Doutor Estranho no multiverso pode ser o filme mais insano da Marvel até agora


“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” pode ser o filme mais insano da Marvel de todos os tempos, para o bem e para o mal.

Liberar as infinitas possibilidades do multiverso abre o baú de brinquedos do estúdio, mas esse “vale tudo” pode ser emocionante e ao mesmo tempo desorientador – e, por que não um pouco ingênuo. No final, esta sequência é puro entretenimento.

É difícil acreditar que esta seja a primeira sequência real de “Doutor Estranho”, seis anos depois, já que Benedict Cumberbatch interpretou o feiticeiro várias vezes nos últimos anos, de “Vingadores” a “Thor”, e mais recentemente em “Homem-Aranha: Sem Caminho para Casa”

 

Dirigido por Sam Raimi, que tem seus próprios laços com o Aranha, o filme tem raízes que remontam à jornada de Strange desde o primeiro filme, bem como a batalha de duas partes dos “Vingadores” contra Thanos.

Os marcos recentes mais significativos na história são da Disney +, um sinal de quão vasto e interconectado o Universo Cinematográfico da Marvel se tornou. Isso obviamente inclui “WandaVision”, que configurou o arco de personagem de Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen) e sua transformação na Feiticeira Escarlate, desempenhando um papel fundamental neste filme, e também “Loki”, oferecendo sua própria exploração vertiginosa de realidades paralelas.

O filme apresenta uma adolescente (Xochitl Gomez de “The Baby-Sitters Club”) que possui a capacidade de abrir portas para o multiverso. Esse poder atrai Strange para uma corrida frenética para salvar não apenas nosso universo, mas também outros.

No seu melhor, o filme explode com energia psicodélica. Pode ser sombrio, mas ainda explora de maneira divertida os quadrantes da mitologia da Marvel claramente projetados para fazer os fãs gritarem e gritarem. Uma sequência que vale bem o preço do ingresso.

Por outro lado, há uma bagunça inevitável em todo o conceito de salto no universo. A narrativa se move em um ritmo tão rápido que é fácil simplesmente se deixar levar com isso – os cinéfilos não precisam se desculpar por se sentirem perdidos em alguns momentos.

Tecnicamente, Raimi entregou um exercício visualmente impressionante, aumentado pela partitura espetacular do compositor Danny Elfman.

Também não deve ser esquecido o que os atores do calibre de Cumberbatch e Olsen trazem para os papéis centrais em termos de inteligência e humanidade, ajudando a fundamentar todo esse caos em vulnerabilidade e emoção.

É possível desfrutar amplamente do filme e ficar um pouco frustrado com o multiverso de tudo – sentindo como se fosse esporadicamente culpado de não entender a “loucura” toda.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Doutor Estranho no multiverso pode ser o filme mais insano da Marvel até agora no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.