Agência nuclear da ONU alerta para possível “desastre” em usina ucraniana


O órgão internacional de vigilância nuclear pediu o fim imediato das hostilidades perto da usina nuclear de Zaporizhzhia, no sul da Ucrânia, depois que ela foi atingida por um bombardeio, provocando o desligamento de um dos reatores e sinalizando o “risco real de um desastre nuclear”.

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Mariano Grossi, disse estar alarmado com os relatos de danos e exigiu que uma equipe de especialistas da AIEA seja autorizada a visitar a usina com urgência, para avaliar e salvaguardar o local.

“Estou extremamente preocupado com o bombardeio de ontem na maior usina nuclear da Europa, que destaca o risco muito real de um desastre nuclear que pode ameaçar a saúde pública e o meio ambiente na Ucrânia e além”, disse Grossi em comunicado no sábado (6).

“A ação militar que ponha em risco a segurança da usina nuclear de Zaporizhzya é completamente inaceitável e deve ser evitada a todo custo”, acrescentou.

Kiev acusou as forças russas de armazenar armamento pesado e lançar ataques a partir da usina, que eles assumiram no início de março e ainda ocupam. Moscou, enquanto isso, alegou que tropas ucranianas estão atacando o complexo.

O bombardeio na sexta-feira (5) danificou uma linha de energia e forçou um dos reatores da usina a parar de operar, de acordo com a operadora de energia nuclear estatal da Ucrânia, a Energoatom, que mais tarde disse que não houve danos aos próprios reatores e que a situação de radiação era normal.

Os ataques à usina continuaram durante a noite de sábado, segundo a Energoatom, atingindo várias partes do complexo e ferindo um funcionário ucraniano. A estatal alegou que as forças russas e funcionários da empresa estatal russa de energia nuclear Rosatom, que estão no local desde que apreenderam a usina, se abrigaram em bunkers antes do início das explosões.

Os foguetes atingiram o local da instalação de armazenamento a seco da usina, onde são mantidos 174 contêineres com combustível nuclear usado, e danificaram três detectores de monitoramento de radiação, tornando a detecção oportuna e a resposta ao vazamento de substâncias radioativas “atualmente impossíveis”, alertou a Energoatom.

“Desta vez, uma catástrofe nuclear foi milagrosamente evitada, mas os milagres podem não durar para sempre”, acrescentou.

Embora a situação de segurança seja estável e não haja ameaça imediata à segurança nuclear, de acordo com a AIEA, Grossi alertou para o terrível risco que novos combates no local podem representar.

“Qualquer poder de fogo militar direcionado para ou a partir da instalação equivaleria a brincar com fogo, com consequências potencialmente catastróficas”, disse Grossi.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, em um discurso noturno no sábado, novamente acusou a Rússia de bombardear a usina e usá-la para causar terror na Europa.

“Infelizmente, temos um agravamento significativo da situação em torno da usina nuclear de Zaporizhzhia”, disse Zelensky. “Terroristas russos se tornaram os primeiros no mundo a usar uma usina nuclear para o terror. A maior da Europa!”.

A CNN não conseguiu verificar as alegações de danos na planta, que ocupa um local extenso. Os promotores ucranianos abriram uma investigação sobre o bombardeio.

“Violação irresponsável das regras de segurança nuclear”

O chefe da diplomacia da União Europeia criticou as atividades militares da Rússia em torno da usina de Zaporizhzya e pediu que a AIEA tenha acesso ao complexo.

“Esta é uma violação séria e irresponsável das regras de segurança nuclear e outro exemplo do desrespeito da Rússia pelas normas internacionais”, disse Josep Borrell, chefe de política externa da União Europeia, no sábado no Twitter.

Várias autoridades ocidentais e ucranianas acreditam que a Rússia está agora usando a gigante instalação nuclear como uma fortaleza para proteger suas tropas e montar ataques, porque supõem que Kiev não responderá ao fogo e correrá o risco de uma crise.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, acusou Moscou de usar a usina para proteger suas forças, enquanto o Ministério da Defesa do Reino Unido disse em uma recente avaliação de segurança que as ações da Rússia no complexo sabotam a segurança de suas operações.

O prefeito ucraniano de Enerhodar, Dmytro Orlov, disse no final de julho que as forças russas foram observadas usando armamento pesado perto da usina porque “sabem muito bem que as Forças Armadas ucranianas não responderão a esses ataques, pois podem danificar a energia nuclear plantar”.

O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia alertou na sexta-feira que novos ataques à usina podem ser desastrosos.

“As possíveis consequências de atingir um reator em operação são equivalentes ao uso de uma bomba atômica”, afirmou o ministério no Twitter.

Grossi pediu a todas as partes que “exerçam o máximo de contenção nas proximidades desta importante instalação nuclear, com seus seis reatores”.

“A equipe ucraniana que opera a usina sob ocupação russa deve ser capaz de realizar suas importantes funções sem ameaças ou pressões que prejudiquem não apenas sua própria segurança, mas também a da própria instalação”, acrescentou.

A AIEA vem tentando coordenar uma missão de especialistas em proteção para visitar a usina desde que foi tomada pelas forças russas.

“Esta missão desempenharia um papel crucial em ajudar a estabilizar a segurança nuclear no país, como fizemos na usina nuclear de Chernobyl e em outros lugares da Ucrânia nos últimos meses”, disse ele.

A agência enviou equipes para a usina nuclear de Chernobyl no final de abril e em maio para entregar equipamentos e realizar avaliações radiológicas do local, que foi mantido pelas forças russas por mais de um mês antes de se retirarem no final de março.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Agência nuclear da ONU alerta para possível “desastre” em usina ucraniana no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.