Análise sobre séries: vida medieval vai além de miséria e violência sexual


Nota: Este texto contém spoilers leves de “A Casa do Dragão” e “Game of Thrones”.

Sempre que uma história de fantasia vai longe demais na violência ou na simples e velha exploração da miséria humana, os contadores de histórias gostam de trotar quatro pequenas palavras:

“Mas é historicamente preciso”.

Essa foi a explicação que os criadores do spin-off “A Casa do Dragão“, de “Game of Thrones”, deram depois que a estreia serviu uma miscelânea de sangue, incluindo uma agonizante cena de parto forçado em que uma mulher é cortada como um peru na esperança de salvar seu bebê às custas de sua própria vida. (Ambos morrem).

“Sentimos que era uma maneira interessante de explorar o fato de que, para uma mulher nos tempos medievais, dar à luz era violência”, disse um dos showrunners Miguel Sapochnik ao The Hollywood Reporter sobre a cena. (A HBO, lar de “Game of Thrones” e “House of the Dragon”, compartilha a empresa controladora Warner Bros. Discovery com a CNN).

A violência sexual e reprodutiva é historicamente fiel à idade medieval? Até certo ponto, sim, como mostram os registros. Mas também muitas outras coisas que parecem cair convenientemente do storyboard quando é hora de adicionar autenticidade.

“O desejo de ser ‘preciso’ de repente desaparece quando o sexo não está envolvido e são realmente interessantes minúcias do dia a dia”, diz Eleanor Janega, uma historiadora medieval que leciona na London School of Economics. “Se o mundo (‘Game of Thrones’) era historicamente preciso, por que nem todas as casas nobres ou castelos são absolutamente cobertos por enormes murais coloridos e vistosos? Por que essa forma de precisão histórica não é importante, mas mostrar estupro como endêmico é?”, questiona.

Outros historiadores apontam que, por mais lasciva e digna de suspiros, como uma morte grosseira por cesariana, essa carnificina não era tão prevalente quanto os contadores de histórias querem que você acredite.

“Eles estavam muito interessados ​​em proteger as mães de danos”, disse a estudiosa de história medieval Sara McDougall à Slate.

Textos da época indicam que tais medidas extremas geralmente seriam realizadas em mulheres que já haviam morrido – não, como em “House of the Dragon”, uma mulher totalmente desperta e alerta, sem ideia do que estava prestes a acontecer com ela.

A série original de “Game of Thrones” foi altamente criticada por seu interminável carrossel de estupro, abuso, humilhação sexual, crueldade e, claro, parto que deu errado. George R.R. Martin, a mente por trás da icônica série “As Crônicas de Gelo e Fogo“, que gerou “Game of Thrones” e “House of the Dragon”, há muito tempo diz que recorre à história para fundamentar suas narrativas.

A rivalidade entre os Starks e os Lannisters, por exemplo, é formada após a lendária Guerra das Rosas. Até mesmo o mortal Casamento Vermelho (que apresenta outro final infeliz para uma personagem grávida) se inspira em um evento da história medieval escocesa conhecido como “Jantar Negro”.

Eleanor ressalta que, embora os tempos medievais certamente não fossem muito gentis com as mulheres ou qualquer outra pessoa que não fosse rico, poderoso e masculino, eles não eram o burlesco do sofrimento que estamos tão acostumados a ver na tela.

“‘Precisão’ está sempre focando nos aspectos desagradáveis ​​de uma sociedade, mas nunca nos agradáveis”, diz ela. “(Ela) de alguma forma sempre abrange a violência sexual e nunca coisas como, por exemplo, o sistema de três campos, ou açudes de pesca. Eles realmente não mostram como as mulheres além da nobreza são uma parte dinâmica da força de trabalho medieval. As mulheres são encontradas em praticamente todas as facetas do trabalho medieval: como ferreiras, administrando lojas, fabricando cerveja, na produção de tecidos, administrando casas de banho ou em delegações comerciais que se dirigem à corte”.

Na ficção, a história é sempre negociável. Precisamos realmente ver, por exemplo, as especificidades do encanamento medieval, ou vislumbrar o punho desgastado de uma nobre para nos sentirmos centrados em uma história que também inclui dragões e fogo mágico? Provavelmente não, como o público notou. Mas isso significa que, como observa Eleanor, os detalhes que importam podem dizer mais sobre o presente do que sobre o passado.

“Seria mais correto dizer que isso é ficção, mas reflete a sociedade que está criando a arte, e que a sociedade está repleta de agressão sexual, em vez de sugerir que isso simplesmente tem que ser feito em nome de testemunhar um passado misógino que não experimentamos mais”, diz Eleanor.

É fácil, e talvez um pouco reconfortante, olhar para trás algumas centenas de anos e decidir que as coisas eram muito piores em todos os aspectos. Embora muito disso seja verdade, os registros mostram que carregamos uma infinidade de equívocos sobre as eras medievais e vizinhas que fazem nossa realidade atual parecer muito mais sofisticada em contraste.

Embora possamos imaginar dentes podres e corpos fétidos, higiene oral e limpeza, embora limitadas pelos padrões de hoje, eram importantes para aqueles com acesso a ferramentas apropriadas e água limpa (ou não tão limpa).

Mesmo algo tão horrível quanto estupro foi definido de forma diferente, abrangendo sequestro e formas de sexo fora do casamento. Sim, as pessoas ainda fediam. Sim, as pessoas ainda se envolviam em formas impensáveis ​​de violência.

Mas o argumento da “precisão histórica” ​​muitas vezes pode colocar mais ênfase em encontrar diferenças entre passado e presente do que lidar com as semelhanças desconfortáveis ​​que os estudiosos notaram.

Claro, vale lembrar que a fantasia não precisa se parecer com a história. Se os vastos recessos da imaginação podem gerar gigantes de gelo e trazer os mortos de volta à vida, certamente podem inventar um mundo onde as estruturas sociais não são definidas pelo sofrimento sempre presente. E se deve haver fogo e sangue, talvez haja maneiras mais criativas – ou melhor, até historicamente mais precisas – de descrever este cenário.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Análise sobre séries: vida medieval vai além de miséria e violência sexual no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.