Mortes maternas no Líbano triplicam e saúde das crianças está em risco, diz Unicef


O número de mulheres no Líbano que morrem de complicações relacionadas à gravidez quase triplicou em meio a uma crise econômica de três anos que levou médicos e parteiras a deixarem o país, disse a agência infantil da ONU, Unicef, na quarta-feira.

A crise também está afetando as crianças, especialmente entre os refugiados sírios que fugiram pela fronteira com o Líbano.

O Unicef disse que um terço das crianças não tiveram acesso à saúde até outubro de 2021, e o número de crianças que morrem nas primeiras quatro semanas após o nascimento “aumentou dramaticamente entre os refugiados em quatro províncias avaliadas, de 65 mortes neonatais no primeiro trimestre de 2020 para 137 no terceiro trimestre”.

O Líbano abriga 1,5 milhão de refugiados sírios, representando cerca de um quarto da população, segundo estimativas oficiais.

“Repetidamente, pais e famílias angustiados não conseguem acessar cuidados básicos de saúde para seus filhos – já que muitos profissionais de saúde dedicados lutam para manter as operações funcionando durante a crise”, disse Ettie Higgins, representante do Unicef no Líbano.

Cerca de 40% dos médicos, incluindo aqueles que trabalham especificamente com crianças e mulheres, deixaram o país, assim como cerca de 30% das parteiras, disse o Unicef, diminuindo a qualidade dos serviços em um país anteriormente visto como um centro regional de saúde.

“O Líbano alcançou um sucesso notável na redução das mortes maternas, mas os números aumentaram novamente entre 2019 e 2021, de 13,7 para 37 mortes por 100.000 nascidos vivos”, disse a agência em um relatório. Não deu os números brutos.

Faysal al-Kak, coordenador do Comitê Nacional de Maternidade Segura do Líbano, disse que o número de mortes maternas aumentou em grande parte devido à variante delta do coronavírus em 2021, mas disse que a crise também foi um fator.

“A crise libanesa é uma variável forte – talvez a mãe não esteja visitando o suficiente, com medo de ir ao médico porque custa dinheiro. Deu às mulheres a sensação de que ‘não posso ir ao médico’”, disse ele à Reuters.

“O delta e a baixa taxa de vacinação – além da crise agravada em que vivemos – podem ter afetado indiretamente a acessibilidade, o custo e o transporte”.

O aumento do custo de transporte e serviços devido ao colapso da moeda do país e a remoção da maioria dos subsídios a combustíveis e medicamentos deixaram a saúde fora do alcance de muitos, disse o Unicef.

As taxas de vacinação infantil diminuíram, deixando centenas de milhares de crianças vulneráveis ​​a doenças evitáveis, como sarampo e pneumonia.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Mortes maternas no Líbano triplicam e saúde das crianças está em risco, diz Unicef no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.