Como a seca no rio Reno impacta a economia da Alemanha e agrava crise energética


O ​​rio Reno, na Alemanha, está ficando muito seco, atrapalhando as cadeias de suprimentos e criando mais problemas para sua economia em dificuldades.

A água no rio caiu para níveis “excepcionalmente baixos” em algumas áreas, interrompendo o transporte na hidrovia interior mais importante do país, disseram autoridades alemãs à CNN na sexta-feira (12).

A falta de chuva nos últimos meses significa que os navios de carga estão agora transportando cargas mais leves, os custos de transporte estão subindo e os riscos econômicos e de fornecimento de energia estão piorando.

No mês passado, o Instituto Federal de Hidrologia da Alemanha alertou que os fluxos de água no medidor Kaub, localizado a oeste de Frankfurt, já estavam em apenas 45% dos níveis médios para esta época do ano. A agência disse que criou “obstruções frequentes” para os navios.

Agora, os níveis de água devem cair ainda mais antes de subir “muito ligeiramente” nas próximas semanas, disse a Autoridade de Navegação e Hidrovias do Reno na sexta-feira.

A situação é uma reminiscência de 2018, quando problemas semelhantes com o rio levaram a uma “paralisação do transporte de mercadorias” e reduziram o crescimento econômico alemão em cerca de 0,2%, segundo economistas do Deutsche Bank.

Custos mais altos

Embora os níveis de água este ano ainda não tenham caído na mesma proporção, “navios de carga já precisam reduzir a quantidade de carga”, escreveram em um relatório na semana passada. “Por isso, o transporte fica mais caro.”

Por exemplo, no medidor de Kaub, níveis de água abaixo de 75 centímetros (29,5 polegadas) geralmente significam que um grande navio porta-contêineres “precisa reduzir seu carregamento para cerca de 30%”, disseram os economistas.

“Também há uma taxa maior na Alemanha para pagar a carga quando os níveis de água caem abaixo de um certo nível”, alertaram os analistas de seguros do UBS.

A seca pode agravar uma crise ainda maior para a maior economia da Europa, que já enfrenta o risco de recessão por causa de uma crise de energia, alta inflação e gargalos na cadeia de suprimentos.

Recentemente, a Alemanha recorreu ao acionamento de suas usinas de carvão para garantir que o país mantenha o acesso à eletricidade, já que a Rússia restringe o fornecimento de gás.

Mas “muito do carvão necessário é transportado dos portos holandeses de Amsterdã, Roterdã e Antuérpia por barcaças” ao longo do rio Reno, aumentando a pressão sobre a capacidade local, observaram economistas do Deutsche Bank.

De acordo com Henri Patricot, analista de petróleo do UBS, a queda dos níveis de água do rio “está desafiando os embarques de produtos energéticos, o que está agravando a situação de abastecimento de commodities na Europa”. O Reno também é crucial para o transporte de produtos químicos e grãos.

Em um relatório na quarta-feira (10), a Capital Economics disse que, embora os problemas do Reno sejam “um pequeno problema para a indústria alemã em comparação com a crise do gás”, pode se tornar uma dor de cabeça maior ainda este ano.

Se a queda nos níveis de água “persistir até dezembro, pode subtrair 0,2% do PIB” no segundo semestre do ano “e adicionar um toque à inflação”, escreveu o economista-chefe da Europa, Andrew Kenningham.

O setor manufatureiro extremamente importante da Alemanha pode sofrer um impacto maior. Pesquisadores do Instituto Kiel para a Economia Mundial descobriram anteriormente que, em um mês de maré baixa, a produção industrial do país pode cair cerca de 1%.

Atualmente, a autoridade marítima alemã não está impondo restrições ao tráfego do Reno devido aos baixos níveis de água.

Mas um porta-voz da agência de hidrovias disse que, em alguns casos, o transporte comercial pode não ser viável se o frete tiver que ser reduzido muito significativamente.

Grandes partes da Europa vêm sofrendo ondas de calor extremas e secas. A nascente do icônico rio Tâmisa de Londres secou e se moveu cerca de oito quilômetros rio abaixo.

As altas temperaturas da água do rio na França impediram a operação de algumas usinas nucleares. E no norte da Itália, os agricultores estão enfrentando a pior seca em 70 anos, afetando a produção de soja a parmesão.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Como a seca no rio Reno impacta a economia da Alemanha e agrava crise energética no site CNN Brasil.