Plantas aquáticas servem como “motel” para algumas espécies de besouro


Por Rodrigo Aranda e Gisele Catian, do Instituto de Ciências Exatas e Naturais da Universidade Federal de Rondonópolis. 

Aprendemos na escola que as flores são os órgãos sexuais dos vegetais. Mas o que os professores de biologia esqueceram de contar é que algumas delas vão além e possuem outra atuação libidinosa: abrigar verdadeiras orgias de insetos.  

É o caso das flores das vitórias-régias e das ninfeias (ou ninfas d’água), plantas aquáticas pertencentes à família Nymphaeaceae. O nome faz referência às náiades, ninfas de água da mitologia grega. Elas eram parecidas com sereias: viviam em rios, lagos e fontes, tinham controle sobre a água – e uma voz encantadora. As flores dessa planta são grandes e vistosas, e se erguem acima da superfície. Eis a associação com a figura mitológica.

Para atrair os besouros, que são animais noturnos, as flores só abrem à noite.Gisele Catian/ICEN – UFR/Divulgação

Para algumas espécies de insetos, as flores da vitória-régia e da ninfeia são realmente encantadoras. Os besouros escarabeídeos do gênero Cyclocephala que o digam. Eles são animais noturnos, excelentes polinizadores desse tipo de planta e facilmente atraídos por luzes. 

As flores sabem disso – e usam essas características dos besouros a seu favor. Para atraí-los, elas abrem somente à noite. Os insetos são atraídos pelo odor de éter emitido pelas flores e pela coloração creme das pétalas, que se destacam no ambiente escuro. E é aí que a diversão começa.

Continua após a publicidade

Hora da festa

As flores das ninfeias formam uma espécie de câmara em seu interior, que oferece abrigo, alimento e calor para os besouros. Eles entram na câmara floral no início da noite, onde permanecem presos por até 48 horas. Quentinhos, eles ficam ali se alimentando da proteína do pólen e do açúcar do néctar. 

Uma coisa leva à outra, e esse banquete acaba se transformando em uma noite de amor: os besouros passam esse tempo todo dentro das flores copulando.

Inimigos do fim: os besouros podem ficar até 48 horas dentro das flores.Gisele Catian/ICEN – UFR/Divulgação

Os machos são atraídos pela fêmea, que chega à flor antes deles. Todos que entram na câmara tentam acasalar com ela. Pode ocorrer de apenas um macho de Cyclocephala ser bem-sucedido e ficar protegendo a fêmea pelo resto da “balada”, evitando que outros copulem com ela.

Mas as regras da festinha são flexíveis: às vezes, acontece também de outro besouro conseguir copular com a fêmea (um comportamento bem comum no reino animal. Ao final da esbórnia, a flor reabre suas pétalas – e libera os insetos baladeiros.

Compartilhe essa matéria via:

Continua após a publicidade