Pesquisa feita com brasileiros associa declínio cognitivo a alimentos ultraprocessados


Comer alimentos ultraprocessados ​​por mais de 20% de sua ingestão diária de calorias todos os dias pode colocá-lo no caminho do declínio cognitivo, revelou um novo estudo.

Todos nós sabemos que comer alimentos ultraprocessados ​​que facilitam nossa vida — como sopas pré-embaladas, molhos, pizza congelada e refeições prontas — não é bom para nossa saúde.

Nem devorar todos os alimentos prazerosos que tanto amamos: cachorros-quentes, salsichas, hambúrgueres, batatas fritas, refrigerantes, biscoitos, bolos, doces, rosquinhas e sorvetes, para citar apenas alguns.

Estudos descobriram que eles podem aumentar nosso risco de obesidade, problemas cardíacos e circulatórios, diabetes e câncer. Eles podem até encurtar nossas vidas.

Agora, um novo estudo revelou que comer mais alimentos ultraprocessados ​​pode contribuir para o declínio cognitivo geral, incluindo as áreas do cérebro envolvidas no funcionamento executivo — a capacidade de processar informações e tomar decisões.

De fato, homens e mulheres que comeram mais alimentos ultraprocessados ​​tiveram uma taxa 28% mais rápida de declínio cognitivo global e uma taxa 25% mais rápida de declínio das funções executivas em comparação com pessoas que comiam a menor quantidade de alimentos excessivamente processados, segundo o estudo.

“Embora precisem de mais estudos e replicação, os novos resultados são bastante convincentes e enfatizam o papel crítico da nutrição adequada na preservação e promoção da saúde do cérebro e na redução do risco de doenças cerebrais à medida que envelhecemos”, disse Rudy Tanzi, professora de neurologia da Harvard Medical School e diretora da unidade de pesquisa em genética e envelhecimento do Massachusetts General Hospital, em Boston. Ela não participou do estudo.

Tanzi, que escreveu sobre alimentos ultraprocessados ​​em seu livro “The Healing Self: A Revolutionary New Plan to Supercharge Your Immunity and Stay Well for Life”, disse que o principal problema com os alimentos ultraprocessados ​​é que “eles geralmente são muito ricos em açúcar, sal e e gordura, todos os quais promovem inflamação sistêmica, talvez a maior ameaça ao envelhecimento saudável do corpo e do cérebro.

“Enquanto isso, como são convenientes como uma refeição rápida, eles também substituem a ingestão de alimentos ricos em fibras vegetais, importantes para manter a saúde e o equilíbrio dos trilhões de bactérias em seu microbioma intestinal”, acrescentou, “o que é particularmente importante para a saúde do cérebro e reduzindo o risco de doenças cerebrais relacionadas à idade, como a doença de Alzheimer“.

Não são muitas calorias

O estudo, apresentado segunda-feira na Conferência Internacional da Alzheimer’s Association 2022 em San Diego, acompanhou mais de 10.000 brasileiros por até 10 anos. Pouco mais da metade dos participantes do estudo eram mulheres, brancas ou com ensino superior, enquanto a idade média era de 51 anos.

Testes cognitivos, que incluíram evocação imediata e tardia de palavras, reconhecimento de palavras e fluência verbal, foram realizados no início e no final do estudo, e os participantes foram questionados sobre sua dieta.

“No Brasil, os alimentos ultraprocessados ​​representam de 25% a 30% do total de calorias ingeridas. Temos McDonald’s, Burger King e comemos muito chocolate e pão branco. Não é muito diferente, infelizmente, de muitos outros países ocidentais”, disse a coautora Claudia Suemoto, professora assistente da divisão de geriatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

“Cinquenta e oito por cento das calorias consumidas pelos cidadãos dos Estados Unidos, 56,8% das calorias consumidas pelos cidadãos britânicos e 48% das calorias consumidas pelos canadenses vêm de alimentos ultraprocessados”, disse Suemoto.

Alimentos ultraprocessados ​​são definidos como “formulações industriais de substâncias alimentares (óleos, gorduras, açúcares, amido e isolados de proteínas) que contêm pouco ou nenhum alimento integral e normalmente incluem aromatizantes, corantes, emulsificantes e outros aditivos cosméticos”, de acordo com o estudo.

“As pessoas que consumiram mais de 20% das calorias diárias de alimentos processados ​​tiveram um declínio 28% mais rápido na cognição global e um declínio 25% mais rápido no funcionamento executivo em comparação com as pessoas que comiam menos de 20%”, disse a coautora do estudo Natalia Gonçalves, pesquisadora do departamento de patologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Para uma pessoa que come 2.000 calorias por dia, 20% equivalem a 400 ou mais calorias — para comparação, um pequeno pedido de batatas fritas e cheeseburger regular do McDonalds contém um total de 530 calorias.

Aqueles no estudo que comiam os alimentos mais ultraprocessados ​​eram “mais propensos a serem mais jovens, mulheres, brancos, tinham maior escolaridade e renda, e eram mais propensos a nunca ter fumado e menos propensos a serem consumidores atuais de álcool”, descobriu o estudo. .

“As pessoas precisam saber que devem cozinhar mais e preparar sua própria comida do zero. Eu sei. Dizemos que não temos tempo, mas realmente não leva muito tempo”, disse Suemoto.

“E vale a pena porque você protegerá seu coração e protegerá seu cérebro da demência ou da doença de Alzheimer”, acrescentou. “Essa é a mensagem para levar para casa: pare de comprar coisas que são superprocessadas.”

 

Este conteúdo foi originalmente publicado em Pesquisa feita com brasileiros associa declínio cognitivo a alimentos ultraprocessados no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.