Análise: Disputa no Reino Unido está se transformando em espetáculo transfóbico


A disputa pela liderança do Partido Conversador do Reino Unido resultará na escolha do próximo primeiro-ministro do país. Além das promessas padrão de cortes de impostos ou um Estado enxuto, também houve uma promoção entusiástica de posições antitrans, potencialmente marcando uma intensificação da “guerra” do atual governo.

Liderando o grupo de esperançosos está Rishi Sunak, ex-chanceler do Tesouro, cuja renúncia do governo na semana passada contribuiu para a renúncia do primeiro-ministro Boris Johnson.

Após o segundo turno de votação entre os legisladores do Partido Conservador no início deste mês, Sunak liderou a lista dos cinco candidatos que permanecem na disputa.

Uma das primeiras promessas políticas de Sunak, depois que ele anunciou sua intenção de concorrer, foi proteger os “direitos das mulheres”, vinculando-se a um artigo no qual um aliado não identificado do político foi citado dizendo que o legislador era “crítico das recentes tendências para apagar as mulheres através do uso de linguagem desajeitada e neutra em termos de gênero”.

Sunak criará um manifesto, disse este aliado ao tablóide britânico Daily Mail, onde vai se opor às mulheres trans que competem no esporte feminino e “pedirá às escolas que sejam mais cuidadosas sobre como ensinam questões de sexo e gênero”.

O governo liderado por Johnson se inclinou para questões de guerra cultural durante a pandemia, enquanto tentava jogar com sua base tradicional do Partido Conservador do sul e novos eleitores do norte da Inglaterra conquistados do Partido Trabalhista, na oposição e de centro-esquerda, nas eleições de 2019.

Mesmo que as pesquisas sugiram que questões de guerra cultural, como direitos trans, não preocupam o dia a dia do público britânico, muitos dos candidatos assumiram o manto do governo, apostando suas posições no debate sobre sexo e identidade de gênero.

Na semana passada, é mais provável que os candidatos conservadores tenham sido questionados “o que é uma mulher” por jornalistas britânicos do que tenham recebido perguntas mais tradicionais, como o custo de um litro de leite.

Na quarta-feira (13), a maior rival de Sunak na corrida, a outrora relativamente pouco conhecida secretária Penny Mordaunt, foi questionada se ela continuaria com questões de guerra cultural como direitos trans.

“Deixe-me lidar com a questão flutuando em segundo plano. Foi [a ex-primeira-ministra do Reino Unido] Margaret Thatcher quem disse que ‘todo primeiro-ministro precisa de um pênis [willie, em inglês]’”, disse Mordaunt em referência ao vice de Thatcher, William “Willie” Whitelaw. “Uma mulher como eu não tem um”, acrescentou.

Mordaunt passou muito tempo nesta semana remoendo suas visões pró-trans anteriores. Ela disse ao jornal online Pink News em 2018, por exemplo, que “mulheres trans são mulheres”.

Em uma publicação no Twitter em 10 de julho, Mordaunt retrocedeu, enfatizando que as mulheres trans podem ser legalmente femininas por lei, mas “isso não significa que elas são mulheres biológicas, como eu”.

Ela acrescentou: “Eu sou biologicamente uma mulher. Se eu fizer uma histerectomia ou mastectomia, ainda sou uma mulher. E legalmente sou uma mulher”.

Termos como “mulher biológica” são considerados insultos por defensores trans quando são utilizados por ativistas críticos de gênero, que acreditam que o sexo atribuído ao nascimento é imutável, e quaisquer direitos ou privilégios associados a ele não podem ser estendidos àqueles que optam por identificar como esse gênero.

O repetido erro sobre o gênero de pessoas trans na esfera pública não é apenas prejudicial ao seu bem-estar. Sugerir que o gênero não existe e que uma pessoa é a soma total de seus órgãos reprodutivos é redutivo, apagando a existência de pessoas trans e não binárias, dizem os defensores.

No entanto, essas visões críticas de gênero, repetidas por uma imprensa britânica amplamente simpatizante, ajudaram a restringir os esforços para ampliar os direitos trans, dizem os ativistas.

