Participante de reality processa Netflix por maus tratos durante as gravações


O reality show começou para Jeremy Hartwell, diretor de uma empresa de hipotecas em Chicago, com uma mensagem direta em um aplicativo de namoro.

“Alguém combinou comigo e rapidamente me enviou uma mensagem dizendo, você sabe, ‘eu tenho um namorado, mas acho que você seria muito bom para o programa para o qual estou escalando, você está interessado?’”, lembra Hartwell em uma entrevista para a CNN.

Embora ele não possa dizer com certeza que o agente de elenco estava procurando por potenciais concorrentes, ele afirma que a maior parte do elenco da segunda temporada de “Love is Blind” (ou “Casamento às Cegas” no Brasil) da Netflix, o programa em que ele foi escalado, não se candidatou por conta própria.

“Eles foram procurados de uma forma ou de outra nas mídias sociais”, diz ele, sobre o que outros membros do elenco lhe disseram.

“Love Is Blind”, que foi indicado ao Emmy nesta semana por ser um excelente reality show, apresenta 15 homens e 15 mulheres que são colocados em salas de isolamento individuais ou “pods”, onde são emparelhados com um concorrente em uma sala separada.

Eles então conversam para ver se podem iniciar uma conexão com alguém – e, eventualmente, ficam noivos – sem realmente vê-los.

Hartwell diz que concordou em aparecer no programa depois de verificar a conta do agente no Instagram e seu trabalho.

“Na verdade, eu nunca estive tão interessado em reality shows. Apenas nunca foi muito divertido para mim”, diz Hartwell.

“Mas tenho uma filosofia pessoal de buscar novas experiências, me desafiar, fazer coisas que parecem assustadoras – e isso meio que se encaixa em todos os critérios. Então decidi jogar meu chapéu no ringue. E nunca pensei que iria ser lançado.”

A experiência de Hartwell na segunda temporada de “Love Is Blind” começou em abril de 2021, quando os produtores o colocaram em um voo matinal de Chicago para Los Angeles.

“Quando as gravações começaram, o voo era muito, muito cedo para [alguns de] nós e acredito que era para separar os homens e as mulheres, para que não nos víssemos”, diz ele, acrescentando que as coisas mudaram para algo “desconfortável” quase “imediatamente”.

Jeremy Hartwell, que apareceu na segunda temporada de “Love Is Blind”, entrou com uma ação contra a Netflix e os produtores da série / Netflix/Divulgação

“Nos diziam constantemente para não falarmos uns com os outros enquanto esperávamos que as pessoas terminassem de pegar suas malas e entrassem no ônibus para serem levadas para os estúdios”, diz ele, sobre o momento em alguns dos participantes do programa eram transportados ao mesmo tempo.

Os competidores eram lembrados de não se comunicarem uns com os outros, diz Hartwell, mesmo cordialmente.

Após um discurso introdutório dos produtores, Hartwell diz que os pertences dos concorrentes foram revistados e seus telefones celulares, carteiras e identidades confiscados.

“Eles nos disseram que levariam nossos telefones celulares, ok, isso era esperado, mas pegar nossas carteiras, nossos passaportes, qualquer informação de identificação, isso foi muito inesperado”, diz ele, acrescentando que isso o irritou.

“Eles passaram por toda a nossa bagagem – se você já viu um filme militar, um campo de treinamento, onde eles examinam a bagagem do recruta, foi exatamente assim. Eles passaram por cada um de nossos pertences, presumivelmente para garantir que não tivéssemos algum tipo de contrabando.”

Depois disso, Hartwell diz que os produtores enviaram todos para seus quartos de hotel separados.

“Nós estávamos basicamente trancados”, diz ele. “A primeira coisa que fizeram foi nos isolar em nossos quartos por cerca de 24 horas seguidas.”

Hartwell alega que lanches e água eram tão raros que eles eram forçados a esperar horas por água fresca se estivessem com sede.

No segundo dia, o elenco tirou fotos e vídeos para a mídia de divulgação.

“A maior parte da atividade foi pontuada por grandes períodos de espera”, diz Hartwell.

Assim que a produção começou, Hartwell afirma que tentou combater os efeitos da privação do sono após longas horas gravando sob luzes brilhantes. No set e de volta em seu hotel, Hartwell diz que não tinha acesso a comida e água, mas o álcool estava disponível – e até incentivado com o estômago vazio.

Em junho, Hartwell entrou com uma ação contra a Netflix, Kinetic Content e Delirium TV, a produtora e empresa de elenco por trás do programa, por várias violações da lei trabalhista, incluindo “condições de trabalho desumanas” e pagamento inadequado pela quantidade de horas trabalhadas.

A Netflix não respondeu ao pedido de comentário da CNN.

Os membros masculinos do elenco da segunda temporada de “Love Is Blind” / Netflix/Divulgação

Em uma declaração à CNN em resposta à reclamação de Hartwell, Kinetic Content e Delirium TV escreveram: “O envolvimento do Sr. Hartwell na segunda temporada de ‘Love is Blind’ durou menos de uma semana. Infelizmente, para o Sr. Hartwell, sua jornada terminou cedo após ele não conseguir desenvolver uma conexão significativa com qualquer outro participante. Embora não especulemos sobre seus motivos para ajuizar a ação, não há absolutamente nenhum mérito nas alegações do Sr. Hartwell, e nos defenderemos vigorosamente contra suas reivindicações.”

A advogada de Hartwell, Chantal Payton, da Payton Employment Law, em Los Angeles, disse à CNN que a falta de alimentação adequada e o isolamento “deixaram os membros do elenco famintos por conexões sociais e alteraram suas emoções e tomadas de decisão”.

A ação coletiva proposta por Hartwell é em nome de todos os participantes de “Love Is Blind” e outras produções sem roteiro criadas pelos réus nos últimos quatro anos.

Ele está buscando salários não pagos, compensação financeira por pausas para refeições perdidas, danos monetários por práticas comerciais desleais e penalidades civis por violações do código trabalhista.

A Kinetic Content também produz “O Ultimato: Ou Casa ou Vaza” e “Casamento à Primeira Vista”, ambos transmitidos pela Netflix.

A terceira temporada de “Love Is Blind” será transmitida na Netflix ainda este ano.

Hartwell diz que espera mudar as práticas de alguns reality shows daqui para frente.

“É uma questão de justiça e não se trata de dinheiro para mim. Não se trata de exposição”, diz Hartwell. “Sinto fortemente que essas práticas estão erradas e precisam mudar. E a razão pela qual estou fazendo esses esforços com esse processo é que espero que isso se torne um catalisador para essas mudanças, para que futuros membros do elenco de reality shows não tenham que passar por isso.”

Este conteúdo foi originalmente publicado em Participante de reality processa Netflix por maus tratos durante as gravações no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.