Conflito com polícia israelense deixa 31 palestinos feridos em Jerusalém


Pelo menos 31 palestinos foram feridos em confrontos com a polícia israelense no complexo da mesquita Al-Aqsa em Jerusalém na sexta-feira (22), disseram os médicos palestinos, na mais recente série de conflitos no local reverenciado tanto por muçulmanos quanto por judeus.

O serviço de ambulância do Crescente Vermelho Palestino disse que 14 palestinos haviam sido levados ao hospital, dois deles com ferimentos graves.

A polícia israelense disse que suas forças intervieram quando centenas de pessoas começaram a atirar pedras e fogos de artifício e se aproximaram do Muro Ocidental, onde se realizava o culto judaico.

Testemunhas da Reuters disseram que a polícia entrou no recinto após as orações da manhã e disparou balas de borracha e bombas de efeito moral contra uma multidão de cerca de 200 palestinos, alguns dos quais estavam jogando pedras. A polícia também atirou balas de borracha de perto em um grupo de jornalistas que documentaram os confrontos, disseram as testemunhas.

Um surto de violência em Israel e nos territórios palestinos ocupados nas últimas semanas levantou o medo de uma recaída em um conflito mais amplo, como a guerra de Gaza do ano passado.

Desde março as forças israelenses mataram pelo menos 29 palestinos nas batidas na Cisjordânia, disse o Ministério da Saúde palestino, e uma série de ataques mortais nas ruas árabes mataram 14 pessoas em Israel, disse a polícia e os médicos israelenses.

“Sérias preocupações”

Na última sexta-feira (22), mais de 150 palestinos e vários policiais israelenses foram feridos em confrontos semelhantes em Al-Aqsa, disseram os médicos palestinos e a polícia israelense.

A conduta das forças de segurança israelenses naquele dia “levanta sérias preocupações de que o uso da força foi generalizado, desnecessário e indiscriminado”, disse um porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, em uma declaração.

As tensões este ano foram aumentadas em parte pelo mês sagrado muçulmano do Ramadã coincidindo com a celebração judaica da Páscoa, que traz mais visitantes muçulmanos e judeus ao complexo, o mais sagrado do judaísmo.

Os palestinos acusam Israel de restringir o culto muçulmano na mesquita de Al-Aqsa – o terceiro local mais sagrado do Islã e conhecido pelos judeus como o Monte do Templo – enquanto não fazem o suficiente para impor uma proibição de longa data à oração judaica ali. Israel rejeita esta acusação.

Como em anos anteriores, Israel está interrompendo as visitas judaicas durante os últimos dias do Ramadã, começando na sexta-feira, disse um oficial israelense. Tradicionalmente, a presença muçulmana no complexo aumenta durante os últimos dias do mês de jejum.

O complexo Al-Aqsa fica no topo do planalto da Cidade Velha de Jerusalém Oriental, que Israel capturou em uma guerra em 1967 e a anexou, em um movimento que não ganhou reconhecimento internacional.

Os palestinos querem que Jerusalém Oriental seja a capital de um Estado que eles procuram estabelecer na Cisjordânia ocupada e em Gaza.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Conflito com polícia israelense deixa 31 palestinos feridos em Jerusalém no site CNN Brasil.