Conheça a história da sopa Campbell, eternizada por Andy Warhol


Sessenta anos atrás, o artista pop Andy Warhol revelou uma parede de 32 pinturas de latas de sopa Campbell em uma galeria de Los Angeles, uma para cada sabor do alimento em produção.

Não muito tempo depois, a empresa enviou um advogado.

Assim começou uma relação de amor e ódio de décadas entre o artista e a empresa. Começou com imenso ceticismo, mas a Campbell acabou por abraçar a obra de arte e até patrocinou uma exposição de Warhol no Metropolitan Museum of Art.

A eventual parceria de Campbell com a propriedade de Warhol pressagiava a convergência de alta arte, publicidade, branding e moda que é comum hoje.

“Isso é arte?”

Quando a marca Campbell foi apresentada na arte de Warhol em 1962, o então presidente e CEO, William Beverly Murphy, “indicou que tinha alguma preocupação inicial” com o uso das marcas registradas da empresa, segundo a companhia, levando o advogado a visitar a Ferus Gallery.

Uma ordem de “cessar e desistir” foi considerada. Mas em julho de 1962, John T. Dorrance Jr., filho do inventor da sopa condensada, acabava de assumir a presidência.

Ele era um colecionador de arte apaixonado e bem estabelecido no mundo da arte. À medida que as críticas à exposição aumentavam – “Isso é arte?” — também aumentou a publicidade. Por qualquer motivo, a empresa desistiu da ação legal.

Além disso, a mostra da galeria estava indo mal, com apenas cinco das obras sendo vendidas por cerca de US$ 100 cada, embora uma tenha ido para o astro de Hollywood Dennis Hopper.

Warhol, nascido em 1928 em Pittsburgh, filho de imigrantes eslovacos, ainda era mais conhecido como ilustrador comercial de marcas de calçados e lojas de departamento do que como artista plástico.

O galerista Irving Blum decidiu que as pinturas poderiam valer mais como um grupo algum dia e as comprou de volta. Isso provaria estar certo.

Enquanto isso, a próxima série de Warhol foi de celebridades e, com Elvis e Marilyn substituindo Cebola e Tomate, esse show esgotou.

Os consumidores iam até Warhol

Em 1964, foi Campbell que procurou o artista.

De acordo com uma carta em seus arquivos, um gerente de marketing de produto escreveu a Warhol: “Seu trabalho despertou muito interesse aqui na empresa de sopas Campbell”.

Algumas caixas de sopa de tomate, supostamente a favorita do artista, foram enviadas para sua casa em Nova York em agradecimento.

O gerente até sugeriu indiretamente uma troca: “Eu esperava ser capaz de adquirir uma de suas pinturas de rótulos de lata de sopa Campbell – mas temo que você tenha ficado muito caro para mim”, escreveu ele.

Não há documentação dele recebendo as artes como resultado. Mas Beth Jolly, vice-presidente de comunicações para alimentos e bebidas da Campbell, observou que a empresa acabou encomendando uma para um membro do conselho que se aposentava no mesmo ano.

Em 1966, a parceria tornou-se oficial. Campbell convidou os consumidores a enviar rótulos de lata e US$ 1 em troca de um vestido desenhado por Warhol feito de papel. A promoção foi um sucesso.

O vestido está sendo vendido por cerca de US$ 20.000 em galerias de arte e online e está na coleção do Metropolitan Museum of Art Costume Institute.

Sem vendas

Mas Campbell ainda não estava acreditando que as pinturas de suas latas eram arte.

Em 1970, quando a casa de leilões Sotheby’s teve sua primeira venda de arte contemporânea, apresentou uma “lata com rótulo descascado” de Warhol com um lance inicial sugerido de US$ 20 mil.

A casa de leilões entrou em contato com a Campbell e a família Dorrance para ver se eles estavam interessados ​​em comprar, mas “me disseram que eles não mostraram interesse”, diz David Nash, que trabalhou naquela venda inicial e acabou se tornando chefe de arte impressionista e moderna do leiloeiro.

(Ironicamente, Nash passou a fazer muitos negócios com a família: em 1989, ele supervisionou a venda de bens de arte e móveis de John T. Dorrance, Jr.. cheia de Picassos e Matisses, mas ainda sem Warhols, arrecadou US$ 124 milhões e quebrou o recorde de então para uma coleção.)

Enquanto isso, Warhol provou ser muito leal à marca – ele não se desviou para Lipton, embora tenha feito alguma arte de garrafa de Coca-Cola – e latas e caixas de sopa Campbell fizeram aparições regulares em suas produções e em suas entrevistas e no programa da MTV dos anos 80.

Warhol morreu inesperadamente, em 1987, aos 58 anos. Sua fama só aumentou.

Ajudou o valor das artes da sopa o fato de se tornar uma série impressa extremamente popular e ter duas interpretações conflitantes por parte dos críticos.

Alguns argumentaram que o trabalho era uma crítica acre, mas inteligente, da produção em massa, até mesmo do capitalismo, enquanto outros viam uma parede de sopa mais reconfortante, mais sobre os Estados Unidos e as opções e prosperidade do pós-guerra.

Em 1996, Blum vendeu o conjunto original de 32 pinturas em lata para o Museu de Arte Moderna de Nova York em uma venda/presente parcial no valor de US$ 15 milhões. (O recorde de leilão para qualquer Warhol é de US$ 195 milhões, estabelecido no início deste ano para “Shot Sage Blue Marilyn”.)

Em 2012, a empresa de sopas lançou uma série promocional de “edição limitada” de latas de sopa com a interpretação de Warhol dos rótulos da empresa em várias cores. Ele também serviu como patrocinador de educação e eventos para a exposição “Regaring Warhol: Sixty Artists, Fifty Years” do Met Museum.

Hoje, a empresa tem uma pintura de lata de sopa pendurada em sua sede em Camden, Nova Jersey, disse Jolly, e continua a trabalhar com a Fundação Andy Warhol para as Artes Visuais em empreendimentos de caridade e, mais recentemente, em moletons licenciados e outras roupas.

Mas a propriedade de Warhol não escapou de todas as batalhas de marca registrada.

Em maio, a Suprema Corte disse que abriria um caso sobre se o falecido pintor violou os direitos autorais de um fotógrafo ao criar uma série de serigrafias do músico Prince. Eles usaram uma imagem do fotógrafo Lynn Goldsmith como matéria-prima.

E embora a fundação Warhol tenha argumentado, quase sempre com sucesso em tribunais inferiores, que o uso da obra por Warhol é “transformador”, o caso tem grandes implicações para artistas que se inspiram, ou se apropriam, de imagens pré-existentes.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Conheça a história da sopa Campbell, eternizada por Andy Warhol no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.