Mulher é denunciada nos EUA por atacar grupo de asiáticas com spray de pimenta


Uma mulher acusada de espalhar spray de pimenta em várias mulheres enquanto fazia comentários contra asiáticos em Nova York no início deste mês enfrenta agora várias denúncias, incluindo três de agressão de terceiro grau como crime de ódio, de acordo com uma queixa criminal.

Madeline Barker, de 47 anos, foi indiciada no sábado (18), disse um porta-voz do Ministério Público de Manhattan à CNN, e a fiança foi fixada em US$ 20.000. Sua próxima aparição no tribunal está marcada para uma quinta-feira, 23 de junho.

Um advogado da Legal Aid Society, que representa Barker, não foi encontrado para comentar sobre o caso.

Barker, moradora de Merritt Island, na Flórida, também enfrenta quatro acusações de assédio agravado em segundo grau e uma acusação de tentativa de agressão em terceiro grau como crime de ódio, de acordo com a denúncia, que detalha declarações dadas por quatro supostas vítimas, todas mulheres asiáticas.

Cada uma delas disse aos detetives que a denunciada usou spray de pimenta, acertando três delas mas errando a quarto, e afirmou “por que você não volta para o seu país?”.

O ataque, que foi investigado pela Força-Tarefa de Crimes de Ódio do Departamento de Polícia de Nova York, aconteceu em 11 de junho em Manhattan e foi parcialmente capturado em vídeo. As imagens, divulgadas pela polícia, mostram uma mulher brandindo o que parecia ser um spray de pimenta.

A mulher lançou spray de pimenta em quatro mulheres durante a briga, segundo a polícia da cidade. As mulheres recusaram atendimento médico, de acordo com um comunicado anterior.

Em algum momento durante a briga, não capturada no vídeo divulgado pela polícia de Nova York, um homem asiático passou pelo grupo na calçada, afirmou o sargento da polícia de Nova York Anwar Ishmael à CNN. A suspeita supostamente se virou para ele e disse: “leva todas as suas vadias de volta para onde você veio”.

Além disso, de acordo com a denúncia, os investigadores mostraram uma imagem estática tirada de um vídeo na cena do ataque à ré, que supostamente respondeu: “sou eu”.

Crimes de ódio, incluindo aqueles contra asiáticos nos Estados Unidos tiveram um aumento acentuado nos últimos anos. A pandemia de Covid-19 provocou ataques contra asiáticos em meio à retórica online e política que os estigmatiza, mas essa categoria de crime de ódio é frequentemente subnotificada.

Entre 31 de março de 2021 e 31 de março de 2022, 110 dos 577 incidentes de crimes de ódio tiveram como alvo asiáticos, de acordo com o Painel de Crimes de Ódio da Polícia de Nova York. Somente em março de 2022, houve nove incidentes tratados como crimes de ódio contra asiáticos-americanos, com cinco prisões.

Em 2020, os ataques contra asiáticos aumentaram nacionalmente para 279, de 161 em 2019, de acordo com o relatório de crimes de ódio do FBI.

E apesar do aumento preocupante desses crimes, uma pequena porcentagem dos ataques relatados contra asiáticos acaba em condenações.

Um relatório da Asian American Bar Association de Nova York descobriu que dos 233 ataques relatados contra asiáticos-americanos na cidade nos três primeiros trimestres de 2021, sete levaram a condenações por crimes de ódio no final de maio.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Mulher é denunciada nos EUA por atacar grupo de asiáticas com spray de pimenta no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.