Secretários de Saúde ignoram prazo de 30 dias do governo para acabar emergência do coronavírus


O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) decidiu ignorar a medida do governo federal de acabar com o estado de emergência do coronavírus em 30 dias e orientou os estados a continuarem seguindo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em nota divulgada na tarde desta sexta-feira (22), o Conass lamenta o prazo estabelecido pelo governo e defende que os gestores locais vinculem suas normas à declaração de Emergência de Saúde Pública Internacional e não à Nacional, para preservar a capacidade de resposta do SUS à pandemia.

“Lamentável que o debate sobre o fim do Estado de Emergência de Importância Nacional tenha se limitado à determinação política do Palácio do Planalto. Não obstante havermos avançado nos entendimentos técnicos, a decisão dos ’30 dias’ foi colocada como definição inegociável”, afirma a entidade.

Para o Conass, no lugar de 30 dias, o governo federal deveria estipular prazo de 90 dias para que estados e municípios readaptassem suas legislações ao novo status da pandemia no Brasil. O conselho afirma que buscará consensos e entendimentos para construir um plano de retomada que começaria dentro do prazo maior, de 90 dias.

Ainda na nota, o Conass diz que “precisamos avançar na formulação dos indicadores de controle e gatilhos para adoção de novas medidas caso ocorra novo crescimento de casos/internações/óbitos”.

Procurado pela CNN, o Ministério da Saúde afirmou que os secretários não conseguiram justificar os motivos para o governo federal conceder prazo mais amplo. “Quem define a duração da emergência de saúde pública de importância nacional é o ministro da Saúde. Não é a OMS”, afirmou o ministro Marcelo Queiroga à CNN, após o posicionamento dos secretários.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Secretários de Saúde ignoram prazo de 30 dias do governo para acabar emergência do coronavírus no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.