Como Ucrânia usa tecnologia 3D para proteger patrimônio cultural de ataques russos


Um tanque russo explodido perto de Kiev, um monumento ao escritor ucraniano Borys Hrinchenko, um prédio de apartamentos destruído pela artilharia e um escorregador em um parquinho infantil coberto por pichação.

Na Ucrânia, esses objetos estão entre centenas de pontos de referência, locais culturais, monumentos e coisas cotidianas que os moradores digitalizaram em telefones celulares por meio de um aplicativo chamado Polycam. O software do aplicativo gera um modelo 3D detalhado que ficará permanentemente em um arquivo digital, como parte de uma iniciativa chamada Backup Ukraine (Cópia de Segurança da Ucrânia, na tradução livre).

O projeto, lançado em abril, logo após a invasão da Ucrânia pela Rússia, visa preservar digitalmente a herança cultural do país – longe do alcance dos ataques russos. As digitalizações são de tão alta qualidade, dizem os criadores do projeto, que podem ser projetadas em um espaço físico para serem exploradas para fins educacionais e também podem ser usadas para reconstruir artefatos culturais destruídos.

O Backup Ukraine é uma criação da agência criativa da VICE, a Virtue Worldwide, que fez parceria com a Blue Shield Denmark, um grupo que ajuda a proteger patrimônios culturais globais, e a Comissão Nacional Dinamarquesa da Unesco.

“O que queríamos combater era a destruição intencional da herança ucraniana como um ato de terror, de intimidação nacional. Isso foi provado ser muito, muito real”, disse Tao Thomsen, diretor criativo da Virtue Worldwide e cocriador do Backup Ukraine.

O Ministério da Cultura da Ucrânia documentou 367 crimes de guerra contra o patrimônio cultural do país até 27 de maio, incluindo a destruição de 29 museus, 133 igrejas, 66 teatros e bibliotecas e um cemitério judaico centenário, segundo seu site.

Com o Backup Ukraine, pela primeira vez na história, os artefatos de um país estão sendo documentados em realidade aumentada durante uma guerra em andamento, um precedente que gerou discussões sobre como essa tecnologia pode ser usada em outros países em conflito ou guerra. A equipe também está explorando a possibilidade de criar modelos 3D de igrejas e edifícios destruídos que não foram digitalizados, usando imagens digitais do passado.

“Criamos um precedente aqui em termos de proteção de artefatos culturais e um modelo, um sistema que as pessoas podem usar no futuro à medida que o conflito se desenvolve”, disse Iain Thomas, diretor de criação do grupo Virtue Worldwide e cocriador do projeto.

“Uma das coisas mais surpreendentes é que as pessoas estão escaneando monumentos, estátuas e esculturas, mas também estão escaneando pequenos aspectos de suas vidas – coisas que possuem, valorizam e apreciam”, disse Thomas.

Backup Ucrânia cresce como movimento

A equipe do Backup Ukraine está integrando gerentes de projetos locais para “entregar lentamente a propriedade aos próprios ucranianos”, e 150 pessoas se juntaram como voluntários, digitalizando até 10 peças de patrimônio culturalmente relevante a cada dia, disse Thomsen. Desde o lançamento, mais de 6 mil pessoas na Ucrânia baixaram o aplicativo Polycam para acessar o arquivo digital.

Max Kamynin, morador e arquiteto de Kiev, diz que se voluntariou para a iniciativa há cerca de um mês e aloca de três a quatro dias por semana para fazer digitalizações, durante os quais pretende criar de 15 a 20 digitalizações de alta qualidade. Antes de cada dia de escaneamento, Kamynin faz uma lista de monumentos, prédios históricos ou objetos destruídos pelas forças russas e segue a rota, diz ele.

 

Digitalização 3D feita pelo morador e arquiteto de Kiev, Max Kamynin, da Igreja da Assunção da Virgem Pirogoshcha, uma catedral ortodoxa da capital da Ucrânia / Max Kamynin / Arquivo Pessoal

“Agora, muitos monumentos grandes estão cobertos por sacos de areia, então não posso escaneá-los. Mas isso não me incomoda porque a Ucrânia é muito rica em história e você sempre pode encontrar algo interessante para escanear”, disse ele.

