Demanda por vacina contra varíola dos macacos aumenta nos EUA; oferta permanece baixa


O número de doses de vacina contra a varíola dos macacos distribuídas nos Estados Unidos mais do que triplicou desde a semana passada, de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, mas a oferta está muito abaixo da demanda — e abaixo dos níveis que os especialistas dizem será necessário para controlar o surto.

Michael Austin Nicolo, bartender da cidade de Nova York, é uma das mais de mil pessoas nos EUA que foram diagnosticadas com o vírus este ano. Ele também é um dos muitos que lutaram para encontrar uma vacina disponível.

“Acabei de ouvir falar da varíola dos macacos como todo mundo, através das notícias, mídias sociais, boatos, e como isso estava se tornando algo com o qual precisávamos nos preocupar e como estava afetando predominantemente homens gays ou homens que fazem sexo com homens”. disse Nicolo.

Foi o suficiente para mandá-lo em busca de mais informações sobre como se proteger.

“Na época, havia poucos recursos para encontrar a vacina“, disse ele.

Para onde vão as vacinas

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA estimam que mais de 1,5 milhão de homens gays são elegíveis para a vacina contra a varíola dos macacos.

Embora a varíola dos macacos não seja uma doença sexualmente transmissível, ela se espalha através do contato pele a pele e, neste surto, tem se espalhado principalmente neste grupo.

Mais de 132 mil  doses da vacina Jynneos — um regime de duas doses fabricado pela Bavarian Nordic — foram retiradas do estoque estratégico nacional e distribuídas em todo o país, segundo dados do HHS, mas não foram suficientes para atender à demanda.

“Recebemos um lote de 200 vacinas, e as consultas para isso duraram cerca de uma hora e meia”, disse David Holland, diretor clínico do Conselho de Saúde do Condado de Fulton, na Geórgia.

O CDC diz que as decisões sobre como alocar o suprimento limitado de vacinas são baseadas igualmente no número de casos e na população em risco em uma área específica.

A vacina Jynneos está disponível agora para pessoas com alto risco de exposição: aqueles que foram identificados como contatos próximos de alguém que foi diagnosticado com varíola, aqueles que tiveram relações sexuais com um parceiro diagnosticado com o vírus nos últimos 14 dias e aqueles que tiveram vários parceiros sexuais nos últimos 14 dias em uma área com disseminação de varíola, de acordo com o CDC.

À medida que mais vacinas estiverem disponíveis, a agência continuará avaliando a estratégia de distribuição, disse um porta-voz.

O Distrito de Columbia recebeu o maior número de vacinas per capita, de longe, e a cidade tem muito mais casos confirmados do que qualquer estado.

Mas até quarta-feira (13), dois estados com casos confirmados — Novo México e Dakota do Sul — ainda não receberam nenhuma dose.

Depois de DC, Nova York recebeu o maior número de doses de vacina per capita: mais de três vezes a média dos EUA. Cerca de três quartos da oferta do estado foi para a cidade de Nova York.

Em uma carta na terça-feira (12), o prefeito de Nova York, Eric Adams, instou o governo Biden a aumentar a alocação de vacinas, chamando sua cidade de “epicentro” do vírus nos EUA.

O coordenador de resposta à Covid-19 da Casa Branca, Ashish Jha, disse na quarta-feira que doses adicionais de vacina contra a varíola dos macacos chegarão dentro de semanas de uma fábrica na Dinamarca.

“A questão é que precisamos de mais vacinas por aí”, disse ele.

“Estamos focados em garantir que as doses de vacina cheguem aos Estados Unidos e cheguem a lugares como a cidade de Nova York. Gostaríamos de ter mais doses? Claro. Tínhamos um estoque e o que precisamos é mais. estão cada vez mais.”

Carlos del Rio, reitor associado executivo da Faculdade de Medicina da Universidade Emory, diz que “o problema é que simplesmente não temos vacina suficiente. Então, estamos tentando recuperar o atraso”.

Há também outras questões a serem consideradas, disse ele.

“Acho que o desafio é que precisamos garantir que a vacina não vá apenas para as pessoas que são experientes e podem obtê-la rapidamente. Não queremos que a vacina vá apenas para indivíduos brancos e ricos.”

