Presidente do Juventude se pronuncia após “alagamento” no estádio; veja


Estado do gramado em Juventude x Fluminense pela nona rodada do Brasileirão gerou muitas críticas do clube carioca

Na manhã do domingo (5), Juventude e Fluminense se enfrentaram no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, pela nona rodada da Série A do Brasileirão, e os donos da casa saíram vencedores pelo placar de 1 x 0.

Em razão da chuva torrencial na serra gaúcha, o gramado do estádio ficou completamente alagado, repleto de poças d’água, o que prejudicou bastante a qualidade técnica da partida para ambas as equipes.

Após o confronto, o Fluminense divulgou uma nota oficial cobrando a equipe de arbitragem pela realização do jogo mesmo com o campo em péssimas condições e ressaltando que irá solicitar “medidas administrativas necessárias” à CBF (Confederação Brasileira de Futebol). Assista abaixo o que disse o técnico Fernando Diniz em entrevista coletiva:

Nesta segunda (6), a diretoria do Juventude se manifestou a respeito e explicou que o motivo do estado do gramado permanecer encharcado foi o método de drenagem e a recente manutenção do campo, que aconteceu no ano passado.

“O nosso gramado é muito novo e precisamos lembrar que, no ano passado, foi escolhido o quarto melhor da Série A. Nós temos que separar qualidade e drenagem. O gramado veio com uma matéria orgânica, que vai se acostumando com o solo e hoje ela é muito firme”, declarou Marcelo Barbarotti, diretor executivo do clube gaúcho ao portal “GE.Globo”.

“O nosso sistema de drenagem está abaixo dessa massa orgânica, mas essa massa atrapalha um pouco. Nós estamos falando um ano e meio após a troca (…) O gramado é uma coisa e a drenagem é outra. Eu, às vezes, fico preocupado com a discussão. Ela parece que vai segmentando. Parece um preconceito com o clima da serra gaúcha. Essa é a realidade. Se eu for no Castelão, vou reclamar do gramado que é o pior do Brasileirão e pouco se fala”, argumentou o dirigente.

Do outro lado, o presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, disse que é “inadmissível” a postura do árbitro goiano Jefferson Ferreira de Moraes em permitir o andamento do jogo nas condições precárias em que o gramado se encontrava.

“Inadmissível o árbitro de Juventude x Fluminense ter dado início à partida nas precárias condições do gramado, e mais, ter dado seguimento após o aumento da chuva (…) Um verdadeiro desastre. O mais ‘curioso’ de tudo é que, somente após fazer 1 x 0 e de um primeiro tempo dentro d’água, os funcionários do Juventude resolveram ‘drenar’ o campo com rodos. Antes, nada foi feito para amenizar as condições de disputa da partida”, diz a nota oficial assinada pelo presidente do Tricolor carioca.

Com o resultado do confronto, o Juventude subiu para o 16º lugar na tabela somando dez pontos, enquanto o Fluminense caiu para a 12ª posição com um ponto a mais.

Presidente do Juventude se pronuncia após “alagamento” no estádio; vejaTorcedores – Notícias Esportivas.