Rússia controla grande parte de Severodonetsk, epicentro da guerra pelo leste de Donbass


As forças russas estão agora no controle da maior parte de Severodonetsk, o epicentro da sangrenta batalha pela região leste de Donbass, na Ucrânia. Os combates de rua continuaram neste sábado (11) na cidade do leste, onde soldados russos e tropas ucranianas ainda estão travados em guerra.

“A situação continua difícil. Os combates continuam, mas, infelizmente, a maior parte da cidade está sob controle russo. Algumas batalhas posicionais estão ocorrendo nas ruas”, disse Serhiy Haidai, governador da região de Luhansk, que compõe Donbass junto com a vizinha região de Donetsk.

As áreas mais ativas de combate foram Severodonetsk, Popasna e a área do rio Siverskyi Donets, disse Haidai na televisão nacional no sábado, acrescentando que as forças russas estão usando “artilharia de foguetes termobárica altamente destrutiva”.

“Infelizmente, a artilharia inimiga está simplesmente desmantelando prédios andar a andar que são usados ​​como abrigos. Nesse sentido, é difícil porque o inimigo será derrubado de uma rua, e então eles começarão a desmantelar bairros casa a casa com tanques , artilharia e graduados”, forçando as forças ucranianas em Severodonetsk a se mover continuamente para novas posições e se reagrupar, disse o governador.

Leia mais

  • Macron pode visitar a Ucrânia após decisão sobre candidatura do país à UE

    Macron pode visitar a Ucrânia após decisão sobre candidatura do país à UE

  • Ucrânia diz que Rússia busca pontos fracos em suas defesas próximas a importante rio

    Ucrânia diz que Rússia busca pontos fracos em suas defesas próximas a importante rio

  • Cidade ucraniana de Mariupol corre risco de surto de cólera, diz Reino Unido

    Cidade ucraniana de Mariupol corre risco de surto de cólera, diz Reino Unido

Em seu pronunciamento no sábado, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky elogiou as forças ucranianas na região, dizendo que estava “orgulhoso de nossos defensores que conseguiram impedir o avanço dessas pessoas hostis, esses ocupantes, por muitas semanas e manter nossa defesa forte”.

Zelensky disse que a luta pela cidade estratégica pode ditar o desfecho da guerra no leste do país. “Severodonetsk continua sendo o epicentro do confronto em Donbas”, disse Zelensky no início da semana.

“Esta é uma batalha muito feroz, muito difícil… Provavelmente uma das mais difíceis ao longo desta guerra”, acrescentou. “De muitas maneiras, o destino de nosso Donbas está sendo decidido lá.”

Severodonetsk fica no coração de Donbas, uma extensa região industrial no leste da Ucrânia que tem visto combates intermitentes desde 2014, quando separatistas apoiados pela Rússia tomaram o controle de dois territórios – a autodeclarada República Popular de Donetsk e a República Popular de Luhansk.

Haidai disse no sábado que a Ucrânia ainda está no controle da fábrica química Azot em Severodonetsk, onde 800 pessoas estão abrigadas, depois que uma autoridade apoiada pela Rússia afirmou que combatentes ucranianos também estavam presos lá.

“A história sobre o bloqueio da fábrica de Azot é uma mentira completa espalhada por propagandistas russos”, disse Haidai no aplicativo de mensagens Telegram.

Rodion Miroshnik, um líder apoiado pela Rússia da autoproclamada República Popular de Luhansk, afirmou no sábado que até 400 combatentes ucranianos estavam se refugiando no complexo da fábrica, escondidos ao lado de civis em abrigos antiaéreos, e negociações para sua rendição e a evacuação segura de civis estavam em andamento.

“Os combatentes estão tentando fazer exigências, ou seja, permitir que deixem o território da fábrica de produtos químicos junto com os reféns e fornecer um corredor para chegar a Lysychansk. Tais exigências são inaceitáveis ​​e não serão levadas em consideração”, disse Miroshnik.

Número de mortos sobe em Mariupol

Mais ao sul, em Mariupol, mais 24 mortes de crianças foram relatadas pela Procuradoria-Geral da Ucrânia no sábado, após bombardeios russos durante um cerco de meses na cidade portuária do sul.

O bloqueio terminou no mês passado depois que as forças russas assumiram o controle da siderúrgica Azovstal, onde as forças ucranianas se esconderam.

Isso eleva o número total de mortes de menores durante a invasão da Ucrânia pela Rússia para 287, disse o Ministério Público em um post do Telegram. Mais de 492 crianças ficaram feridas durante a guerra, segundo o comunicado.

O comunicado acrescentou que os números não estão completos, pois estão em andamento trabalhos para verificar as mortes de crianças em outros locais onde há combate ativo.

O escritório também disse que 1.971 instituições de ensino foram danificadas pelos bombardeios russos, com 194 delas completamente destruídas.

Em 25 de maio, um conselheiro do prefeito de Mariupol, Petro Andrushchenko – que também se mudou para território ucraniano – disse à CNN que funcionários da prefeitura de Mariupol acreditam que pelo menos 22.000 moradores da cidade foram mortos durante três meses de guerra.

A notícia chega no momento em que a cidade está lutando contra um possível surto de cólera, de acordo com um relatório da inteligência britânica publicado na sexta-feira.

O acesso a água potável, conexão à internet e serviços telefônicos não são confiáveis ​​nas áreas ocupadas pelos russos da Ucrânia, disse o relatório, refletindo as preocupações das autoridades ucranianas enquanto a Rússia luta para fornecer serviços públicos básicos às populações civis nas áreas que ocupou.

No discurso noturno de sábado, Zelensky disse que “cerca de 32.000” soldados russos foram mortos desde o início da invasão. Mais cedo no sábado, os militares ucranianos disseram que o total de perdas em combate russo desde 24 de fevereiro foi “cerca de 32.050”.

A CNN não pode verificar os números da Ucrânia referente ao número de forças russas mortas no conflito e o dado exato de mortos permanece incerto.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Rússia controla grande parte de Severodonetsk, epicentro da guerra pelo leste de Donbass no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.