Relembre quem foi Shinzo Abe, ex-premiê japonês assassinado nesta sexta


O ex-primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, morreu, nesta sexta-feira (8). Ele foi baleado no final da noite de quinta (7) enquanto discursava em um comício na cidade de Nara, no oeste do país.

Premiê mais longevo da história do país, Abe batalhou contra a deflação crônica do país com suas ousadas políticas batizadas de “Abenomics”. Ele também buscou fortalecer as forças armadas japonesas e combater a crescente influência da China.

Abe veio de uma família política rica que incluía um pai ministro das Relações Exteriores e um tio-avô que serviu como primeiro-ministro. Mas quando se trata de muitas políticas, seu avô, o falecido primeiro-ministro Nobusuke Kishi, parece ter sido o mais importante.

Kishi foi um ministro do gabinete de guerra preso, mas nunca julgado como criminoso de guerra após a Segunda Guerra Mundial. Ele serviu como primeiro-ministro de 1957 a 1960, renunciando devido ao furor público sobre um pacto de segurança renegociado entre os EUA e o Japão.

Com cinco anos de idade na época, Abe ouviu o som de confrontos entre a polícia e multidões de esquerda protestando contra o pacto do lado de fora do parlamento enquanto brincava no colo de seu avô.

Kishi tentou, sem sucesso, revisar a constituição japonesa de 1947, redigida pelos EUA, para se tornar um parceiro de segurança igual aos Estados Unidos e adotar uma diplomacia mais assertiva – questões que viriam a ser centrais para a agenda do próprio Abe.

Shinzo Abe assumiu o cargo em 2006 como o primeiro-ministro mais jovem do Japão desde a Segunda Guerra Mundial.

Abe expressou um compromisso geral com as reformas fiscais instituídas por seu antecessor, Junichiro Koizumi, e o ponto central de sua agenda era revisar a constituição japonesa de 1947, redigida pelos EUA.

Shinzo Abe após ser eleito presidente do Partido Democrático Liberal (LDP), em setembro de 2006. / Getty Images

Ele enfrentou um primeiro ano no poder atormentado por escândalos políticos e indignação dos eleitores. Em 2007, Abe renunciou.

A queda foi em grande parte devido à raiva dos eleitores sobre a má gestão dos prêmios de pensão que poderiam ter prejudicado os aposentados.

Mas os críticos também acusaram Abe de proteger o ministro da Agricultura, Toshikatsu Matsuoka, que foi criticado por uma série de escândalos de financiamento político, o que fez com que a imagem do primeiro-ministro fosse prejudicada como consequência. A situação se agravou após o suicídio do ministro Matsuoka.

A renúncia chocante de Abe em 24 de setembro de 2007 fez com que seu partido no poder corresse para encontrar um novo líder que pudesse reviver o apoio público após uma derrota eleitoral em julho e uma série de escândalos.

Abe, que havia assumido o cargo um ano antes, disse que estava deixando o cargo para tentar resolver um impasse sobre uma missão naval que apoiava as operações lideradas pelos EUA no Afeganistão. Autoridades de alto escalão disseram que problemas de saúde também foram um fator na decisão de Abe.

A renúncia veio após uma grande derrota para o LDP em uma eleição para a Câmara Alta do parlamento.

Em 25 de setembro de 2007, Abe apareceu na residência oficial do primeiro-ministro para renunciar oficialmente, dissolver seu gabinete e abrir caminho para seu sucessor Yasuo Fukuda.

Shinzo Abe anuncia sua renúncia como primeiro-ministro em setembro de 2007, em sua residência oficial, em Tóquio. / Getty Images

Abe teve uma segunda chance de governar o país no final de 2012, depois que o conservador LDP subiu ao poder, mas enfrentou o desafio de fortalecer uma economia enfraquecida enquanto administrava os laços tensos com a China.

A vitória do LDP, que governou o Japão durante a maior parte dos últimos 50 anos antes de ser deposto em 2009, deu início a um governo comprometido com uma postura dura em uma disputa territorial com a China, uma política energética pró-nuclear apesar do desastre de Fukushima em 2011.

Ele então lançou uma estratégia em três frentes para vencer a deflação persistente e reviver o crescimento econômico, que ficou conhecida como “Abenomics”.

Abe fez sua primeira visita oficial à usina nuclear danificada de Fukushima em dezembro de 2012, em uma tentativa de mostrar que ele levava a sério a aceleração dos esforços de recuperação pós-desastre.

Na pior calamidade nuclear do mundo desde Chernobyl em 1986, três reatores da usina de Fukushima derreteram depois que um terremoto de magnitude 9 atingiu o Japão em março de 2011, provocando um tsunami que devastou uma faixa da costa nordeste do Japão e matou mais de 15 mil pessoas.

