Tribunal chinês condena bilionário sino-canadense a 13 anos de prisão


Um tribunal de Xangai informou nesta sexta-feira (19) que condenou o bilionário sino-canadense Xiao Jianhua a 13 anos de prisão e multou seu conglomerado, Tomorrow Holdings, em 55 bilhões de yuans (cerca de R$ 41,8 bilhões).

Xiao e suas empresas foram acusados ​​de absorver ilegalmente depósitos públicos, trair o uso de propriedade confiada e o uso ilegal de fundos e suborno, disse o Primeiro Tribunal Intermediário de Xangai. O bilionário foi multado em 6,5 milhões (cerca de R$ 5 milhões) de yuans pelos crimes.

O tribunal disse que Xiao e Tomorrow “violaram gravemente a ordem de gestão financeira” e “prejudicaram a segurança financeira do Estado”.

De 2001 a 2021, Xiao e Tomorrow Holdings deram ações, imóveis, dinheiro e outros ativos a funcionários do governo totalizando mais de 680 milhões de yuans (cerca de R$ 516 milhões), para fugir da supervisão financeira e buscar interesses ilegítimos, disse o tribunal.

Xiao, nascido na China, conhecido por ter ligações com a elite do Partido Comunista da China, não é visto em público desde 2017, depois de ter sido investigado em meio a uma repressão do conglomerado estatal.

Em julho de 2020, nove das instituições relacionadas ao grupo foram apreendidas por reguladores chineses como parte de uma repressão aos riscos representados por conglomerados financeiros.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Tribunal chinês condena bilionário sino-canadense a 13 anos de prisão no site CNN Brasil.