Filipinos compram livros para preservar verdade sobre o regime do ditador Marcos


Os filipinos que vivem no exterior estão comprando livros sobre o falecido ditador filipino Ferdinand E. Marcos, não apenas para ler sobre a história, mas para preservá-la.

A corrida para comprar livros que documentam o reinado destrutivo de 21 anos de Marcos ocorre quando seu filho, Ferdinand “Bongbong” Marcos Jr., assume o cargo após uma vitória eleitoral esmagadora em maio.

Marcos Jr. nunca reconheceu publicamente ou se desculpou pelos abusos de direitos humanos, corrupção e roubo que os historiadores dizem ter ocorrido sob a liderança de seu pai.

E há temores de que, agora que ele está no poder, tente reescrever a história.

A jornalista Raissa Robles, autora de “Marcos Martial Law: Never Again”, disse que após a vitória de Marcos Jr. ela recebeu e-mails de leitores de todo o mundo com pedidos para reimprimir o mergulho detalhado sobre as vítimas da lei marcial.

“O preço do livro quase dobrou e ainda assim as pessoas estavam comprando o livro em lotes. Eles não estavam comprando apenas um ou dois. Eles estavam comprando cinco ou 10 de cada vez”, disse Robles.

O principal motivo de preocupação veio do próprio presidente.

Jornalista Raissa Robles, autora de “Marcos Martial Law: Never Again” / Acervo pessoal

Em 2020, quando Marcos Jr. estava se preparando para concorrer à presidência, ele deixou claro o desejo de revisar os livros didáticos que documentavam o regime corrupto e brutal de seus pais.

“Há anos que pedimos isso”, disse Marco Jr. em um fórum organizado pelo National Press Club, ao acusar os que estão no poder desde a morte de seu pai de “ensinar mentiras às crianças”.

Grupos de direitos humanos dizem que durante o regime de Marcos, de 1965 a 1986, dezenas de milhares de pessoas foram presas, torturadas ou mortas por críticas supostas ou reais ao governo. Marcos Sr., que morreu no exílio em 1989, e sua esposa, Imelda, 93, também foram considerados culpados de corrupção generalizada, incluindo o roubo de cerca de US$ 10 bilhões em dinheiro público.

A família negou repetidamente o uso de fundos estatais para uso pessoal – uma reivindicação contestada em vários processos judiciais.

A CNN entrou em contato com o novo governo de Marcos para comentar, mas não recebeu uma resposta.

Cresce a demanda por livros sobre o regime de Marcos

Marcos Jr. já havia pedido ao “mundo” para julgá-lo por suas ações, não pelo passado de sua família. Mas durante seu discurso de posse em 30 de junho, ele elogiou seu pai, o falecido ditador, dizendo que havia conquistado muito mais do que governos anteriores desde a independência em 1946.

“Ele conseguiu. Às vezes, com o apoio necessário, às vezes sem. Assim será com seu filho – você não terá desculpas de mim”, disse ele.

Durante seu discurso, ele também abordou a questão da revisão de materiais didáticos nas escolas, mas disse que não estava falando de história.

Ferdinand “Bongbong” Marcos Jr. presta juramento como novo presidente das Filipinas em 30 de junho de 2022 / Ezra Acayan/Getty Images

“O que ensinamos em nossas escolas, os materiais usados, devem ser reensinados. Não estou falando de história, estou falando do básico, das ciências, aguçando a aptidão teórica e transmitindo habilidades profissionais”, disse.

Mas essas garantias soam vazias para pessoas que sofreram sob a ditadura de seu pai e outras que são céticas em relação à nova liderança de Marcos.

Uma indicação disso é através da venda de livros.

Almira Manduriao, chefe de marketing da editora da Universidade Ateneo de Manila, disse que a corrida pelos livros de história filipinos começou logo depois que Marcos Jr. venceu a eleição de 9 de maio.

“As pessoas de repente ficaram com medo de que a literatura crítica à ditadura fosse banida”, disse Almira. “Daí a necessidade de comprar e salvaguardar os livros (quando) ainda podem”.

Pelo menos dez títulos que cobrem a lei marcial e o passado sombrio da ditadura de Marcos continuam esgotados na imprensa universitária, segundo Almira.

Alguns dos best-sellers da livraria do campus foram reimpressos — a saber, “Alguns são mais espertos que outros: a história do capitalismo de compadrio de Marcos” de Ricardo Manapat, “A Ditadura Conjugal de Fernando e Imelda Marcos” de Primitivo Mijares e “Canal de la Reina” de Liwayway Arceo Bautista.

O livro ‘Alguns são mais espertos do que outros: a história do capitalismo de compadrio de Marcos’, de Ricardo Manapat / Divulgação/Ateneo University

No dia 11 de maio, a Adarna House, editora fundada pelo artista filipino Virgilo Almario, ofereceu 20% de desconto em um pacote #NeverAgain de cinco títulos de livros sobre o regime de Marcos.

