Com cãibras, velocista pede mais pesquisa dos impactos da menstruação em atletas


A velocista britânica Dina Asher-Smith pediu mais financiamento para pesquisas sobre o impacto da menstruação no desempenho atlético depois que ela teve cãibras, causadas pela menstruação, durante sua defesa do título de 100 metros no Campeonato Europeu.

“As pessoas nem sempre falam sobre isso porque você vê garotas que foram tão firmes e há uma queda aleatória”, disse Dina à BBC Sport.

“Nos bastidores, elas estão realmente lutando, mas no exterior todo mundo está dizendo: ‘O que é isso? Sinto que se fosse um problema masculino, teríamos um milhão de maneiras diferentes de combater as coisas, mas com as mulheres precisa haver mais financiamento nessa área”.

A jovem de 26 anos começou a corrida de 60m na terça-feira (16) sofrendo de cãibras nas panturrilhas e terminou em último, mas eliminou qualquer dúvida de lesão persistente quando voltou à pista na noite de quinta-feira (18) para as semifinais dos 200m.

“[Foi] coisa de garota [na terça-feira]. Foi frustrante, mas apenas uma dessas coisas”, disse ela à BBC Sport depois de vencer sua bateria de 200m com um tempo de 22,53 segundos.

“É uma pena porque estou em muito boa forma, então eu estava realmente querendo vir e correr rápido aqui, mas às vezes, não é assim que tudo acontece”.

“É algo que eu acho que mais pessoas precisam realmente pesquisar do ponto de vista da ciência do esporte, porque é absolutamente impactante”.

Apenas 6% dos estudos de esportes e exercícios se concentraram especificamente em mulheres, disse Kelly Lee McNulty – pesquisadora do efeito do ciclo menstrual no exercício – à BBC em maio.

No entanto, várias atletas começaram a falar publicamente sobre o impacto dos ciclos em seu desempenho, quebrando o tabu que ainda existe em torno do assunto.

Em maio, a número 4 do mundo do golfe feminino Lydia Ko foi elogiada por falar abertamente sobre as dores nas costas causadas por sua menstruação durante o Campeonato de Palos Verdes. A tenista Iga Swiatek também falou sobre o impacto da tensão pré-menstrual (TPM) após sua derrota para Maria Sakkari nas finais da WTA de 2021.

A heptatleta campeã olímpica Jessica Ennis-Hill, por sua vez, lançou recentemente seu próprio aplicativo de fitness que incorpora o rastreamento do ciclo menstrual em seu planejamento de exercícios, permitindo que as usuárias treinem em torno de seu ciclo.

Dina Asher-Smith vai competir na final dos 200m esta noite.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Com cãibras, velocista pede mais pesquisa dos impactos da menstruação em atletas no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.