Departamento de Justiça dos EUA recebe ordem para divulgar mandado em Mar-a-Lago


O Departamento de Justiça dos Estados Unidos deve divulgar uma versão editada da declaração do mandado de busca em Mar-a-Lago, residência do ex-presidente Donald Trump, até o meio-dia de sexta-feira (26), conforme decidiu um juiz federal.

O mandado autorizou o FBI a fazer buscas na casa e no clube privado do ex-presidente Donald Trump no início deste mês.

Mais cedo na quinta-feira, o Departamento de Justiça apresentou suas redações propostas ao juiz magistrado dos EUA Bruce Reinhart, que emitiu a ordem para a liberação pública.

O porta-voz do Departamento de Justiça, Anthony Coley, disse: “Os Estados Unidos mostraram uma apresentação sob sigilo por ordem do Tribunal de 22 de agosto. O Departamento de Justiça respeitosamente recusa mais comentários enquanto o Tribunal considera o assunto”.

Os promotores do Departamento de Justiça enfatizaram que precisam de sigilo contínuo para não atrapalhar a investigação criminal em andamento – especialmente porque mantêm a atividade confidencial do grande júri e protegem testemunhas que têm ou podem compartilhar informações.

Em seu pedido, Reinhart disse que o Departamento de Justiça o convenceu de que partes do depoimento deveriam permanecer em sigilo porque “a divulgação revelaria (1) as identidades de testemunhas, agentes da lei e partes não acusadas, (2) a estratégia da investigação, direção, escopo, fontes e métodos e (3) informações do grande júri.”

Ele concluiu que o Departamento de Justiça havia cumprido “seu ônus de mostrar que suas propostas são estritamente adaptadas para servir ao interesse legítimo do governo na integridade da investigação em andamento, e são a alternativa menos onerosa para selar toda a declaração”.

Imprensa pede ao juiz que divulgue o mandado do Departamento de Justiça

Pouco tempo após os arquivos sigilosos do Departamento de Justiça serem enviados, um conglomerado de empresas de mídia, incluindo a CNN, apresentou um pedido ao juiz pedindo para divulgar o documento editado do Departamento de Justiça.

Os meios de comunicação disseram que o resumo deve ser tornado público com quaisquer alterações necessárias para proteger a investigação em andamento. Além disso, as empresas de mídia pediram que o juiz ordene que, daqui para frente, todos os documentos que o Departamento de Justiça arquivar sob sigilo na disputa pela transparência também sejam arquivados publicamente com as devidas adaptações.

“Como este Tribunal também reconheceu, há pouco interesse em manter sigilo em relação aos fatos sobre a investigação que o governo já confirmou publicamente como precisos”, disse o pedido dos meios de comunicação.

No mínimo, as organizações de mídia argumentaram que “qualquer parte que recite esses fatos sobre a investigação, sem revelar outros ainda não disponíveis publicamente – além de quaisquer outras partes que não representem ameaça à investigação – não devem ser sigilosos.”

“Se e quando fatos adicionais vierem à tona e forem confirmados como precisos, ou certos fatos não representarem mais uma ameaça à investigação por qualquer outro motivo, também não há justificativa para mantê-los sob sigilo”, escreveram os meios de comunicação.

“Além disso, quaisquer argumentos legais nos arquivos do governo devem ser tornados públicos, mesmo que alguns dos fatos que o governo relata permaneçam sob sigilo.”

Este conteúdo foi originalmente publicado em Departamento de Justiça dos EUA recebe ordem para divulgar mandado em Mar-a-Lago no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.