Scholz diz que prioridade máxima é evitar confronto da Otan com a Rússia


A Otan deve evitar um confronto militar direto com a Rússia que poderia levar a uma terceira guerra mundial, disse o chanceler alemão Olaf Scholz em entrevista ao Der Spiegel quando questionado sobre o fracasso da Alemanha em entregar armas pesadas à Ucrânia.

Scholz está enfrentando críticas crescentes em casa e no exterior pela aparente relutância de seu governo em entregar armas pesadas de campo de batalha, como tanques e obuses, à Ucrânia para ajudá-la a se defender de ataques russos, mesmo quando outros aliados ocidentais intensificam as remessas.

Questionado em uma extensa entrevista publicada na sexta-feira por que ele achava que a entrega de tanques poderia levar a uma guerra nuclear, ele disse que não havia um livro de regras que estabelecesse quando a Alemanha poderia ser considerada parte da guerra na Ucrânia.

“É por isso que é ainda mais importante que consideremos cada passo com muito cuidado e coordenemos de perto uns com os outros”, disse ele. “Evitar uma escalada em direção à OTAN é uma prioridade para mim.”

“É por isso que não me concentro nas pesquisas nem me deixo irritar por telefonemas estridentes. As consequências de um erro seriam dramáticas.”

Este foi um afastamento de suas declarações anteriores sobre o assunto, concentrando-se no fato de que os estoques das próprias forças armadas da Alemanha estavam esgotados demais para enviar armas pesadas para o campo de batalha, enquanto as que a indústria alemã disse que poderia fornecer não poderiam ser facilmente colocadas em uso.

Questionado por que não explicou a relutância de seu governo com a ameaça de uma guerra nuclear, ele disse que tais “simplificações” não ajudaram.

Separadamente, Scholz defendeu sua decisão de não encerrar imediatamente as importações alemãs de gás russo em resposta ao que a Rússia chama de “operação militar especial” na Ucrânia.

“Eu absolutamente não vejo como um embargo de gás acabaria com a guerra. Se (o presidente russo Vladimir) Putin estivesse aberto a argumentos econômicos, ele nunca teria começado essa guerra louca”, disse ele.

“Em segundo lugar, você age como se fosse por dinheiro. Mas trata-se de evitar uma crise econômica dramática e a perda de milhões de empregos e fábricas que nunca mais abririam suas portas.”

Scholz disse que isso teria consequências consideráveis não apenas para a Alemanha, mas também para a Europa e o futuro financiamento da reconstrução da Ucrânia.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Scholz diz que prioridade máxima é evitar confronto da Otan com a Rússia no site CNN Brasil.