Onda de calor extremo na Europa será padrão até 2035, mostra análise


A onda de calor recorde que varreu a Europa este ano se tornará o verão “médio” até 2035, mesmo que todos os países reduzam suas emissões de gases de efeito estufa tanto quanto se comprometeram, de acordo com uma análise publicada nesta quinta-feira (25).

A análise do Met Office Hadley Centre do Reino Unido, encomendada pelo Climate Crisis Advisory Group (CCAG) do país, analisou a rapidez com que as temperaturas estão mudando na região usando registros históricos de temperaturas médias no verão desde 1850 e comparando-os com as previsões do modelo.

Tomando uma visão de longo prazo, a análise descobriu que um verão médio na Europa central em 2100 seria mais de 4ºC mais quente do que na era pré-industrial.

Cientistas agora dizem que todas as ondas de calor carregam as impressões digitais das mudanças climáticas induzidas pelo homem, causadas principalmente pela queima de combustíveis fósseis.

“Esses dados servem como um lembrete urgente da necessidade de os países irem muito além de suas contribuições nacionalmente determinadas até agora prometidas sob o Acordo de Paris, que visa limitar o aquecimento global a menos de 1,5°C, se possível”, disse o CCAG no comunicado.

Contribuições determinadas nacionalmente, ou NDCs, estabelecem os cortes de emissões planejados de cada país para atingir a meta do Acordo de Paris de 2015 de limitar o aquecimento global a 2°C, ou 1,5°C, se possível.

O Reino Unido estabeleceu um recorde de temperatura nacional de todos os tempos em julho, depois de ultrapassar 40ºC pela primeira vez. Outros recordes locais foram quebrados em partes da Espanha, Portugal e França, que também lutam contra incêndios florestais, já que tanto o calor quanto a seca deixam as florestas e pastagens secas.

“Após a onda de calor europeia de 2003, que se estima ter matado mais de 70 mil pessoas, eu previ que tais temperaturas, tão excepcionais na época, se tornariam a norma sob emissões contínuas. Essa previsão agora foi realizada”, disse Peter Stott do Met Office Hadley Center.

“Os riscos de clima extremo, incluindo incêndios, secas e inundações repentinas, continuarão aumentando rapidamente, a menos que as emissões de gases de efeito estufa sejam reduzidas substancialmente”.

Pessoas se refrescam perto da fonte da Trafalgar Square durante onda de calor que atingiu Londres, no Reino Unido, em 18 de julho de 2022 / Anadolu Agency via Getty Images

Promessas do Acordo de Paris ficam aquém

As novas descobertas foram publicadas pouco mais de dois meses antes das negociações climáticas internacionais da COP27 no Egito. No ano passado, os países concordaram em alinhar seus planos de emissões com o objetivo de limitar o aquecimento global a 1,5°C até o final da COP27.

Uma análise do Climate Action Tracker no ano passado descobriu que nenhuma das principais economias do mundo — incluindo todo o G20 — tinha um plano que cumprisse suas obrigações sob o Acordo de Paris. Alguns países apresentaram planos mais ambiciosos desde então.

Para conter o aquecimento global, o CCAG defende que os países reduzam as emissões “com urgência, profundidade e rapidez”; remover o dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa da atmosfera em “grandes quantidades para reduzir o total a partir de hoje”; e “ganhar tempo” para completar esses dois.

Para fazer isso, o comitê disse que o mundo deveria reparar partes quebradas do sistema climático, começando pelo Ártico.

Ele acrescentou que “para criar um futuro gerenciável, devemos recongelar o Oceano Ártico, que já aqueceu a 3,5°C acima dos níveis pré-industriais e está exacerbando os eventos climáticos extremos em todo o mundo”.

O presidente da CCAG, David King, disse em um comunicado que a ciência deixou claro que o clima extremo é “pelo menos em grande parte uma consequência das mudanças climáticas induzidas pelo homem”.

“Os dados divulgados pelo Met Office hoje mostram que, mesmo que os países cumpram seus compromissos de reduzir as emissões que assumiram até agora, a situação ainda deve piorar, com previsão de clima na Europa ainda mais extremo do que o observado neste verão,” ele disse.

“Esses dados não explicam totalmente a instabilidade do Ártico, que agora sabemos ser um ponto de inflexão global que pode ter grandes consequências em cascata para todo o planeta”.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Onda de calor extremo na Europa será padrão até 2035, mostra análise no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.