Uma estratégia de aplicação única poderia ser útil?

Uma recomendação completa da vacina Jynneos, conforme aprovada pela Food and Drug Administration dos EUA, requer duas doses administradas com quatro semanas de intervalo.

Mas alguns especialistas dizem que uma dose pode ser suficiente por enquanto — e que atrasar as segundas doses pode ser uma maneira de resolver a discrepância entre oferta e demanda.

Em sua carta, Adams pediu que a administração “considerasse esquemas de vacinas alternativos, utilizando um intervalo maior entre a primeira e a segunda dose, que permitiria que mais da vacina imediatamente disponível fosse usada nas primeiras doses”.

Imagem de microscopia do vírus Monkeypox, que causa a varíola dos macacos / National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIAID)

O CEO da Bavarian Nordic, Paul Chaplin, disse à Science no início de julho que “há muitos dados para apoiar uma dose única”.

Chaplin disse que a segunda dose pode ser administrada dois anos depois e ainda obter a mesma resposta imunológica do esquema padrão, de modo que os países têm muito tempo para fornecer segundas doses se decidirem usar doses únicas por enquanto.

Especialistas em saúde dizem que os provedores não devem reter as doses no momento.

“Pelo que nos disseram, é: dê as doses que você tem e, em suas alocações posteriores, haverá doses adicionais que cobrirão as segundas doses”, disse Claire Hannan, diretora executiva da Associação de Gerentes de Imunização.

Não é uma estratégia sustentável

Se o vírus não for contido o mais rápido possível, temem as autoridades de saúde, ele pode se espalhar para além dos grupos populacionais que agora estão em alto risco.

Janet Hamilton, diretora executiva do Conselho de Epidemiologistas Estaduais e Territoriais, diz que os EUA devem superar uma estratégia de vacina focada em pós-exposição de alto risco porque “não existe nenhuma doença evitável por vacina que possa ser controlada apenas após a exposição. quando não há imunidade prévia.”

Monkeypox é endêmica em partes da África, mas é essencialmente uma nova doença para os EUA, e não há imunidade construída na população.

“Todo mundo é suscetível neste momento”, disse Hamilton. “Não há como controlar esta doença em uma população completamente suscetível sem uma estratégia de vacina pré-exposição”.

A necessidade de testes mais e mais fáceis

Enquanto isso, as pessoas afetadas pelo vírus dizem que também precisam de outros recursos. A administração Biden mudou-se para expandir os testes, com o CDC anunciando uma colaboração com cinco empresas privadas para dobrar a capacidade de testes do país. Algumas dessas empresas já começaram a oferecer testes. Mas isso não aconteceu cedo o suficiente para alguns.

Nicolo disse que quando foi ao médico pela primeira vez com sintomas de varíola, eles coletaram uma amostra para testar — mas ele soube dias depois que ela havia sido descartada, não testada.

Dois dias depois dessa visita, seus sintomas pioraram e ele voltou ao médico. A segunda amostra deu positivo.

Christian Redondo, um estudante de pós-graduação em Atlanta, notou uma ferida e ligou para o conselho de saúde local, que disse que não estava fazendo testes e o encaminhou para seu médico de cuidados primários.

Seu médico de cuidados primários disse-lhe para ir ao pronto-socorro para fazer o teste, mas Redondo conseguiu entrar em contato com um amigo do departamento de saúde do condado que disse que sim, de fato, ele precisaria ir lá para um teste.

“Então, eu fiquei na sala de espera por, não sei, umas quatro ou cinco horas. Foi muito tempo. E quando eu perguntei a eles sobre isso, eles disseram que tinham que esperar a permissão do CDC para me testar para varíola”, disse ele.

Os testes são necessários para evitar novos casos e aprender mais sobre o escopo completo do surto.

“Acho que um dos desafios que temos é que simplesmente não estamos fazendo testes suficientes, então provavelmente há muito mais casos do que estamos registrando atualmente”, disse del Rio, da Emory.

 

Este conteúdo foi originalmente publicado em Demanda por vacina contra varíola dos macacos aumenta nos EUA; oferta permanece baixa no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.