Kamynin levou cerca de uma hora para escanear a Igreja da Assunção da Virgem Pirogoshcha, uma catedral ortodoxa em Kiev, originalmente construída em 1132. Foi o primeiro edifício em Kiev que foi construído inteiramente de tijolos sem o uso de pedra, de acordo com o site da igreja. A igreja foi destruída em 1935 durante a era soviética, mas mais tarde foi reconstruída, no final dos anos 1900.

“Grandes edifícios são mais difíceis de fazer digitalizações do que esculturas ou monumentos”, disse Kamynin. “Você precisa percorrer ao redor de todo o prédio e, se possível, usar um drone para melhorar a varredura”.

Digitalização 3D de um dos edifícios destruídos em Borodyanka, Ucrânia, usando o aplicativo
Digitalização 3D de um dos edifícios destruídos em Borodyanka, Ucrânia, usando o aplicativo / Maxim Kamynin / Divulgação

Os criadores do Backup Ukraine dizem que ele se transformou em um movimento, já que os civis ucranianos reconhecem cada vez mais a importância de proteger a história, a arte e a cultura de seu país e olham para o futuro.

“Aconselhamos as pessoas a não escanear em áreas onde há conflito imediato”, disse Thomsen. “Há um risco sempre que você sai em um país de guerra muito intensa. Não podemos ignorar isso. E, no entanto, as pessoas ainda saem às dezenas todos os dias para escanear. Isso para mim prova que o orgulho nacional disso é um fator de condução realmente forte”.

Um dos edifícios destruídos em Borodyanka que foi digitalizado em 3D
Um dos edifícios destruídos em Borodyanka que foi digitalizado em 3D / Maxim Kamynin / Divulgação

Centenas de patrimônios culturais destruídos

Desde o início da guerra, o setor cultural da Ucrânia correu para proteger igrejas, museus, estátuas e obras de arte, que continuam a sofrer danos.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, apelou à Unesco para remover a Rússia de sua adesão, porque ela destruiu “tantos monumentos, locais culturais e sociais na Europa desde a Segunda Guerra Mundial”, informou a CNN anteriormente.

Os líderes do projeto Backup Ukraine estão em contato regular com a Heritage Emergency Rescue Initiative – uma unidade ucraniana sob o Ministério da Cultura – e estão coordenando com profissionais da indústria de digitalização 3D, na Ucrânia e globalmente, para digitalizar em um ritmo mais rápido e em larga escala.

Segundo Thomsen, os parceiros do projeto também estão em discussões com os departamentos locais do Ministério da Cultura sobre a digitalização de locais de patrimônio de alto nível na lista de Patrimônios Mundiais da Unesco, especificamente o centro histórico em Lviv e a Catedral de Santa Sofia, em Kiev.

A digitalização 3D do patrimônio cultural da Ucrânia é uma “ferramenta educacional fantástica”, disse Yuri Shevchuk, professor de língua ucraniana na Universidade de Columbia, nos Estados Unidos.

“O que está sendo feito agora é quase como tornar a história ucraniana inapagável, resistente ao tempo”, disse Shevchuk, que nasceu na Ucrânia. “Você pode usar isso como educação para estudantes, mas também para os próprios ucranianos e para o mundo. O projeto também nos faz, como ucranianos, repensar e redescobrir o que passou despercebido”.

Shevchuk diz que projetos como o Backup Ukraine servem a um propósito maior na luta contra a agressão e propaganda russas que não reconhecem a identidade cultural e a soberania territorial únicas da Ucrânia.

“A Ucrânia, sua identidade e sua realização simplesmente não existem [para a Rússia], mas são uma variedade da civilização russa”, disse Shevchuk. “Esses atributos da identidade ucraniana como cultura, língua, literatura, música e arquitetura são realmente algo que marcam os ucranianos como originais, inimitáveis e diferentes de qualquer outra nação”.

E eles devem ser preservados, diz ele.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Como Ucrânia usa tecnologia 3D para proteger patrimônio cultural de ataques russos no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.