Ex-funcionários de Trump alegam manuseio incorreto de documentos confidenciais


Um ex-funcionário de Donald Trump disse à CNN que não ficou surpreso ao saber que os Arquivos Nacionais encontraram caixas com registros classificados (secretos) que “foram manuseados, misturados com outros documentos e identificados de forma inadequada (sic)”.

Segundo essa fonte, o ex-presidente era conhecido por passear tanto pela Casa Branca como por Mar-a-Lago e tirar documentos de caixas, olhar para eles e depois colocá-los em outras caixas ou ao lado, muitas vezes sem método ou razão para isso.

Fontes também disseram que Trump estava constantemente colocando coisas em pilhas e as deixando em seu escritório para serem lidas mais tarde. Essas pilhas geralmente incluíam desde recortes de jornais até o briefing diário entregue ao presidente.

O empresário também teria escrito notas no verso de outros documentos presidenciais – mesmo quando assessores lhe dissessem para não fazê-lo.

Outra fonte descreveu como Trump exibiria os documentos para visitantes, incluindo as cartas entre ele e o líder norte-coreano Kim Jong Un, indicando a falta de protocolo que parecia adotar em relação aos textos.

Departamento de Justiça divulga documento justificando operação

Uma versão editada da declaração do mandado de busca a uma propriedade do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump em Mar-a-Lago foi divulgada nesta sexta-feira (26) após ordens de um juiz federal.

O texto foi apresentado pelo Departamento de Justiça dos EUA para justificar a operação do FBI, que aconteceu no início deste mês. O órgão explica por que os investigadores acreditavam que havia uma causa provável para crimes terem sido cometidos e o material que os agentes esperavam encontrar na residência.

Leia o documento na íntegra e detalhes neste link.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Ex-funcionários de Trump alegam manuseio incorreto de documentos confidenciais no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.