Nadal, Djokovic e Murray criticam Wimbledon por banir atletas russos e belarussos


Há uma crescente divisão entre algumas das principais estrelas do tênis do mundo e atletas ucranianos do passado e do presente sobre a decisão de Wimbledon de banir competidores da Rússia e Belarus devido à invasão russa da Ucrânia.

Explicando sua posição, Wimbledon disse que não queria “beneficiar a máquina de propaganda do regime russo”.

No entanto, Rafael Nadal, Andy Murray e Novak Djokovic, que conquistaram 10 títulos de Wimbledon entre eles, juntaram-se a ATP e WTA em sua oposição à proibição.

“Acho muito injusto [com] meus companheiros de tênis russos, meus colegas”, disse Nadal em entrevista coletiva no domingo antes do Aberto de Madri. “Não é culpa deles o que está acontecendo neste momento com a guerra. Sinto muito por eles, Wimbledon acabou de tomar a decisão deles. O governo não os obrigou a fazê-lo. Vamos ver o que acontece nas próximas semanas, se os jogadores tomarem algum tipo de decisão a esse respeito.”

 

Os atletas ucranianos apoiaram amplamente a proibição de Wimbledon, e Sergiy Stakhovsky – que se aposentou no início deste ano e desde então se juntou ao exército ucraniano para defender sua pátria – condenou a postura de Nadal.

“Rafael Nadal competimos juntos… jogamos um contra o outro”, escreveu Stakhovsky no Twitter, marcando o tenista espanhol.

“Por favor, diga-me como é justo que os jogadores ucranianos não possam voltar para casa? Como é justo que as crianças ucranianas não possam jogar tênis? Como é justo que os ucranianos estejam morrendo?”

A decisão do All England Lawn Tennis Club (AETLC) marca a primeira vez que jogadores russos e bielorrussos foram banidos de um evento de tênis de elite após a invasão da Ucrânia por Moscou.

Vários jogadores de alto nível seriam incapazes de competir, incluindo o número 2 do mundo masculino Daniil Medvedev e o número 4 do mundo feminino Aryna Sabalenka.

A bielorrussa Sabalenka chegou às semifinais em Wimbledon no ano passado. / Robert Prange/Getty Images

Murray, que está doando todo o seu prêmio em dinheiro nesta temporada para ajuda humanitária na Ucrânia, disse que “não apoia” o plano de banir jogadores russos e bielorrussos de Wimbledon, mas acrescentou que não há “resposta certa” para a difícil situação.

“Meu entendimento da orientação era que russos e bielorrussos podem jogar se assinarem uma declaração de que são contra a guerra e contra o regime russo”, disse ele a jornalistas no Aberto de Madri.

“Não tenho certeza de como me sentiria confortável se algo acontecesse com um dos jogadores ou suas famílias (como resultado)”.

Nos dias que se seguiram à invasão da Ucrânia, o parlamento da Rússia aprovou uma lei exigindo penas de prisão de até 15 anos por divulgar intencionalmente notícias “falsas” sobre os militares, aumentando muito os riscos de russos se manifestarem contra a guerra.

Medvedev conquistou o US Open neste domingo (12)
O atual campeão do US Open, Daniil Medvedev, não poderá competir em Wimbledon este ano. / Facebook/Reprodução

Djokovic, por sua vez, referiu-se à sua exclusão do Aberto da Austrália por não ter sido vacinado contra a Covid-19 ao manifestar sua oposição à proibição pela segunda vez.

“Não é a mesma coisa, mas passando por algo semelhante no início deste ano para mim, é frustrante saber que você não pode jogar”, disse Djokovic.

“Ainda mantenho minha posição de que não apoio a decisão (de Wimbledon). Acho que não é justo, não é certo, mas é o que é.”

Após críticas do mundo do tênis, a AELTC defendeu sua decisão em uma entrevista coletiva na semana passada.

“Mesmo que aceitemos inscrições de jogadores russos e bielorrussos com declarações por escrito, arriscaríamos que seu sucesso ou participação em Wimbledon fosse usado para beneficiar a máquina de propaganda do regime russo, o que não poderíamos aceitar”, disse o presidente do torneio, Ian Hewitt.

Os jogadores ainda não anunciaram uma resposta coordenada, mas a ATP e a WTA estão discutindo contramedidas que podem incluir a remoção de pontos de classificação de Wimbledon.

Em uma entrevista recente à CNN, a tenista ucraniana Marta Kostyuk falou sobre o impacto psicológico que a invasão da Rússia teve sobre ela.

“Comecei há algumas semanas, o que me ajuda muito. Mas você sabe, às vezes chega a ser assustador, os pensamentos que vêm a você”, disse Kostyuk, que está extremamente consciente da importância de tentar controlar seus sentimentos e diz que está trabalhando com um psicólogo.

“Porque nesse ponto, há tantas coisas acontecendo, você precisa carregar tanto de uma vez que você fica tipo, eu não posso mais lidar com isso. Eu estou tipo, qual é o ponto para onde tudo está indo? Isso nunca termina. O que devo fazer com minha vida agora? Para que estou vivendo?”, ela disse.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Nadal, Djokovic e Murray criticam Wimbledon por banir atletas russos e belarussos no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.