Saída de Boris Johnson deixa tensão sobre futuro das relações entre Ucrânia e Reino Unido


Quando Boris Johnson anunciou que deixaria o cargo de primeiro-ministro do Reino Unido na quinta-feira (7), depois de tentar desesperadamente se agarrar ao poder apesar de uma rebelião histórica do governo, sua decisão provocou uma sensação de alívio em Westminster.

Em Kiev, foi recebida com desespero.

Johnson tem sido um dos defensores mais expressivos da Ucrânia, enquanto tenta se defender contra a invasão da Rússia em seu território, e a saída de Johnson despertou temores de que o apoio do Reino Unido ao país — no valor de £ 3,8 bilhões (cerca de R$ 24 bilhões) até agora este ano — pode começar a diminuir.

Com todo o mundo ocidental unido no mesmo propósito, a Ucrânia não tem escassez de apoiadores. Mas Johnson era visto como um aliado especial em Kiev. No início de abril, ele se tornou um dos primeiros líderes estrangeiros a fazer a viagem à capital ucraniana após a invasão russa, depois retornou em outra visita surpresa no mês passado.

Johnson estabeleceu um relacionamento próximo com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, que disse estar triste por vê-lo partir.

“Todos nós ouvimos esta notícia com tristeza. Não só eu, mas também toda a sociedade ucraniana”, disse Zelensky a Johnson em um telefonema na quinta-feira, segundo seu gabinete. “Não temos dúvidas de que o apoio da Grã-Bretanha será preservado, mas sua liderança pessoal e carisma o tornaram especial”, acrescentou Zelensky.

Kristine Berzina, membro sênior de segurança e política de defesa do German Marshall Fund dos Estados Unidos, disse que, além do apoio militar do Reino Unido, a personalidade de Johnson desempenhou um grande papel na maneira como os ucranianos o veem.

“O volume e a ousadia do apoio de Johnson à luta da Ucrânia…contrasta fortemente com o apoio discreto dado pelo chanceler da Alemanha (Olaf) Scholz. Aqui estava um líder de uma grande potência europeia, uma potência nuclear, sem medo de apoiar a Ucrânia e criticar a Rússia”, disse ela à CNN em um e-mail.

Enquanto o presidente francês Emmanuel Macron enfrentou críticas de Zelensky, que o acusou de tentar apaziguar o presidente russo Vladimir Putin, Johnson sempre foi visto como um apoiador inequívoco.

O ex-primeiro-ministro britânico é tão popular na Ucrânia que várias cidades já propuseram nomear ruas com o seu nome. Quando a notícia de sua demissão foi divulgada, a principal cadeia de supermercados ucraniana, a Silpo, adicionou uma ilustração do cabelo loiro bagunçado de Johnson ao seu logotipo.

Boris Johnson conversa com Volodymyr Zelensky em visita a Kiev após a invasão russa na Ucrânia (Photo by Ukrainian Presidency/Anadolu Agency via Getty Images) / Anadolu Agency via Getty Images

O conselheiro presidencial ucraniano Mykhailo Podolyak chamou Johnson de “um herói”, enquanto o ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, disse que o líder britânico era “um homem sem medo, pronto para assumir riscos pela causa em que acredita”.

Peter Kellner, especialista em pesquisas britânicas, jornalista e pesquisador visitante da Carnegie Europe, disse que a dedicação de Johnson à Ucrânia provavelmente foi inspirada pela história – e por suas próprias necessidades políticas.

“A Ucrânia deu a Johnson uma rara chance de imitar seu herói: assumir uma postura dura e intransigente em uma questão que é tanto moral quanto militar”, disse ele à CNN em um e-mail, referindo-se à conhecida admiração de Johnson pelo líder britânico durante a Segunda Guerra Mundial, Winston Churchill. Kellner acrescentou que Johnson muitas vezes tentou chamar a atenção para a Ucrânia em tempos de crise em casa.

“A invasão russa ocorreu em um momento em que Johnson foi engolido por escândalos, principalmente sobre ‘Partygate’, e também foi afligido pelos custos políticos do rápido aumento da inflação”, observou ele. “Ele não é o primeiro e não será o último líder nacional a usar a dureza no exterior para disfarçar a fraqueza em casa.”

Glyn Morgan, professor associado de ciência política da Universidade de Syracuse, também questionou as motivações de Johnson.

