Conheça cinco companhias aéreas incomuns que já existiram no mercado


No final da década de 1970, o governo dos EUA desregulamentou o setor aéreo, removendo o controle federal sobre tarifas, rotas e a entrada de novas companhias aéreas no mercado. Como resultado, uma enxurrada de novas companhias aéreas apareceu a partir da década de 1980, e algumas delas eram particularmente incomuns.

Conheça algumas delas:

Pet Airways

Fundada em 2009 em Delray Beach, Flórida, a Pet Airways era uma companhia aérea exclusivamente dedicada a animais de estimação, como cães e gatos — ou pawsengers (junção das palavras paw, que quer dizer pata em português, e passenger, de passageiro) –, como eles os chamavam.

Eles voaram, sem seus donos, na cabine principal de aeronaves especialmente adaptadas em que os assentos foram substituídos por porta-aviões.

Cada aeronave poderia transportar cerca de 50 animais de estimação, com “atendentes de animais” verificando-os a cada 15 minutos. Antes da decolagem, os animais receberam uma caminhada pré-voo e uma pausa para ir ao banheiro em saguões especialmente projetados para o aeroporto.

A ideia era que os donos de animais preocupados preferissem levar seus animais de estimação por meio de uma companhia aérea dedicada, em vez de tê-los a bordo de seu próprio voo no porão de carga, uma prática que o site da Pet Airways descreveu como “perigosa”, citando temperaturas extremas, variações e falta de iluminação adequada.

Brenda Moore (esquerda), da Pet Airways, conversa com Quinn Emmett enquanto ele pegava seu cachorro Teddy Williams no aeroporto BWI, em 13 de outubro de 2010 em Baltimore, Maryland (Foto de Mark Gail/The Washington Post via Getty Images) / The Washington Post via Getty Im

A companhia aérea operou por cerca de dois anos, servindo uma dúzia de cidades dos EUA, incluindo Nova York, Los Angeles, Denver, Chicago e Atlanta. As tarifas começam em US$ 150 e podem chegar a US$ 1.200, dependendo do tamanho do animal.

Em 2012, a companhia aérea teve problemas financeiros e começou a cancelar voos, antes de interromper completamente as operações no ano seguinte, depois de transportar cerca de 9.000 animais de estimação.

No entanto, seu site ainda está ativo, e uma mensagem diz “Voos pós-Covid, esperançosamente, em meados de 2022”, sugerindo que pode haver uma segunda vida no horizonte para a companhia aérea de animais de estimação.

Hooters Air

Em 2002, Robert Brooks, presidente da cadeia de restaurantes Hooters, adquiriu a Pace Airlines, uma transportadora com uma frota de oito aeronaves, principalmente Boeing 737. No ano seguinte, ele a transformou na Hooters Air, uma companhia aérea projetada em homenagem à cadeia de restaurantes.

Sua distinção era, além do design laranja brilhante com uma coruja de olhos arregalados, que duas chamadas “meninas Hooters” estavam a bordo, misturando-se com os passageiros e organizando jogos de trivia com prêmios – vestindo a mesma regata e calção laranja, “uniforme” popularizado pelos restaurantes.

Hillary Vinson, “Garota Hooters”, atende aos passageiros a bordo do vôo inaugural da Hooters Air, em 6 de março de 2003, de Atlanta, Geórgia, para Myrtle Beach, Carolina do Sul. (Foto de Erik S. Lesser/Getty Images) / Getty Images

No entanto, eles não serviram comida ou lidaram com tarefas a bordo, pois estas foram realizadas por três comissários de bordo certificados pela agência norte-americana Federal Aviation Administration (FAA).

A companhia aérea estava sediada em Myrtle Beach, Carolina do Sul, um local de férias conhecido por seus campos de golfe e resorts à beira-mar, que havia perdido tráfego aéreo direto na reestruturação geral da aviação comercial após o 11 de setembro.

Devido ao seu preço acessível e conexões diretas para cidades como Atlanta, Newark e Baltimore, a Hooters Air atraiu passageiros de todos os tipos – principalmente golfistas e turistas, mas também famílias.

No entanto, nunca teve sucesso o suficiente para ganhar dinheiro e encerrou suas operações no início de 2006, devido ao aumento dos preços dos combustíveis após os furacões Katrina e Rita.

Companhia aérea do Senhor

Estritamente sem álcool, com bíblias e torás em vez de revistas de bordo, apenas filmes religiosos em exibição e um quarto das tarifas dedicadas ao financiamento do trabalho missionário: essas eram as características únicas da Companhia Aérea do Senhor, fundada pelo empresário de Nova Jersey Ari Marshall em 1985, quando comprou um velho DC-8 que deveria ser o único avião da companhia aérea.

