Fim de exigência de teste de Covid gera expectativa para viagens durante verão nos EUA


Com o verão esquentando, os Estados Unidos estão suspendendo a exigência da apresentação de um teste negativo de Covid-19 para todos os viajantes que entram no país. A notícia traz um alívio coletivo e uma provável inundação de novos viajantes internacionais para uma já caótica temporada de verão.

Para muitos viajantes americanos, o anúncio significa não ter mais que se preocupar com o incômodo dos testes antes de retornar aos Estados Unidos, ou o custo e o ônus de permanecer no exterior em quarentena e esperar por um resultado negativo se um teste pré-viagem der positivo.

Enquanto isso, os viajantes internacionais com destino aos EUA podem planejar viagens sem o medo de cancelá-las por causa de um teste positivo. A maioria dos cidadãos não americanos ainda deve estar vacinada para viajar para o país.

E a enfraquecida indústria de viagens está comemorando a remoção da barreira para ambos os grupos de clientes em potencial.

A regra, que foi implementada em janeiro de 2021, terminou para viajantes com destino aos EUA a partir às 1h01 no horário de Brasília. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dizem que reavaliarão a regra se a situação da Covid-19 mudar.

O processo ocorre após intensa pressão do comércio de viagens e grupos de turismo, à medida que o setor continua se recuperando após mais de dois anos de uma desaceleração induzida pela pandemia.

Durante meses, essas organizações pediram que o requisito de teste fosse descartado, como ocorre no Canadá e no Reino Unido desde março, assim como na maioria dos países da Europa. Após a notícia de sexta-feira (10) sobre o fim da regra, a American Hotel and Lodging Association (AHLA) e a US Travel Association (USTA) estavam entre os grupos que emitiram declarações aplaudindo a medida.

O presidente e CEO da AHLA, Chip Rogers, descreveu isso como uma “vitória significativa para os hotéis e a indústria de viagens em geral” em um comunicado divulgado na sexta-feira, chamando o requisito de desatualizado e criando um “efeito assustador” nas viagens internacionais de chegada.

Enquanto isso, o presidente e CEO da USTA, Roger Dow, enfatizou que o fim do requisito de testes poderia trazer mais 5,4 milhões de visitantes aos EUA e mais US$ 9 bilhões em gastos com viagens até o final de 2022.

‘2022 são três temporadas em uma’

Mesmo que muitos na indústria de viagens apoiem o desenvolvimento, alguns especialistas estão alertando sobre o aumento da demanda, a diminuição da disponibilidade e os preços mais altos que certamente virão como resultado, exacerbando o que já foi um cenário caótico de viagens nos Estados Unidos e no exterior.

“A Europa será inundada por viajantes americanos”, disse Mina Agnos, presidente da Travelive, uma agência especializada em viagens à Grécia com escritório na Flórida.

“Ao falar com consultores de viagens nos EUA, o consenso é que 2022 são ‘três temporadas em uma’. A disponibilidade de hotéis está escassa e os serviços locais [como] guias, motoristas, transporte aéreo local, serviços de balsa e trem e restaurantes estarão com capacidade máxima nesta temporada”, disse Agnos.

É uma avaliação que a indústria do turismo, especialmente o setor hoteleiro, está feliz em ver.

Chitra Stern, CEO do Martinhal Resorts, um grupo hoteleiro de luxo centrado na família com propriedades em Portugal, disse que as restrições dos testes nos EUA “impediram muitos viajantes” de planejar viagens ao exterior, especialmente famílias, que são o núcleo demográfico da marca.

Como um teste negativo não é mais necessário para retornar aos EUA, Stern espera ver um aumento no número de hóspedes residentes dos EUA — o principal mercado da Martinhal — reservando estadias em Portugal e em toda a Europa.

“Agora esperamos receber muito mais americanos reservando viagens de verão de última hora e feriados prolongados na cidade”, disse Stern.

Laura Citron, CEO da Visit London, espera ver um aumento semelhante nos viajantes dos EUA, que compõem o maior mercado de turismo receptivo de Londres, indo para a capital neste verão.

Aviões da Força Aérea Real fazem apresentação no Jubileu de Platina da Rainha Elizabeth II / Getty Images

“Durante a pandemia, vimos picos nas reservas dos EUA para Londres quando as restrições de viagem foram suspensas”, disse Citron à CNN por mensagem de texto, acrescentando que passageiros de voos dos EUA para Londres quase atingiram níveis pré-pandêmicos durante a semana das celebrações do Jubileu de Platina.

