Aumentar a fertilidade da mulher também pode prolongar sua vida, diz pesquisa


Existe um órgão no corpo das mulheres que envelhece duas vezes mais rápido do que todos os outros tecidos, causando estragos tanto na fertilidade quanto na saúde a longo prazo.

“Os ovários são muito, muito estranhos em termos do resto do corpo humano. Podemos pensar neles como um modelo acelerado para o envelhecimento humano”, explica Jennifer Garrison, professora assistente do Buck Institute for Research on Aging, da Califórnia, primeira instituição de pesquisa biomédica dedicada exclusivamente à ciência do envelhecimento.

“Quando uma mulher está no final dos 20 ou início dos 30 anos, os seus tecidos estão funcionando com desempenho máximo, mas seus ovários já estão mostrando sinais evidentes de envelhecimento”, disse Garrison no Life Itself, um evento de saúde e bem-estar apresentado este ano em parceria com a CNN.

“No entanto, a maioria das mulheres aprende sobre seus ovários e função ovariana quando vai usá-los pela primeira vez e descobre que eles são geriátricos”, acrescentou.

As consequências dos ovários envelhecidos vão além da fertilidade, principalmente durante a menopausa, período da vida em que o ciclo menstrual de uma pessoa para.

“Quando os ovários param de funcionar devido à menopausa, eles param de produzir um coquetel de hormônios importante para a saúde geral”, disse Garrison à CNN. “Mesmo em mulheres saudáveis, aumenta drasticamente o risco de acidente vascular cerebral, doença cardíaca, declínio cognitivo, insônia, osteoporose, ganho de peso, artrite – esses são fatos medicamente estabelecidos”.

E tem mais. A idade em que acontece a menopausa também está ligada à longevidade. A idade média da menopausa natural nos Estados Unidos é de 51 anos, de acordo com a Sociedade Norte-Americana de Menopausa.

“Estudos mostram que as mulheres que têm menopausa tardia tendem a viver mais e têm uma capacidade aprimorada de reparar seu DNA”, disse Garrison. “Mas as mulheres com menopausa natural antes dos 40 anos têm duas vezes mais chances de morte [precoce] em comparação com as mulheres que passam pela menopausa natural entre 50 e 54 anos”.

E se a ciência pudesse aprender a retardar a taxa de envelhecimento dos ovários?

“Seria um divisor de águas, certo? As mulheres teriam paridade e opções em suas escolhas reprodutivas e seriam empoderadas com controle sobre suas vidas”, disse Garrison. “E, ao mesmo tempo, poderíamos retardar o aparecimento dessas doenças relacionadas à idade e, quem sabe até prolongar a vida”.

Um óvulo no ventre de sua avó

Entenda isso: você é um produto de um oócito (um óvulo imaturo) que estava crescendo no útero de sua avó. Veja como:

Quando um feto feminino atinge 20 semanas de gestação, existem entre 6 milhões e 7 milhões de oócitos nesses pequenos ovários em desenvolvimento. Você veio de um desses – o que significa que quando sua avó estava grávida de cerca de cinco meses, você era uma possibilidade dentro do útero dela.

“É por isso que há impactos multigeracionais para qualquer exposição ambiental que uma mulher possa ter quando está grávida. Não apenas afeta a mulher e o feto, mas também se estende por gerações”, disse a pesquisadora em reprodução, Francesca Duncan, professora assistente de obstetrícia e ginecologia da Faculdade de Medicina Feinberg, da Northwestern University.

Quando sua mãe nasceu, no entanto, os ovários infantis dela carregavam apenas de 1 a 2 milhões de óvulos, de acordo com o American College of Obstetricians and Gynecologists. A perda maciça de oócitos no útero ocorre em grande parte do reino animal. Alguns pesquisadores pensam que isso pode ser um passo normal no crescimento ou desenvolvimento fetal.

Quando as pessoas atingem a puberdade, elas têm apenas cerca de 300 mil a 400 mil óvulos imaturos restantes. “O ovário é provavelmente o único órgão que perde sua função antes de seu primeiro uso”, disse Duncan.

O declínio aumenta com a idade. Para 95% das pessoas, apenas 12% de seus óvulos estarão disponíveis aos 30 anos e apenas 3% aos 40 anos, de acordo com uma análise de janeiro de 2010.

Por que o envelhecimento acelerado ocorre?

Por que os humanos desenvolvem ovários senis aos 30 anos? A ciência não sabe, disse Garrison, “e aprender sobre o quão pouco sabemos sobre por que isso acontece me enfureceu, para falar a verdade”.

Uma razão: uma falta histórica de financiamento para pesquisas reprodutivas, disse ela. Depois, há o fato de que os estudos de pesquisa geralmente ignoram as mulheres: “As mulheres foram consideradas confundidoras dos dados – seus ciclos são bagunçados e atrapalham os dados”.

Hoje, isso mudou. Em 2017, o Instituto Nacional de Saúde, nos Estados Unidos, emitiu uma emenda às suas políticas de inscrição de mulheres e minorias em ensaios clínicos – a nova linguagem exige que os resultados do estudo sejam relatados por sexo/gênero e raça/etnia. Em 2020, o instituto emitiu sua primeira bolsa de pesquisa sobre sexo e gênero, chamando-a de “conquista histórica”.

Embora a extensão da fertilidade seja um resultado da pesquisa de campo, os cientistas não estão tentando ajudar as pessoas a engravidar naturalmente em seus 50, 60 e 70 anos, disse a Dra. Kara Goldman, professora associada de obstetrícia e ginecologia da Escola de Medicina Feinberg, da Northwestern University.

“Isso seria um objetivo completamente irresponsável e, em última análise, míope. Estamos pensando no quadro geral: a melhor maneira de prevenir o impacto da menopausa na saúde é prolongar o funcionamento natural dos ovários”, disse Goldman.

Perguntas básicas precisam de respostas

Com a ajuda de investidores, Garrison lançou o Centro de Longevidade e Igualdade Reprodutiva. O centro está financiando pesquisas para acelerar o ritmo da descoberta das causas subjacentes do envelhecimento acelerado nos ovários.

Como a ciência sabe tão pouco sobre o ciclo reprodutivo feminino, a pesquisa é forçada a começar pelo básico, disse Garrison.

“Qual é a causa fundamental desse declínio na qualidade e quantidade de óvulos com a idade? Não sabemos a resposta para isso”, disse ela. “A idade da menopausa natural é muito variável no nível individual, e não sabemos por quê”.

Na verdade, a ciência nem sequer entende por que os humanos passam pela menopausa. Apenas quatro outros mamíferos – orcas, baleias-piloto-de-aleta-curta, baleias beluga e narvais – terminam seus ciclos menstruais e continuam tendo uma vida pós-reprodutiva.

“Por que o período reprodutivo de uma mulher se correlaciona com seu tempo de vida geral? Mesmo irmãos de mulheres que passam pela menopausa mais tarde tendem a viver mais”, acrescentou Garrison. “Há um componente genético lá que é claramente muito importante, e não o entendemos”.

Se perguntas básicas sobre os ovários pudessem ser respondidas, “teríamos desvendado essa coisa”, disse Garrison.

“Não é algo impossível – seria algo impossível se fosse se livrar completamente da menopausa”, disse ela. “Mas entender o que a causa e descobrir intervenções que prolongariam [vida dos ovários] um pouco, como por um ano, dois anos, cinco anos, 10 anos – isso é muito viável”.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Aumentar a fertilidade da mulher também pode prolongar sua vida, diz pesquisa no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.