Robôs garçons do Google usam inteligência artificial para buscar refrigerantes


O Google, da Alphabet, está combinando olhos e braços de robôs ao conhecimento e as habilidades de conversação de chatbots virtuais para ajudar funcionários a buscar refrigerantes e batatas fritas.

Os garçons não estão prontos para venda. Eles executam apenas algumas ações simples e a empresa ainda não os incorporou com o recurso de chamado “OK, Google” familiar aos consumidores.

Embora a empresa diga que está buscando o desenvolvimento responsável, a adoção pode acabar parando devido a preocupações de robôs se tornarem máquinas de vigilância ou serem equipados com tecnologia de bate-papo que pode dar respostas ofensivas.

A Microsoft e a Amazon estão realizando pesquisas similares ​​sobre robôs.

“Vai demorar um pouco até que possamos realmente ter uma compreensão firme do impacto comercial direto”, disse Vincent Vanhoucke, diretor sênior de pesquisa de robótica do Google.

Quando solicitado a ajudar a limpar uma sujeira de bebida, o robô reconhece que pegar uma esponja é uma resposta factível e mais sensata do que pedir desculpas por criar a bagunça.

Os robôs interpretam comandos falados naturalmente, avaliam possíveis ações em relação às suas capacidades e planejam etapas menores para atingir o pedido.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Robôs garçons do Google usam inteligência artificial para buscar refrigerantes no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.