Prática ancestral de 7 milhões de anos cooperou para evolução humana, diz estudo


Quando você sai pela porta para começar o dia, pode não saber que está participando de algo que nos define como humanos — e algo que nossos ancestrais fazem há sete milhões de anos, de acordo com uma nova pesquisa.

Cientistas analisaram um fêmur e dois ossos do braço de Sahelanthropus tchadensis, um dos primeiros ancestrais humanos conhecidos, e encontraram sinais de que eles andavam sobre dois pés — também conhecido como bipedismo, de acordo com um novo estudo publicado na revista Nature.

“Nossos representantes mais antigos conhecidos praticavam o bipedismo (no chão e nas árvores)”, disse o autor do estudo, Franck Guy, pesquisador da Université de Poitiers, na França.

Os remanescentes dos seres antigos mostram que o bipedismo surgiu logo após chimpanzés e ancestrais humanos divergirem em suas trilhas evolutivas, acrescentou.

Há ainda mais a ser encontrado nesses fósseis. Suas características mostram que o Sahelanthropus tchadensis também manteve a capacidade de subir em árvores com proficiência, de acordo com o estudo.

Esses ancestrais eram hominídeos, ou espécies mais intimamente relacionadas aos humanos do que aos chimpanzés, e marcam um estágio inicial em nossa divergência evolutiva, disse Daniel Lieberman, professor de biologia evolutiva humana e paleoantropólogo da Universidade de Harvard. Lieberman não esteve envolvido no estudo.

O bipedismo nesses ancestrais não é exatamente uma surpresa. Os ossos do braço e da perna analisados ​​neste estudo foram encontrados no Chade em 2001 ao lado de um crânio quase completo, disse o estudo. Não está claro se eles vieram do mesmo indivíduo, disse o autor do estudo Guillaume Daver, professor assistente de paleontologia da Université de Poitiers.

O crânio mostrou um ponto apontando para baixo onde a cabeça e a medula espinhal se encontram — uma característica que tornaria muito mais difícil andar de quatro, disse Lieberman.

A nova análise dos membros dessa descoberta fornece ainda mais evidências de que os hominídeos estavam viajando em duas pernas quando vagavam pela Terra há cerca de 7 milhões de anos, acrescentou.

“É um vislumbre do que colocou a linhagem humana em um caminho evolutivo separado de nossos primos macacos”, disse Lieberman. Embora as descobertas recentes apoiem o que os primeiros estudos já sugeriram, os fósseis dessa época são raros, portanto, cada descoberta é uma evidência importante, acrescentou.

E o novo estudo “torna bastante improvável que o ancestral comum que compartilhamos com os chimpanzés pareça um chimpanzé”, disse Guy.

Esta imagem mostra o mapa de variação de espessura para os fêmures de (da esquerda para a direita) Sahelanthropus, um humano existente, um chimpanzé e um gorila (em vista posterior)
Esta imagem mostra o mapa de variação de espessura para os fêmures de (da esquerda para a direita) Sahelanthropus, um humano existente, um chimpanzé e um gorila (em vista posterior) / Sabine Riffault/guillaume Daver/Franck Guy/Palevorim/CNRS/Universidade de Poitiers

O bipedismo

O bipedismo foi extremamente importante para nossa evolução, mas não fazia muito sentido para nossos ancestrais, disse Lieberman.

Andar sobre duas patas torna o animal mais lento, instável e com maior risco de dores nas costas, nenhuma das quais é útil para a sobrevivência, acrescentou.

“Deve ter havido alguma vantagem muito grande”, disse Lieberman. Os cientistas têm uma hipótese sobre o que poderia ter sido.

Nosso ancestral comum com os macacos era muito parecido com um chimpanzé, e sabemos que eles precisam usar muita energia para andar — duas vezes mais que os humanos quando você ajusta o tamanho do corpo, disse Lieberman.

Quando os caminhos evolutivos de humanos e chimpanzés divergiram, o clima da Terra estava mudando e as florestas tropicais na África estavam se desfazendo, então nossos ancestrais tiveram que viajar mais longe para conseguir comida, disse ele. A hipótese é que andar sobre duas pernas lhes deu mais energia para viajar.

“O que realmente nos colocou nesse caminho evolutivo diferente é que éramos bípedes, ou andávamos sobre duas pernas”, disse Lieberman. “Isso nos ajuda a entender realmente as origens da humanidade.”

Há muitas coisas que nos definem como humanos, como linguagem, ferramentas e fogo, disse ele. E na década de 1870, Charles Darwin — sem nenhuma das evidências que temos agora — adivinhou que andar sobre duas pernas foi a faísca que começou tudo, disse Lieberman.

E agora podemos ver que o bipedismo foi um grande diferencial dos macacos e ajudou a liberar nossas mãos para desenvolver ferramentas, disse Lieberman.

“Nós provamos que Darwin estava certo”, disse ele. “Isso é legal.”

Este conteúdo foi originalmente publicado em Prática ancestral de 7 milhões de anos cooperou para evolução humana, diz estudo no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.