Primeiro-ministro Shinzo Abe em visita ao centro de resposta à crise de Fukushima, em dezembro de 2012. / Kyodo News Stills via Getty Imag

Abe visitou a Força de Autodefesa Aérea do Japão em março de 2013, depois de ter prometido durante sua campanha eleitoral reescrever a Constituição do Japão para se afastar do pacifismo do pós-guerra, encerrando uma proibição que impedia os militares de lutar no exterior desde 1945.

Os conservadores viram a carta pacifista de 1947, nunca alterada, como uma ordem social liberal imposta pelos EUA após a derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial.

Em dezembro de 2013, Abe visitou o Santuário Yasukuni de Tóquio para os mortos da guerra, um templo visto como um símbolo do militarismo do Japão na Segunda Guerra Mundial.

Quatorze líderes de guerra japoneses condenados como criminosos de guerra por um tribunal aliado são homenageados no santuário junto com outros mortos de guerra. Sua visita irritou a China e a Coreia do Sul e até mesmo provocou raras críticas do principal aliado, os Estados Unidos.

Abe e o presidente chinês Xi Jinping tiveram conversas formais em novembro de 2014 pela primeira vez desde que os dois líderes assumiram o cargo, um avanço nas tentativas de encerrar uma amarga disputa de dois anos sobre história e território.

Primeiro-ministro Shinzo Abe e presidente chinês Xi Jinping em dezembro de 2019. / Getty Images

A reunião no Grande Salão do Povo de Pequim ocorreu depois que os dois países concordaram em trabalhar para melhorar os laços e sinalizaram a disposição de colocar suas reivindicações rivais sobre as ilhas disputadas em segundo plano.

Mas, violando o protocolo normal, Abe foi o primeiro a chegar e ficou esperando antes que Xi entrasse e apertasse sua mão. As bandeiras nacionais dos dois países não estavam presentes.

Abe venceu a eleição de 2014 e ignorou as sugestões de que uma baixa participação manchou a vitória eleitoral de sua coalizão.

Muitos eleitores, duvidosos da estratégia “Abenomics” do primeiro-ministro ficaram em casa.

Abe prometeu manter suas políticas econômicas reflacionárias, enfrentar reformas estruturais dolorosas e seguir sua postura de segurança.

O parlamento do Japão aprovou uma mudança na política de defesa que pode permitir que as tropas lutem no exterior pela primeira vez desde 1945, um marco no esforço de Abe para afrouxar os limites da constituição pacifista sobre os militares.

Abe diz que a mudança, a maior mudança na política de defesa do Japão desde a criação de suas forças armadas no pós-guerra em 1954, foi vital para enfrentar novos desafios, como o da China em ascensão.

Mas a legislação desencadeou protestos massivos de cidadãos comuns e outros que disseram que ela viola a constituição pacifista e pode envolver o Japão em conflitos liderados pelos EUA após 70 anos de paz no pós-guerra.

Protestos pacifistas contra o governo japonês, em Tóquio, e as políticas de segurança de Shinzo Abe, em setembro de 2015. / Getty Images

O Japão marcou o 71º aniversário do bombardeio atômico dos EUA em Hiroshima em 2016. Abe e Barack Obama, o primeiro presidente dos EUA em exercício a visitar Hiroshima, pediram aos líderes mundiais que trabalhem por um mundo livre de armas nucleares.

As forças americanas lançaram uma bomba atômica em Hiroshima em 6 de agosto de 1945, e outra bomba atômica na cidade de Nagasaki, no sul, em 9 de agosto de 1945, durante a Segunda Guerra Mundial. O Japão se rendeu seis dias depois.

Abe assistiu um desfile militar da Força de Autodefesa Terrestre em Camp Asaka em outubro de 2016, dizendo que a recente mudança nas leis de segurança do Japão ajudou a fortalecer a aliança EUA-Japão contra a ameaça da Coreia do Norte.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, espalhou preocupações em Tóquio antes de sua vitória nas eleições com comentários sobre a possibilidade de o Japão adquirir armas nucleares e exigir que os aliados paguem mais para manter as forças dos EUA em seu solo ou enfrentem sua possível retirada.

A liderança do Japão estava nervosa com o futuro da aliança que se tornara central para a diplomacia e segurança de Tóquio.

Abe se tornou o primeiro líder estrangeiro a se encontrar com Trump após a eleição de novembro de 2016 e desde então tornou uma prioridade manter o relacionamento bilateral forte.

Primeiro-ministro Shinzo Abe cumprimenta Donald Trump em encontro bilateral do G7, em agosto de 2019, na França. / Kyodo News Stills via Getty Imag

Em setembro de 2018, Abe foi reeleito líder de seu Partido Liberal Democrata (LDP), colocando-o no caminho certo para se tornar o primeiro-ministro mais antigo do Japão.

“Ganhamos cinco eleições no passado para nos dar o mandato para fornecer uma base econômica estável que permitiu a todos encontrar um emprego decente e consegui devolver ao Japão uma forte presença no campo da política externa”, disse.

Abe conheceu a primeira-ministra britânica Theresa May em Downing Street em janeiro de 2019, durante uma visita focada no desenvolvimento de sua parceria em meio ao caos do Brexit.