O plano era ter três voos semanais de Miami para o Aeroporto Ben Gurion, em Israel, oferecendo uma rota direta para Jerusalém, a cerca de 48 quilômetros de distância.

Na época, os peregrinos religiosos que desejavam chegar à Terra Santa tinham que pegar um voo de conexão para Nova York. “Os russos têm sua companhia aérea. Os britânicos têm uma. A Playboy também. Então, por que o Senhor não deveria ter uma companhia aérea só sua?” Marshall disse em 1986, de acordo com a Associated Press.

Em 1987, no entanto, a companhia aérea não conseguiu se qualificar para uma licença da FAA devido a modificações inacabadas e trabalhos de manutenção na aeronave. Os investidores ficaram nervosos e removeram Marshall, instalando um novo conselho de administração para levar as coisas adiante.

O novo presidente, Theodore Lyszczasz, não concordou com Marshall e os dois começaram a brigar na imprensa.

Eventualmente, Lyszczasz e seu irmão apareceram na casa de Marshall exigindo registros corporativos, o que resultou, segundo relatos de jornais, em uma briga e Marshall os processando por invasão. Eles foram absolvidos, mas a Companhia Aérea do Senhor acabou morrendo e a aeronave acabou sendo sucateada.

Smokers Express

A FAA proibiu o fumo em todos os voos domésticos nos EUA em 1990, mas William Walts e George Richardson, dois empresários do condado de Brevard, na Flórida, não ficaram felizes com isso. No início de 1993, eles decidiram contornar a regra estabelecendo uma companhia aérea baseada em um clube privado. Ele exigia uma taxa de adesão de US$ 25 e estava aberto apenas para pessoas com mais de 21 anos.

A companhia aérea deveria se basear no aeroporto Space Coast Regional em Titusville, Flórida, e o plano era oferecer bifes e hambúrgueres a bordo com cigarros grátis.

Quase um ano após o anúncio, no entanto, a companhia aérea ainda não tinha licença nem avião e, embora os fundadores alegassem ter arrecadado mais de 5.000 associações, os reguladores negaram à Smokers Express uma licença para operar, fazendo-a desaparecer em um sopro sem nunca decolar.

Em 2006, a ideia foi reformulada pelo empresário alemão Alexander Schoppmann, que declarou a intenção de iniciar a Smoker’s International Airways, ou SmintAir.

Schoppmann, que fumava 30 cigarros por dia, queria lançar um serviço diário entre Tóquio e Dusseldorf, sua cidade natal, que abriga um grande número de expatriados japoneses e os escritórios europeus de centenas de empresas japonesas.

Ambos os países ainda tinham um número significativo de fumantes na época. No entanto, a SmintAir teve o mesmo destino que a Smokers Express: não conseguiu levantar o capital necessário para iniciar as operações e nunca foi ao ar.

MGM Grand Air

Inaugurada em 1987, a MGM Grand Air era uma companhia aérea de superluxo apenas de primeira classe que inicialmente cobria uma única rota – Aeroporto Internacional de Los Angeles (LAX) para o Aeroporto Internacional John F. Kennedy (JFK), em Nova York – usando aeronaves Boeing 727 e Douglas DC-8 em configurações luxuosas: a regra era que nenhum voo poderia ter mais de 33 passageiros, embora os aviões pudessem transportar 100 ou mais em configurações padrão.

A companhia aérea prometeu o fum de filas, check-ins e espera por bagagem – os carregadores levavam as malas para o avião e as devolviam no destino – e até oferecia um serviço opcional de limusine porta-a-porta. Lounges especiais em ambos os aeroportos ofereciam comodidades de luxo e serviço de concierge.

A bordo, havia cinco comissários de bordo e um stand up bar, além de compartimentos privativos para reuniões. Um serviço completo de refeições com vinho fino e champanhe estava sempre disponível e o banheiro tinha torneiras douradas e sabonete com monograma. Tudo isso foi oferecido a pouco mais do que o custo de um bilhete de primeira classe em outras companhias aéreas.

Inicialmente popular entre as celebridades e os muito ricos, o MGM Grand Air acabou abrindo mais rotas, mas estava lutando para preencher todos os 33 assentos em seus aviões.

As operações desaceleraram na década de 1990, à medida que os jatos particulares se tornaram mais difundidos, e em 1995 a companhia aérea foi vendida e mudou seu nome para Champion Air, oferecendo voos fretados para equipes esportivas e agências governamentais. Ele acabou fechando completamente em 2008.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Conheça cinco companhias aéreas incomuns que já existiram no mercado no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.