De acordo com Agnos, os viajantes com destino de férias na Grécia neste verão devem começar a planejar suas viagens imediatamente e esperar enfrentar multidões. Se os negócios dele forem parâmetros, o país mediterrâneo está prestes a ver um estouro de turismo nos próximos meses, tanto que junho está “praticamente esgotado” para guias da Travelive, para veículos de transferências e até para iates, disse Agnos.

Uma situação dessas é a primeira na história de 21 anos da operadora de viagens.

“A disponibilidade do hotel é uma preocupação séria, mesmo em áreas como Atenas e Mykonos, onde a quantidade disponível sempre foi adequada”, explicou Agnos. “É a primeira vez que deixamos de fazer negócios devido à falta de disponibilidade”.

‘Um aumento na demanda transatlântica’

Resta saber exatamente quanto a restrição levantada provocará de aumento nos custos das passagens aéreas. Mas é seguro dizer que com o inevitável aumento da demanda, os passageiros devem considerar a reserva de voos o mais rápido possível para obter o melhor negócio.

De acordo com Scott Keyes, fundador do Scott’s Cheap Flights, um site de rastreamento e reserva de passagens aéreas, o aumento da demanda pode resultar em companhias aéreas expandindo rotas e serviços para destinos populares como a Europa.

“Espero ver um aumento na demanda de viagens transatlânticas e as companhias aéreas respondendo ao adicionar mais voos para capturar as novas faixas de viajantes ansiosos para viajar entre os EUA e a Europa”, disse Keyes.

É definitivamente sobre oferta e demanda, disse Kyle Potter, editor do site de viagens e negócios de voos, Thrifty Traveler, à CNN.

“Muitas tarifas domésticas estão mais altas do que nunca, e isso é porque a demanda é maior”, disse Potter. “À medida que mais pessoas olham para a Europa e além, podemos ver facilmente as companhias aéreas aumentarem as tarifas, especialmente durante a alta temporada de verão”.

Potter recomenda viajar entre meados e final de agosto e início de setembro. “Ainda estamos encontrando ótimas ofertas para a Europa, como passagens sem escalas de US$ 500 (ou menos) para Londres ou Roma nesse período de tempo depois que a corrida transatlântica diminui um pouco”.

Os viajantes para destinos muito procurados também devem ter colocar na mala um pouco de paciência extra frente à escassez de pessoal que a indústria de viagens continua enfrentando nos setores de hotéis, restaurantes e companhias aéreas.

“Estou preocupado com a entrega do serviço este ano”, disse Agnos. “A contratação de equipes continua muito difícil, então os níveis de serviço podem não ser comparáveis aos níveis pré-Covid, particularmente nos serviços de viagens de luxo”.

Pessoas usam máscara de proteção perto da Torre Eiffel em Paris
Turistas usam máscara de proteção perto da Torre Eiffel em Paris, capital da França / Foto: Gonzalo Fuentes – 16.mai.2020/Reuters

Kathy Hirst, gerente de viagens da Black Pearl Luxury Services, uma operadora de viagens personalizadas com sede em Salt Lake City, disse que, embora esteja “empolgada” com a retirada da obrigatoriedade dos testes, também está antecipando alguma frustração dos clientes que esperaram para reservar viagens internacionais até que o teste não fosse mais necessário e agora podem enfrentar disponibilidade limitada.

“Agora que eles estão prontos para reservar, provavelmente ficarão desapontados por causa da falta de estoque com passeios, hotéis, cruzeiros e passagens aéreas”, disse Hirst. “No momento, estamos descobrindo que muitos hotéis, companhias aéreas, empresas de turismo e cruzeiros estão tendo dificuldades para operar devido à falta de funcionários”.

Assim como Agnos, Hirst notou um aumento significativo nas consultas e reservas para pontos quentes europeus, incluindo França, Grécia, Itália e Reino Unido. Ela disse que os destinos no Caribe e no México também são “extremamente populares”, e a demanda em geral tem sido tão alta que alguns de seus colegas estão recusando pedidos para reservar viagens personalizadas.

“Esses itinerários são muito divertidos de planejar, mas consomem muito tempo e muitos consultores estão recusando novos clientes porque estamos inundados com pedidos”, disse Hirst.

“As pessoas esperaram dois anos para viajar, e a demanda reprimida é um bom problema para nós, mas também torna os dias muito longos e estressantes”, disse ela. “Espero que as coisas se estabilizem nos próximos meses, mas por enquanto as viagens estão mais quentes do que eu vi em meus mais de 20 anos na indústria”.

 

*Com informações de Marnie Hunter e Forrest Brown, da CNN

Este conteúdo foi originalmente publicado em Fim de exigência de teste de Covid gera expectativa para viagens durante verão nos EUA no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.