Ter ansiedade ou depressão aumenta o risco de desenvolver doenças crônicas, diz estudo


Mulheres de todas as idades e homens mais jovens com certos transtornos de humor são mais propensos a desenvolver certas doenças crônicas, de acordo com uma nova pesquisa.

Pesquisadores de um estudo retrospectivo publicado na revista JAMA Network Open analisaram dados de saúde de 40.360 adultos do Condado de Olmsted, em Minnesota, do sistema de conexão de registros médicos do Rochester Epidemiology Project. Este banco de dados coleta informações médicas contínuas de pessoas que vivem no condado.

A equipe de pesquisa dividiu os adultos em três faixas etárias por sexo: 20, 40 e 60 anos. Cada participante foi classificado com base em se eles comemoraram os aniversários dessas idades entre 2005 e 2014. O estudo também incluiu um acompanhamento em 31 de dezembro de 2017.

Os participantes foram divididos em quatro grupos: aqueles com ansiedade; depressão; ansiedade e depressão; ou nenhum dos dois diagnósticos.

Mulheres em todas as três faixas etárias e homens na faixa dos 20 anos que tinham depressão e ansiedade, ou só depressão tinham um risco significativamente maior de desenvolver uma condição crônica, em comparação com participantes sem ansiedade ou depressão.

Algumas das 15 condições crônicas observadas no estudo incluíram hipertensão, asma, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e a maioria dos cânceres.

“Nós tendemos a pensar nos jovens como vitais, em forma e saudáveis. Também tendemos a pensar que as condições médicas crônicas afetam apenas as pessoas mais velhas. Infelizmente, para as pessoas que sofrem de doenças mentais, a realidade pode ser bem diferente”, disse Jasmin Wertz, professor de psicologia na Escola de Filosofia, Psicologia e Ciências da Linguagem da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, que não esteve envolvido no estudo.

De todas as mulheres do estudo, as mulheres na faixa dos 20 anos eram mais propensas a desenvolver doenças crônicas se tivessem ansiedade e depressão, com um aumento de mais de 61% no risco em comparação com participantes sem nenhum transtorno mental.

As mulheres na faixa dos 60 anos eram menos propensas se tivessem apenas ansiedade, com um aumento de mais de 5% no risco em comparação com participantes sem ansiedade nem depressão.

Dos homens do estudo, aqueles com ansiedade e depressão no grupo de 20 anos eram mais propensos a desenvolver uma condição crônica, com um aumento de risco de quase 72% em comparação com o grupo controle, e os homens com ansiedade no grupo de 60 anos eram menos provavelmente com uma redução de mais de 8% no risco.

Possíveis explicações para as disparidades

A equipe de pesquisa não conseguiu determinar por que as mulheres eram mais propensas a serem afetadas do que os homens, mas existem algumas hipóteses possíveis, disse o autor do estudo, William Bobo, professor de psiquiatria e presidente e consultor do departamento de psiquiatria e psicologia da Mayo Clínica em Jacksonville, Flórida.

Existem diferenças sexuais na frequência de transtornos depressivos e de ansiedade diagnosticados e isso pode ter desempenhado um papel”, disse ele.

As mulheres são mais propensas a serem diagnosticadas com transtorno de ansiedade do que os homens e duas vezes mais propensas a serem diagnosticadas com depressão, de acordo com a Clínica Mayo.

Fatores hormonais, biológicos e psicológicos também podem desempenhar um papel, acrescentou Bobo.

Os participantes com ansiedade e depressão também foram afetados por várias condições crônicas, não apenas uma ou duas, disse Wertz.

Mais pessoas podem ser afetadas

O estudo não incluiu doenças crônicas que as pessoas já tinham quando entraram no estudo, e sim analisou os dados coletados em cada marco, disse Kyle Bourassa, pesquisador avançado do Centro de Pesquisa, Educação e Clínica em Geriatria do Durham VA Health Care System em Carolina do Norte. Ele não participou do estudo.

Alguém que está na faixa etária de 60 anos pode ter tido ansiedade e/ou depressão durante a maior parte de sua vida e já desenvolveu doenças crônicas aos 60 anos por causa disso, explicou.

“Esta foi uma boa decisão para ser cauteloso com as estimativas do estudo, mas também pode resultar em subestimar o efeito entre os idosos estudados aqui”, disse Bourassa.

Mais de 86% dos participantes eram brancos, o que é outro fator limitante, segundo Wertz.

Existem grandes disparidades raciais e étnicas na saúde mental e física porque as pessoas que vêm dessas minorias muitas vezes não têm acesso a cuidados de saúde de qualidade, disse ela.

Isso significa que pessoas com origens de minorias raciais e étnicas podem ter uma maior associação entre ansiedade e depressão, o que pode se traduzir em um risco maior de desenvolver condições crônicas do que o relatado, explicou Wertz.

Como diminuir seu risco

Existem tratamentos comportamentais e farmacológicos para ansiedade e depressão, que demonstraram melhorar o bem-estar do paciente, disse Bourassa.

As descobertas feitas a partir deste estudo sugerem que esses tratamentos também podem melhorar a saúde física, especialmente quando as pessoas são mais jovens, disse ele.

Incluir atividade física, meditação consciente e sono em sua rotina diária também demonstrou diminuir a ansiedade e a depressão, de acordo com Bourassa.

Além dessas atividades, evitar fumar e beber muito pode ajudar a diminuir o risco de desenvolver uma condição crônica, disse ele.

Se você sentir que pode ter ansiedade ou depressão, converse com seu médico ou terapeuta para criar um plano de tratamento, disse Wertz. A Aliança Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos também tem uma linha de apoio, acrescentou ela.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Ter ansiedade ou depressão aumenta o risco de desenvolver doenças crônicas, diz estudo no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.