Calendário de corridas na Bélgica ainda está em aberto, diz CEO da F1


O futuro do Grande Prêmio da Bélgica de Fórmula 1 após a corrida de domingo ainda não foi decidido, mas os relatos de seu fim podem ser prematuros, indicou o presidente-executivo do esporte, Stefano Domenicali, nesta quarta-feira (25).

O calendário de 2023 deve ser publicado em outubro e deve apresentar um recorde de 24 rodadas, com um ponto de interrogação pairando sobre antigos favoritos, como a corrida da Bélgica em Spa-Francorchamps.

A Alemanha perdeu seu GP e a França pode seguir, enquanto até mesmo a continuação de Mônaco como a histórica corrida de demonstração tem sido objeto de especulação em meio a rumores de alternância.

Questionado em uma videochamada com repórteres na quarta-feira sobre o equilíbrio entre corridas realizadas dentro e fora da Europa e se este ano poderia ver o último Grande Prêmio da Bélgica, Domenicali respondeu: “Vi algum comentário sobre a última corrida da Bélgica ter sido no ano passado. Eu seria prudente com esse comentário. Muito prudente.”

Domenicali disse que a Fórmula 1 queria uma mistura equilibrada de um terço na Europa, um terço no Extremo Oriente e os outros na América e Oriente Médio, a região mais lucrativa de todas para o balanço do esporte.

“Claro, estamos falando de um negócio onde os investimentos, contribuições financeiras são muito importantes, mas sempre dissemos que as corridas tradicionais, corridas que sabemos que não podem trazer o dinheiro que as outras estão trazendo, têm todo o nosso respeito”, disse.

“Você verá que isso será respeitado também no futuro. Com a Bélgica, as discussões ainda estão em andamento. Estamos em Spa neste fim de semana, então você vai vê-los [os promotores locais] muitas vezes no meu escritório”.

Conversas em curso

Domenicali foi à África do Sul em junho para discutir a possibilidade de o circuito de Kyalami retornar ao calendário do GP em 2023, mas o italiano disse que essas conversas continuam em andamento.

“Queremos fazer uma corrida na África e hoje o lugar mais provável é a África do Sul”.

“O que estamos procurando são compromissos de longo prazo muito sólidos e claros, porque não podemos ficar lá por um ano e depois terminar o jogo”.

“É uma situação que está demorando. Acho que vamos esclarecer essa situação nos próximos dias, mas com certeza o compromisso de estar na África é algo que queremos assumir, mas queremos fazê-lo direito”.

Ele disse que o calendário de 2024 seria muito diferente devido a um confronto no início da temporada com o Ramadã, afetando a programação das atuais corridas de abertura do Oriente Médio no Bahrein e na Arábia Saudita.

É provável que a Austrália retorne então ao slot de abertura que detinha anteriormente.

Domenicali também disse que não esperava uma piloto mulher na Fórmula 1, que viu uma mulher competir pela última vez em 1976, nos próximos cinco anos, a menos que houvesse alguma ascensão meteórica na classificação.

A Fórmula 1 está promovendo a W Series feminina, com corridas no programa de apoio em GPs selecionados, e Domenicali disse estar feliz com isso.

“Acreditamos que para poder dar a chance para as meninas estarem no mesmo nível que os meninos, elas precisam ter a mesma idade quando começam a lutar na pista”, acrescentou.

“Estamos trabalhando nisso para ver o que podemos fazer para melhorar o sistema. E você verá em breve alguma ação”.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Calendário de corridas na Bélgica ainda está em aberto, diz CEO da F1 no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.