As empresas japonesas gastaram mais de 59 bilhões de dólares na Grã-Bretanha, incentivadas por sucessivos governos britânicos, desde que Margaret Thatcher lhes prometeu uma base favorável aos negócios para negociar em toda a Europa.

Durante uma escala em Moscou a caminho de Davos, Abe disse ao presidente russo, Vladimir Putin, que planejava se concentrar em um acordo de paz da Segunda Guerra Mundial que poderia resolver uma disputa territorial de décadas entre os dois estados.

As ilhas são conhecidas como Curilas do Sul na Rússia e Territórios do Norte no Japão.

Abe disse em 23 de janeiro em Davos que tentaria usar sua presidência do G20 para reconstruir a confiança no sistema de comércio global.

Primeiro-ministro japonês Shinzo Abe e o presidente da Argentina, Mauricio Macri, no encontro do G20 de 2018, em Buenos Aires. / Getty Images

Pessoas próximas ao primeiro-ministro disseram que Abe estava ansioso para usar a cúpula para aumentar seus índices de votação antes de uma eleição para a Câmara Alta que se aproximava no meio do ano.

“O derrotismo sobre o Japão está agora derrotado… Agora, no final deste ano, em junho, em Osaka, Japão, sediaremos a cúpula do G20 deste ano. Vamos fazer disso uma chance de recuperar o otimismo para o futuro.”

Abe apertou a mão da chanceler alemã Angela Merkel em fevereiro de 2019 durante uma visita de dois dias da líder europeia a Tóquio com o objetivo de reforçar o apoio a uma “aliança de multilateralistas” para resistir à abordagem “America First” de Trump ao comércio e à busca da China por interesses nacionais.

Trump deixou claro que estava insatisfeito com o superávit comercial do Japão com os Estados Unidos – grande parte das exportações de automóveis – e queria um acordo de mão dupla para mudá-lo. O Japão vinha resistindo à pressão dos EUA para vincular o comércio às questões cambiais.

Os líderes dos países membros do G20 foram recebidos em Osaka por Abe em 28 de junho de 2019. Uma guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo, Estados Unidos e China, ofuscou a cúpula, com outras questões sobre petróleo iraniano e mudanças climáticas também no topo da agenda.

Durante a sessão de encerramento, Abe procurou chamar a atenção para encontrar um terreno comum em vez de diferenças de opinião.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, realiza entrevista coletiva após a conclusão de uma bem-sucedida Cúpula do G20 na INTEX Osaka, Japão, em 29 de junho de 2019. / NurPhoto via Getty Images

Abe conduziu uma ampla remodelação do gabinete e os membros recém-nomeados apareceram na frente da mídia para uma foto de família em 11 de setembro de 2019. 

Abe disse em uma entrevista coletiva após o lançamento da nova formação que a reforma constitucional, um objetivo de longa data de seu governante liberal Partido Democrata (LDP), estava entre os difíceis desafios que o gabinete enfrentava.

“Sob o novo gabinete lançado hoje, nós, como Partido Liberal Democrático (LDP), lideraremos uma discussão vigorosa em direção à reforma constitucional.”

Abe fez um discurso de congratulações e liderou um trio de aplausos de “banzai”, ou “viva o imperador” durante a entronização do novo imperador japonês Naruhito em 22 de outubro de 2019.

Em março de 2020, após uma conversa telefônica com o chefe do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, Abe anunciou que ambos concordaram com o adiamento de um ano dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020, já que o Japão, juntamente com o mundo inteiro, foi atingido pela pandemia de Covid-19.

“Recebi uma resposta do presidente Bach de que ele concordou 100% (com minha proposta de adiar os Jogos). Concordamos que realizaríamos as Olimpíadas e Paraolimpíadas de Tóquio até o verão de 2021.”

Shinzo Abe com o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach. / Getty Images

Depois de ver um aumento nos casos de Covid-19 nos principais centros populacionais, Abe declarou estado de emergência que deu às autoridades mais poder para pressionar as pessoas a ficarem em casa e as empresas fecharem. Foi inicialmente imposto na capital, Tóquio, e em outras seis prefeituras, e posteriormente expandido para todo o país.

“Achei que a rápida disseminação nacional (do coronavírus) teria um grande impacto na vida das pessoas e na economia. Com base na lei revisada de medidas especiais para o novo (coronavírus), artigo 32, parágrafo 1º, declarei estado de emergência.”

Abe tornou-se o primeiro-ministro mais antigo do Japão em novembro de 2019, mas no verão de 2020, o apoio público havia sido corroído por sua gestão da pandemia, bem como uma série de escândalos, incluindo a prisão de seu ex-ministro da Justiça.

Ele renunciou sem presidir os Jogos Olímpicos, que foram adiados para 2021

Este conteúdo foi originalmente publicado em Relembre quem foi Shinzo Abe, ex-premiê japonês assassinado nesta sexta no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.