Shakhtar Donetsk viaja pela Europa para arrecadar dinheiro às vítimas da guerra


Quando a Rússia iniciou sua invasão da Ucrânia na manhã de 24 de fevereiro, Darijo Srna foi acordado às 6 da manhã pelo som de sirenes de ataque aéreo.

Foi um barulho que o ex-astro do futebol internacional diz que imediatamente transportou sua “cabeça e corpo” de volta à sua terra natal, a Croácia, onde viveu aos oito anos de idade quando a guerra eclodiu na então Iugoslávia.

Então, quando seu clube de futebol Shakhtar Donetsk foi forçado a deixar Kiev, a cidade que era uma das muitas bases temporárias da equipe desde 2014, no início da invasão da Rússia, infelizmente era um cenário com o qual Srna estava muito familiarizado.

O antigo internacional croata tem apenas 39 anos, mas já viveu três guerras na vida; primeiro na Croácia no início dos anos 1990, depois em 2014 na região de Donbass, na Ucrânia — a verdadeira casa do Shakhtar — e agora em grande parte do resto do país.

“Não foi uma boa lembrança”, disse Srna, que é o diretor de futebol do Shakhtar Donetsk, sobre sua infância. “Quando comecei a esquecer um pouco disso e aproveitar minha vida, ouvi as sirenes novamente.

“Eu sou forte. Eu quero ser forte, mas às vezes é difícil por causa de tudo, porque você perdeu sua casa duas vezes. Neste momento, é importante ser positivo, ser forte e passar uma impressão positiva para todos.”

Srna — que, junto com o resto da equipe, conseguiu escapar da Ucrânia no dia seguinte ao início da invasão da Rússia — encontrou sua força ajudando os mais afetados pela guerra na Ucrânia.

O Shakhtar, onde Srna é uma lenda do clube depois de 15 temporadas, está sem-teto há quase oito anos, desde que os confrontos começaram entre separatistas apoiados pela Rússia e forças ucranianas em 2014.

Depois de se aposentar do futebol profissional em 2019, Srna assumiu o cargo de assistente técnico do Shakhtar antes de se tornar diretor de futebol do clube.

Ele está ciente de que sua situação e a do resto da equipe não são nada comparadas àquelas que lutam na linha de frente e tem ajudado a liderar o esforço do clube no apoio a soldados e refugiados ucranianos.

O Shakhtar está atualmente no meio de uma turnê européia — a ‘Turnê Global pela Paz’ — durante a qual jogará contra vários clubes para arrecadar dinheiro para aqueles apanhados na guerra.

“Não podemos nos comparar com o povo da Ucrânia”, disse Srna a Don Riddell, da CNN Sport. “Mas somos um time de futebol, somos jogadores de futebol e estamos tentando fazer algo que sabemos fazer – e isso é jogar futebol.

“Toda a renda que recebemos dos ingressos e dos patrocinadores desses jogos estamos enviando para a Ucrânia para as crianças, para pessoas que estão em uma situação muito difícil.

“Juntamente com nosso presidente [do clube], Rinat Akhmetov — que ainda está ajudando os cidadãos ucranianos todos os dias de diferentes maneiras, medicamentos e tudo mais — agora somos como uma família e estamos tentando fazer o nosso melhor para ajudar o cidadãos da Ucrânia hoje nesta situação difícil.”

Antes do jogo de abertura da turnê, derrota por 1 a 0 para o gigante grego Olympiacos, os jogadores do Shakhtar usavam camisetas com os nomes dos lugares da Ucrânia mais afetados pelos ataques da Rússia, incluindo Mariupol e Irpin.

Desde então, o Shakhtar jogou contra os clubes turcos Fenerbahce e Antalyaspor e o polonês Lechia Gdansk, e tem um jogo contra o Hajduk Split, da Croácia, marcado para 1º de maio.

Houve um momento particularmente emocionante na partida contra o Gdansk no início deste mês, quando Dmytro Keda, um refugiado ucraniano de 12 anos, entrou como substituto no último minuto e marcou o gol da vitória.

Keda, que fugiu de sua cidade natal de Mariupol, na Ucrânia, depois de passar três semanas escondido enquanto as forças russas bombardeavam a cidade, foi cercado por jogadores de ambas as equipes e foi erguido em comemoração.

O técnico do Shakhtar, Roberto De Zerbi, explicou após a partida que a decisão de deixar Keda entrar e marcar foi “espontânea”.

Até agora, o Shakhtar diz que a turnê arrecadou 8,2 milhões de hryvnias ucranianos (R$ 1.356.598), com cerca de um quarto do total já sendo transferido para a fundação de Akhmetov na Ucrânia.

“Quando perguntei aos jogadores ucranianos: ‘Vocês estão prontos para jogar, por exemplo, cada segundo jogo, cada terceiro jogo?’”, lembra Srna. “‘Quanto mais jogos [jogamos], mais dinheiro para os ucranianos.’

“Eles me responderam: ‘Darijo, somos ucranianos. Podemos fazer tudo.’ E para mim, aquele foi um momento que jamais esquecerei.”

Mas este é o povo ucraniano. Cheguei há 19 anos e eles me receberam como parte de sua família desde o primeiro dia e eu e minha família nunca esqueceremos isso. Morei mais na Ucrânia do que na Croácia. Hoje sou ucraniano e tudo o que pudermos fazer por eles nesses momentos difíceis, faremos. Acredite em mim.

“Tenho orgulho de ter morado lá, de ter jogado lá, de ter conhecido eles porque são pessoas de coração enorme, sempre positivas. Não atacaram ninguém. Não queriam tirar um centímetro da terra de outro país e eles são heróis hoje. Estou muito orgulhoso deles e de mim pessoalmente, estarei com eles até o fim.”

Srna explica que a guerra foi particularmente difícil para os membros mais jovens do time do Shaktar processarem.

Entre eles está o ex-capitão de um clube de Mariupol, que foi convidado para jogar com o time em sua turnê depois de “perder tudo” durante o bombardeio contínuo da cidade pela Rússia.

“Em primeiro lugar, é bom que sejam jovens”, diz Srna. “Diante deles, há uma longa carreira e isso pode torná-los mais fortes. Direi uma coisa: o período mais bonito da Croácia foram os 10 ou 15 anos após a guerra.

“Acredito que a Ucrânia estará unida até o fim e depois da guerra estaremos juntos. Beberemos juntos, sorriremos juntos, choraremos juntos. O mais importante será a paz neste momento.”

Na terça-feira (26), a temporada 2021-22 da Premier League ucraniana foi suspensa devido à guerra em andamento. Shakhtar Donetsk e Dínamo de Kiev ficaram em primeiro e segundo lugares em 24 de fevereiro e, portanto, se classificarão para a Liga dos Campeões da próxima temporada.

 

Este conteúdo foi originalmente publicado em Shakhtar Donetsk viaja pela Europa para arrecadar dinheiro às vítimas da guerra no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.