Nos dias que se seguiram, as vendas dispararam e a lista de espera de pré-encomendas cresceu, e a empresa anunciou que poderia levar até oito semanas para que os pedidos fossem entregues.

A oferta foi um sucesso entre os clientes, mas também atraiu a atenção do governo.

Alex Paul Monteagudo, diretor-geral da Agência Nacional de Coordenação de Inteligência, acusou Adarna House de “radicalizar as crianças filipinas”.

“A Editora Adarna publicou esses livros e agora estão à venda para radicalizar sutilmente as crianças filipinas contra nosso governo, agora!”, escreveu ele em sua página oficial no Facebook em 17 de maio.

Na publicação, Monteagudo afirmou que quando tópicos como a lei marcial e a revolução do Poder Popular – uma revolta nacional que derrubou o regime de Marcos em 1986 – forem ensinados nas escolas, isso “plantará sementes de ódio e dissidência nas mentes desses crianças”.

Adarna House recusou o pedido da CNN para comentar as alegações.

Uma das clientes de Adarna, Vanessa Louie Cabacungan-Samaniego, que vive e trabalha em Hong Kong, fez um pedido coletivo por livros sobre a ditadura de Marcos para cerca de uma dúzia de filipinos da cidade.

Ela afirmou à CNN que teme que a eleição permita ao clã político de Marcos “trabalhar para limpar seu nome e revisar livros de história ou atingir a mídia”.

“Comprar livros para educar a nós mesmos e à próxima geração é apenas nossa pequena maneira de lutar contra as injustiças”, disse ela, quando o primeiro lote de pedidos foi entregue em junho.

Preservando a verdade

Nos últimos anos, políticos e funcionários do governo demonizaram editores e jornalistas, denunciando sua credibilidade nas mídias sociais e em declarações públicas.

Um dia antes de Marcos Jr. assumir o cargo, a ganhadora do Nobel Maria Ressa disse que o governo ordenou que sua organização de notícias, Rappler, fosse fechada.

Ela disse que foi assediada repetidamente nos últimos seis anos e alvo de ações legais por suposta difamação, evasão fiscal e violação das regras de propriedade de mídia estrangeira.

“Isso é intimidação. São táticas políticas. Nós nos recusamos a sucumbir a elas”, disse ela.

Michael Pante, professor de história da Universidade Ateneo de Manila, disse temer que Marcos Jr. continue a campanha do ex-presidente Rodrigo Duterte para deslegitimar o trabalho de historiadores, acadêmicos e jornalistas – e potencialmente reescrever livros de história.

Repórteres Sem Fronteiras disseram que desde a eleição de Duterte em 2016, a mídia foi submetida a intimidação verbal e judicial por trabalhos considerados excessivamente críticos ao governo.

“A demonização de historiadores, acadêmicos (e jornalistas) continuará”, disse Pante. “E a atitude de desprezo (em relação a eles) será suficiente para gerar medo de falar e ser preso ou censurado.

O arquivista filipino Carmelo Crisanto, que lidera a Comissão de Memorial às Vítimas de Violações de Direitos Humanos, está correndo para digitalizar arquivos de casos e testemunhos de 11.103 sobreviventes da ditadura, a tempo do 50º aniversário da declaração da lei marcial em setembro.

Ele teme que, se as histórias dos sobreviventes da lei marcial forem esquecidas, as pessoas serão novamente suscetíveis à violência política.

Sua equipe de cerca de 30 pessoas mais 1.500 estudantes universitários voluntários – a maioria deles tem metade de sua idade e não viveram a lei marcial – foi escolhida para proteger a verdade para a próxima geração.

“Quero ter parte desse arquivo digital à disposição do público, de forma que (pode ser) facilmente acessível, para ser enviado para faculdades aqui no país e também algumas instituições parceiras no exterior, para que a memória e as provas nunca estar perdido”, disse.

“Se há uma lição que as autoridades estaduais aprenderam com o período da lei marcial, é que ninguém (tem que) ir para a cadeia, mesmo que cometam graves violações de direitos humanos”, disse ele.

Raissa, a autora, disse que as pessoas disseram a ela que queriam dar cópias de seus livros para parentes, enquanto outros queriam guardar um estoque para o caso de o novo governo proibir reimpressões.

“Eles disseram que querem esconder para que, depois da presidência de Marcos, possam trazê-lo à tona e manter a memória viva”, disse ela.

Raissa disse que está determinada a continuar escrevendo e criticando o cenário político do país, apesar do medo de censura – mas ela admite: “Não tenho apenas medo de censura, tenho medo de ser presa”.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Filipinos compram livros para preservar verdade sobre o regime do ditador Marcos no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.