Em meio a onda de calor, Xangai teme novo lockdown com testagem em massa para Covid


Milhões de moradores de Xangai enfrentaram o calor sufocante na terça-feira (12) para esperar na fila para testes obrigatórios de Covid, à medida que o número crescente de casos e o surgimento de uma subvariante Ômicron altamente infecciosa estimularam novos temores de um retorno ao lockdown em massa.

As autoridades de Xangai ordenaram que a maioria dos 16 distritos da cidade passasse por duas rodadas de testes de terça a quinta-feira, depois que um caso da nova subvariante BA.5.2.1 foi detectado na comunidade em 8 de julho.

A variante BA.5 altamente transmissível está se espalhando rapidamente em todo o mundo e é vista como uma grande ameaça pelas autoridades na China – o último grande país a aderir a uma rigorosa estratégia de Covid-zero.

Novas subvariantes da Ômicron foram relatadas em várias cidades chinesas, incluindo a capital Pequim, a cidade portuária de Dalian, no nordeste, e a cidade central de Xi’an, que foi fechada por sete dias devido ao surto.

Os casos crescentes — e as restrições que os acompanham — ocorrem quando uma onda de calor escaldante atinge o país. Em Xangai, as autoridades elevaram o alerta vermelho de nível mais alto no domingo, quando as temperaturas atingiram 40ºC.

O calor tornou os testes em massa ainda mais penoso para os moradores — alguns dos quais precisam fazer fila por horas – e para os trabalhadores da Covid, que estão cobertos da cabeça aos pés com equipamentos de EPI herméticos.

Nas mídias sociais chinesas, fotos se tornaram virais de trabalhadores em trajes de proteção deitados em blocos de gelo, enquanto especialistas em saúde alertavam para insolação entre os trabalhadores da Covid que passam longas horas ao ar livre com roupas de proteção grossas.

Xangai viu um salto nas infecções no início deste mês, devido a um surto ligado a um bar de karaokê. Nos últimos 10 dias, foram registrados mais de 400 casos.

O crescente surto alimentou temores de que o centro comercial esteja voltando a um bloqueio em massa, apenas algumas semanas depois que seus moradores saíram de dois meses de confinamento em casa.

A cidade de 25 milhões de habitantes encerrou seu bloqueio em toda a cidade no início de junho, mas continuou a impor restrições duras, incluindo testes implacáveis ​​e bloqueios rápidos em compostos onde foram encontrados casos de Covid.

Na terça-feira, 240 bairros em Xangai foram marcados como áreas de médio ou alto risco e colocados sob bloqueio.

As autoridades de Xangai negaram repetidamente que um bloqueio em toda a cidade seja iminente, mas isso não convenceu os moradores, que observaram que as autoridades também fizeram reivindicações semelhantes em março, antes do outro bloqueio.

Na segunda-feira (11), dois comitês de bairro em Xangai disseram que os moradores devem “preparar alimentos e remédios que possam durar 14 dias em casa, para garantir a segurança”.

Os avisos, depois de serem amplamente divulgados online, causaram pânico entre os moradores, muitos dos quais estão marcados pelo isolamento prolongado em abril e maio — o que levou à escassez generalizada de alimentos e bloqueou o acesso a cuidados médicos.

Em resposta ao alvoroço, um funcionário do comitê de bairro disse ao Health Times estatal que a proposta visava preparar os moradores para o surto crescente, pois contatos próximos — assim como contatos secundários — de um caso infectado também podem levar a bloqueios.

“Tudo bem, vamos passar a vida inteira vivendo com medo da escassez de alimentos e da sombra de acumular necessidades diárias”, disse um comentário no Weibo, a plataforma chinesa semelhante ao Twitter.

“Já faz mais de três anos, quando vai acabar? Quantos três anos as pessoas têm em suas vidas? Basta!” dizia outra postagem.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Em meio a onda de calor, Xangai teme novo lockdown com testagem em massa para Covid no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.