Varíola dos macacos se espalha nos EUA e casos são subestimados, diz Fauci à CNN


À medida que os casos de varíola dos macacos continuam a aumentar nos Estados Unidos, uma das principais autoridades sanitárias do país enfatiza que o surto precisa ser tratado de maneira mais rigorosa.

“Isso é algo que definitivamente precisamos levar a sério. Ainda não sabemos o escopo e o potencial disso, mas temos que agir como se tivesse a capacidade de se espalhar muito mais amplamente do que está se espalhando agora”, disse o infectologista Anthony Fauci à CNN no sábado (16).

A varíola dos macacos (Monkeypox) foi detectada na maior parte dos EUA, com exceção de alguns estados, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) norte-americano. Os estados com mais casos incluem Nova York, Califórnia, Illinois e Flórida.

Os dados mais recentes mostram que o CDC rastreou pelo menos 1.814 casos prováveis ​​ou confirmados no país até sexta-feira (15).

Fauci, que é diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID, na sigla em inglês) e principal conselheiro médico do presidente Joe Biden, disse a Laura Coates, da CNN, que esses números são “muito provavelmente uma subnotificação”.

“Sempre que você tem o surgimento de algo assim, você provavelmente está sempre olhando para o que pode ser – pode ser, não sabemos – a ponta do iceberg, então essa é a razão pela qual temos que realizar testes de maneira muito, muito mais vigorosa”, disse Fauci.

Monkeypox é um poxvírus, relacionado à varíola comum e à varíola bovina. O vírus geralmente causa lesões semelhantes a espinhas ou bolhas e sintomas semelhantes aos da gripe, como febre, explicou o CDC.

As lesões geralmente se concentram nos braços e nas pernas, mas no surto mais recente, elas estão aparecendo com mais frequência na área genital e perianal, o que levantou algumas preocupações de que as lesões da varíola dos macacos possam ser confundidas com infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

O vírus se espalha por contato próximo – incluindo contato físico direto com lesões, bem como “secreções respiratórias” compartilhadas por meio de interação face a face. Tocar em objetos que foram contaminados por lesões ou fluidos de varíola também pode arriscar a propagação.

E embora a varíola não seja uma IST, tem se espalhado principalmente entre homens que fazem sexo com homens.

No sábado, Fauci disse que mais testes serão feitos com cinco laboratórios comerciais online, e ele espera que até 700 mil vacinas sejam distribuídas às comunidades até o final de julho.

“Porque você quer proteger as pessoas em risco, não apenas as pessoas que podem ter tido uma exposição que eles conhecem, mas também as pessoas, pelo fato de estarem em situação de risco, que precisam ser vacinadas”, observou.

O país mais que triplicou suas doses de vacina contra a varíola desde a semana passada, de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA. Mas essa oferta continua aquém do que é necessário para ajudar a controlar a disseminação.

Virginia Langmaid e Deidre McPhillips da CNN contribuíram para esta reportagem.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Varíola dos macacos se espalha nos EUA e casos são subestimados, diz Fauci à CNN no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.