pandemia foram um golpe fatal para a transportadora regional.

A companhia aérea, que se autodenomina uma “reinicialização” da empresa que anteriormente voava como Delta Connection e United Express, entrou com pedido de Chapter 11 na segunda-feira (22) em Delaware e encerrou as operações, segundo o site da empresa. Eles apontaram para um crescimento sufocado, custos crescentes e receita menor devido à pandemia.

“Ninguém quer ver uma companhia aérea falhar, nunca. Sabemos que os pilotos da ExpressJet são aviadores bem treinados que conhecem o Embraer 145 [aeronaves], e estamos muito satisfeitos em tornar essa transição o mais fácil possível para eles”, disse Matt Kernan, diretor de operações da Piedmont Airlines, em um comunicado de imprensa na quinta-feira.

“Esta é uma oportunidade de obter aumentos significativos de remuneração e bônus para esses pilotos, ofertas de trabalho aceleradas e, no processo, ajudar Piedmont a aumentar sua frota”.

O esforço para atrair pilotos experientes da empresa ocorre quando a Piedmont procura expandir seus negócios e competir em um setor de aviação com sede de pilotos.

Apesar de os esforços das companhias aéreas para contratar mais pilotos, a escassez de pilotos nos EUA ainda deve piorar.

E isso será especialmente verdade para as companhias aéreas regionais, como a Piedmont, que atendem cidades menores em nome das grandes companhias aéreas, como a American Airlines.

São principalmente esses pilotos que estão sendo contratados para pilotar os jatos maiores.

Com base em dados da previsão de frota da empresa de consultoria Oliver Wyman e modelos para o crescimento do setor, espera-se que haja escassez de quase 30 mil pilotos na América do Norte até 2032 se o setor não resolver seus problemas de pessoal.

Isso é quase quatro vezes maior do que a diferença prevista para este ano de 8.000 pilotos, que já provou ser problemática.

De acordo com a Regional Airline Association (RAA), duas dúzias de mercados atendidos por aeroportos regionais perderam metade de seu serviço nos últimos três anos – e isso não inclui as rodadas de cortes planejadas para o final deste ano.

Outros 42 mercados perderam entre um terço e metade do serviço nesse período.

Por trás da escassez de pilotos está uma confluência de tendências, incluindo a aposentadoria de Baby Boomers idosos e significativamente menos candidatos a emprego vindos das forças armadas, já que o uso de drones não tripulados aumentou constantemente e houve menos implantações.

A Covid-19 exacerbou o déficit, com as companhias aéreas oferecendo aos pilotos aposentadoria antecipada no auge da pandemia.

Quando a demanda por viagens aumentou em 2021, o déficit de pilotos foi tão dramático que prejudicou a capacidade de as companhias aéreas voltarem a acelerar, levando a atrasos e cancelamentos de voos.

“As comunidades estavam perdendo serviço aéreo durante a maior parte da última década”, disse Faye Malarkey Black, CEO da RAA.

“Você não precisa perder todo o seu serviço para perder a conectividade com o sistema. Quando você perde muito de sua frequência, as empresas não vão querer se localizar em um lugar.”

Reportagens adicionais de Chris Isidore, Geoff Murray, Andrew Medland e Rory Heilakka, da CNN.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Mais disputados que nunca, pilotos saem “empregados” de aérea recém-falida no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.