Coalizão governista do Japão tem vitória projetada em eleições após morte de Abe


O governo de coalizão conservador do Japão deve aumentar sua maioria na câmara alta do Parlamento após a eleição deste domingo (10), dois dias após o assassinato do ex-primeiro-ministro Shinzo Abe.

Abe, o líder moderno mais longevo do Japão, foi morto a tiros na sexta-feira durante um discurso de campanha na cidade de Nara, no oeste do país, em um assassinato que surpreendeu um país onde a violência política e o crime com armas são raros.

O Partido Liberal Democrático (LDP) do primeiro-ministro Fumio Kishida, do qual Abe permaneceu um legislador influente, e seu partido parceiro Komeito estavam a caminho de conquistar de 69 a 83 dos 125 assentos disputados na Câmara Alta – um aumento relevante em relação aos 69 assentos atuais, de acordo com uma pesquisa de boca de urna pela emissora pública NHK.

As eleições para a câmara alta são tipicamente um referendo sobre o governo em exercício. A mudança de governo não estava em jogo, pois isso é determinado pela câmara baixa.

Mas a forte exibição pode ajudar Kishida a consolidar seu governo, enquanto procura orientar a recuperação do Japão da pandemia de COVID-19, conter o aumento dos preços ao consumidor e reforçar a defesa em um momento de tensão com sua poderosa vizinha China.

Os resultados finais devem sair nesta segunda-feira (11).

“É significativo que tenhamos conseguido reunir esta eleição em um momento em que a violência estava abalando as bases da eleição”, disse Kishida, um protegido de Abe, após a pesquisa de boca de urna.

“Neste momento, enquanto enfrentamos problemas como o coronavírus, a Ucrânia e a inflação, a solidariedade dentro do governo e dos partidos de coalizão é vital”, acrescentou.

O partido manteve um momento de silêncio para Abe em sua sede em Tóquio, enquanto os membros esperavam os resultados.

O LDP foi projetado para ganhar mais de 69 assentos, de acordo com a pesquisa de boca de urna, o que lhe daria uma maioria mesmo sem Komeito.

Seus ganhos podem permitir que Kishida revise a Constituição pacifista do Japão, um sonho que Abe nunca alcançou.

Os partidos abertos à revisão da Constituição foram projetados para manter sua maioria de dois terços na Câmara Alta.

Kishida pode agir com cautela na mudança constitucional, mas a aparente vitória parecia destinada a abrir caminho para mais gastos com defesa, uma promessa eleitoral importante do LDP, disse Robert Ward, do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

Kishida “agora tem sinal verde para isso”, disse Ward.

Questionado sobre a revisão constitucional na noite de domingo, Kishida disse que se concentraria em elaborar um projeto de lei para ser discutido no parlamento.

Pessoas próximas a Kishida disseram que sua equipe também quer eliminar gradualmente o “Abenomics”, a política econômica de gastos do governo e estímulo monetário do Japão em homenagem ao ex-primeiro-ministro que iniciou o experimento há quase uma década. 

Kishida pode agora ter o capital político para mudar de rumo, disseram analistas, e também provavelmente terá três anos para aprovar a legislação antes que outra eleição precise ser realizada.

“Kishida pode ter mais margem de manobra na busca de políticas baseadas em suas ideias, embora os legisladores próximos a Abe possam se unir e pedir mais vocalmente pela sustentação da Abenomics”, disse Koya Miyamae, economista sênior da SMBC Nikko Securities.

Ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe durante discurso em março de 2020. / Getty Images

Efeito Abe

Shigenobu Tamura, analista político e ex-funcionário do LDP, disse que o assassinato de Abe pode ter reforçado o apoio do partido no poder em “distritos muito disputados”.

Outros analistas disseram que a pesquisa de boca de urna estava amplamente alinhada com as pesquisas pré-eleitorais. Espera-se que o comparecimento às urnas aumente para 51,58%, ante 48,8% na última eleição para a câmara alta, há três anos, estimou a agência de notícias Kyodo.

Abe estava lutando pelo candidato do LDP Kei Sato em Nara quando foi baleado à queima-roupa por um homem com uma arma caseira.

O ex-primeiro-ministro “foi baleado em um ato de terrorismo no meio de nossa campanha eleitoral”, disse Sato após a pesquisa de boca de urna projetar que ele ganharia seu assento. “Continuamos nossa campanha acreditando que não devemos ceder ao terrorismo ou temê-lo – devemos superá-lo”.

A polícia de Nara disse no domingo que apreendeu uma motocicleta e um veículo pertencentes ao suspeito do assassinato, Tetsuya Yamagami, de 41 anos, que foi preso no local.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Coalizão governista do Japão tem vitória projetada em eleições após morte de Abe no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.