Pais devem ser “porto seguro” dos filhos, diz criadora do Mães pela Diversidade


O filho da Maju Giorgi tinha apenas 5 anos quando ela e o marido perceberam que a criança era homossexual. A certeza, no entanto, só veio na adolescência.

“Quando ele tinha 14 anos, eu percebi que ele estava muito deprimido. Um dia, ele me abraçou e disse ‘mãe, sou gay’. Ele estava desesperado”, contou a Maju em entrevista à CNN Rádio nesta quarta-feira (4), no quadro “CNN no Plural“.

Foi então que surgiu a ideia de criar uma organização não-governamental para acolher pais e mães cujos filhos são homossexuais.

O coletivo Mães pela Diversidade surgiu em 2014. De acordo com Giorgi, que atualmente é coordenadora da ONG, os pais que procuram a instituição vão encontrar “acolhimento, atendimento pro bono de terapia, psiquiatra, e, depois, informação”, contou ela. “Informação é o que destrói o preconceito.”

Para Maju Giorgi, os pais precisam ser o “porto-seguro” dos filhos. “As crianças LGBTQIA+ têm um destino pré-determinado, de um ciclo de violência em todos os lugares: na escola, no mercado de trabalho, na rua. Mas, muitas vezes, o primeiro lugar de violência é a própria casa. Então, a gente incentiva que os pais sejam o primeiro lugar de acolhimento”, afirmou.

“Nós estamos unidos pelo medo da violência, da truculência da falta de direitos e por um sentimento de injustiça que transborda. A gente gostaria de entender por que [os homossexuais são vítimas de violência]. Eles são inocentes”, declarou ela.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Pais devem ser “porto seguro” dos filhos, diz criadora do Mães pela Diversidade no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.