Isso inclui pessoas trans potencialmente sendo deixadas de fora dos planos de proibição da terapia de conversão, e o governo liderado pelos conservadores descartando os esforços para tornar mais fácil para as pessoas trans mudarem seu marcador de gênero sem requisitos médicos.

“Nem na minha vida adulta posso me lembrar de uma situação em que, em uma eleição ou processo de seleção de liderança, houve esse foco nas medidas de direitos LGBTQIA+”, disse Nancy Kelley, executiva-chefe do grupo de direitos LGBTQIA+ Stonewall, à CNN.

O público britânico é mais tolerante do que alguns políticos ou a imprensa gostariam de reconhecer, disse ela. “Acho que é parte de um fenômeno mais amplo que estamos experimentando no Reino Unido, onde temos atitudes públicas realmente progressistas e positivas em relação às pessoas lésbicas, gays, bi e trans, mas temos muita mídia e conversas políticas falando obsessivamente sobre pessoas trans, e em grande parte de forma negativa”, disse Kelley.

“Desproporcional e assustador”

Um estudo do think tank More in Common, publicado em junho, descobriu que “poucos britânicos passam muito tempo pensando em questões de identidade de gênero”.

Acrescentou que em conversas de grupos focais “a maioria dos britânicos, mesmo aqueles que se opõem a pessoas trans usando espaços de um só sexo, procuram maneiras de bom senso de lidar com questões em torno de vestiários e banheiros que envolvem estar ciente das pessoas e tratar uns aos outros com respeito”.

Quase todos os participantes do grupo de foco “perguntaram por que não havia mais opções de banheiros unissex disponíveis, o que parecia para muitos uma solução prática para a questão dos espaços para um único sexo”, escreveu.

O que está dominando o discurso público é o estado da economia do Reino Unido, onde a inflação atingiu 9,1% em maio, o maior valor em 40 anos e a mais alta entre as principais economias do G7 – e deve subir acima de 11% no final deste ano, apesar de uma série de aumentos de juros.

O país está na pior crise de custo de vida em décadas, forçando as famílias a escolher entre comer ou se aquecer neste inverno em meio à estagnação real dos salários por mais de uma década, dizem economistas.

“Temos uma grande crise de custo de vida, estamos enfrentando uma emergência climática global, há a guerra na Ucrânia… lidando com as consequências do Brexit – o fato de que a mídia está falando tão obsessivamente sobre questões trans, e espera-se que todos os candidatos falem suas opiniões sobre o lugar das pessoas trans na sociedade, é tão desproporcional e assustador”, para um grupo que representa apenas 0,6% da população, disse Kelley.

A transfobia pode não ser uma estratégia eleitoralmente viável, mas isso não deteve as esperanças dos candidatos deste ano.

A ministra de Relações Exteriores Liz Truss, que ficou em terceiro lugar no segundo turno da votação, tem manifestado sua oposição a tornar mais fácil para as pessoas trans mudarem seus marcadores de gênero na Inglaterra e no País de Gales. Enquanto ela evitou as questões de guerras culturais em seu discurso de lançamento de campanha na quinta-feira (14), seus aliados falaram sobre o histórico pró-trans de Mordaunt.

Atrás de Truss está a ex-secretária de Igualdade Kemi Badenoch, uma espirituosa defensora de guerras culturais que alertou em 2020 que ensinar “teoria racial crítica como fato” seria contra a lei.

Não há evidências, no entanto, de que as escolas tenham feito isso. A Vice News informou esta semana que Badenoch pediu ao regulador de serviços financeiros do país, a Autoridade de Conduta Financeira (FCA), que abandonasse sua política de inclusão de trans.

O porta-voz de Badenoch não negou a alegação, dizendo à CNN em um comunicado que “em resposta a uma consulta da FCA, e em sua capacidade de secretária da Igualdade, Kemi escreveu à FCA sobre como eles poderiam cumprir a Lei da Igualdade e melhorar a representação das mulheres nas placas da cidade”.

No think tank conservador Policy Exchange, onde Badenoch lançou sua campanha de liderança na terça-feira (12), os jornalistas notaram placas manuscritas rabiscadas em tinta preta com as palavras “homens” e “senhoras” coladas nas portas dos banheiros de gênero neutro.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Análise: Disputa no Reino Unido está se transformando em espetáculo transfóbico no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.