“Se alguém fosse cínico, poderia pensar que o compromisso de Johnson com a Ucrânia refletiu um esforço descarado para desviar a atenção de seus relacionamentos de longa data com os interesses comerciais russos e sua popularidade em ruínas no Reino Unido na época”, disse ele.

“Se alguém fosse romântico, poderia pensar que o compromisso de Johnson com a Ucrânia refletia um carinho muito britânico pelo oprimido, o herói corajoso que enfrenta o valentão maior. Johnson não é nada além de um romântico, que se vê como o herói em um épico.”

Volodymyr Zelensky e Boris Johnson durante visita surpresa do ex-premiê britânico em 17 de junho de 2022 / ABACA via Reuters Connect

Longa história de apoio

Johnson defendeu a Ucrânia, mas o compromisso da Grã-Bretanha em ajudá-la a enfrentar a Rússia começou muito antes de ele chegar ao poder – quando a Rússia anexou ilegalmente a Crimeia em 2014.

Em 2015, os militares do Reino Unido lançaram a Operação Orbital, que visava fornecer orientação e treinamento às forças armadas ucranianas.

Essa relação se aprofundou ainda mais em 2016, quando os dois países assinaram um acordo de cooperação em defesa de 15 anos com foco em mais treinamento e compartilhamento de inteligência.

Ainda assim, naquela época, o Reino Unido estava relutante em fornecer armas à Ucrânia, temendo que qualquer fornecimento de armas letais aumentasse o conflito e enfurecesse a Rússia.

Isso mudou no final do ano passado, quando o presidente russo, Vladimir Putin, começou a reunir tropas na fronteira com a Ucrânia.

Em janeiro, sob a direção de Johnson, o governo do Reino Unido enviou seu primeiro lote de armas para a Ucrânia – 2.000 mísseis antitanque. Desde então, seguiu-se um fornecimento constante de armas e munições.

De acordo com um comunicado do governo britânico, o Reino Unido anunciou £ 2,3 bilhões (cerca de R$ 14,5 bilhões) em apoio militar à Ucrânia desde o início da guerra no final de fevereiro – mais do que qualquer outro país, exceto os Estados Unidos.

É improvável que esse tipo de ajuda pare com a saída de Johnson.

Boris Johnson e Volodymyr Zelensky caminham por uma Kiev atingida pelas tropas russas, em 9 de abril de 2022/ (Ukrainian Presidency/Handout/Anadolu Agency via Getty Images) / Anadolu Agency via Getty Images

“O apoio à Ucrânia é compartilhado por todo o espectro político britânico — esquerda e direita, classes políticas e militares-administrativas…sua saída não terá impacto, exceto que seu sucessor não será tão carismático”, disse Morgan.

Mas é esse carisma que tornou Johnson, e por sua vez o Reino Unido, tão popular entre os ucranianos — embora ele não tenha apoiado algumas das principais demandas de Kiev.

Como o resto da Otan, o Reino Unido se recusou a impor uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia. A Grã-Bretanha também ficou atrás de outros países europeus em seu apoio aos ucranianos em busca de refúgio, recusando-se a abandonar os requisitos de visto. No entanto, o Reino Unido nunca atraiu a crítica de que Zelensky não hesitou em apontar para os outros.

Embora o suporte material provavelmente continue no curto prazo, a estratégia de longo prazo pode mudar.

Kellner disse que, como seu herói Churchill, que exigiu a rendição incondicional da Alemanha na Segunda Guerra Mundial, Johnson defendeu uma estratégia de vitória completa sobre a Rússia e contra qualquer compromisso.

“Se chegar um ponto em que um fim negociado para a luta se tornar possível, o novo primeiro-ministro britânico pode não pressionar Zelensky com tanta força quanto Johnson fez para dizer que a guerra, com suas mortes e destruição, deve continuar até o amargo fim”, disse. ele disse.

A guerra na Ucrânia provavelmente se prolongará por muito tempo. Sem o apoio do Ocidente, Kiev não pode se defender contra um inimigo que possui recursos de várias magnitudes maiores.

Com o público britânico enfrentando uma profunda crise de custo de vida, um primeiro-ministro britânico disposto a gastar dinheiro para ajudar um país a milhares de quilômetros de distância será crucial para Kiev.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Saída de Boris Johnson deixa tensão sobre futuro das relações entre Ucrânia e Reino Unido no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.