Análise: Covid-19 ainda não é como a gripe


Quando a Delta Air Lines se referiu ao Covid-19 como um “vírus sazonal comum” depois que um juiz federal derrubou o mandato de máscara do governo Biden para o transporte público, eles estavam parcialmente certos: há algumas evidências de que é sazonal. Mas está longe de ser comum e ainda não é o mesmo que a gripe.

A suspensão da obrigatoriedade da máscara em transporte marca outro ponto de virada na pandemia de Covid-19 nos Estados Unidos, e há muitas maneiras de descrever a situação nesse ponto de inflexão.

A Covid é generalizada

Embora não seja comum, a Covid-19 certamente é comum.

Nos últimos dois anos, as contagens oficiais de casos sugerem que quase um quarto do país foi infectado com coronavírus, e estima-se que o número de infecções reais seja muitas vezes maior do que o relatado.

Apesar de uma queda drástica nos casos nos últimos dois meses, mais de 35 mil pessoas nos EUA são infectadas diariamente, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins — o suficiente para encher o Madison Square Garden quase duas vezes por dia.

Os estados do Nordeste estão vendo os casos aumentarem mais rapidamente do que outros, liderando o que pode se tornar uma onda nacional mais ampla, assim como a região nas duas últimas primaveras.

Este ano, a Covid-19 também é combatível.

As vacinas provaram ser notavelmente eficazes. Em fevereiro, as pessoas totalmente vacinadas tinham cinco vezes menos chances de serem hospitalizadas com Covid-19 e 10 vezes menos chances de morrer, segundo dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA. O risco foi ainda menor para aqueles que também receberam uma dose de reforço.

Alguns tratamentos também resistiram à Ômicron, e o governo federal está enviando centenas de milhares de antivirais a cada semana.

Mas a Covid-19 não é normal

Mas a Covid-19 ainda não é normal. Mesmo que as médias da Covid-19 grave melhorem drasticamente, elas permanecem muito piores do que a gripe severa.

A temporada de gripe de 2017-2018 foi uma das piores em décadas. Estima-se que 710 mil pessoas foram hospitalizadas e 52 mil morreram.

As mortes diárias de Covid-19 estão chegando ao ponto mais baixo em um ano agora — mas mesmo com uma taxa relativamente baixa de 400 mortes por dia, o vírus ainda matou mais pessoas em dois meses do que a gripe em um ano inteiro.

No auge do surto da Ômicron, há apenas alguns meses, mais pessoas morreram de Covid-19 em apenas algumas semanas do que em um ano inteiro de gripe.

As hospitalizações por Covid-19 atingiram recentemente o ponto mais baixo já registrado e as novas internações na semana passada ainda foram três vezes maiores do que as últimas internações semanais por gripe, mostram dados do CDC.

E a Covid-19 ainda é imprevisível.

A Covid-19 tem algumas semelhanças com a gripe, mas não é a mesma coisa, disse Arnold Monto, professor de epidemiologia da Universidade de Michigan e presidente interino do Comitê Consultivo de Vacinas e Produtos Biológicos Relacionados da agência reguladora, Food and Drug Administration, dos EUA.

“Estamos em território desconhecido”, disse ele. “Com a gripe, sabemos muito bem o que esperar, mas com a Covid estamos aprendendo a cada dia.”

Dois artigos de pré-impressão publicados no ano passado descrevem os padrões sazonais das ondas da pandemia até agora e sugerem que esses padrões podem se repetir nos anos subsequentes.

Esses padrões sazonais podem ajudar os líderes a antecipar surtos e locais como instalações de saúde se prepararem adequadamente, mas “nem sempre são dominantes”, disse Donald Burke, especialista em doenças infecciosas e ex-reitor da Escola de Pós-Graduação em Saúde Pública da Universidade de Pittsburgh, coautor dos artigos com Hawre Jalal. Eles ainda não foram revisados ​​por pares.

“Se algo como uma cepa particularmente transmissível entrar em jogo — como a Ômicron — isso pode sobrecarregar e mudar os padrões”, disse Burke. “A Ômicron realmente interrompeu as coisas.”

O futuro ainda não está claro

Em dezembro, Sen Pei, professor assistente de ciências da saúde ambiental na Escola de Saúde Pública Mailman da Universidade de Columbia, disse à CNN que ainda estávamos “muito longe” de um estágio endêmico da pandemia.

A grande maioria da população precisaria ter imunidade ao vírus de infecção ou vacinação antes de chegar a esse ponto, disse ele na época.

O surto de Ômicron elevou drasticamente o nível de imunidade na população dos EUA e nos aproximou desse ponto, mas o futuro da Covid-19 ainda não está claro.

“A longo prazo, acho que depende em grande parte se haverá novas variantes, o que é altamente imprevisível neste momento”, disse ele na terça-feira.

“Não está claro como será o padrão endêmico e se entramos nessa fase agora”.

Após a reação da Casa Branca, a Delta Air Lines ajustou a forma como caracterizou a Covid-19, elogiando a decisão sobre as máscara no transporte, dizendo que a Covid está em “transição para um vírus respiratório mais gerenciável”.

Mas o CDC ainda recomenda o uso de máscaras em aviões.

Opiniões conflitantes sobre os próximos passos da pandemia de Covid-19 existem na comunidade de saúde pública e, às vezes, até mesmo nos próprios indivíduos.

Monto diz que abandonar o mandato da máscara agora, no que ele espera ser o final da ascensão da variante BA.2, “pode ​​não ser tão ruim”, mas também pode ser “algumas semanas cedo demais porque não temos certeza para onde estamos indo.”

Em qualquer caso, a vigilância continuada permanece crítica.

“Temos que estar atentos e responder ao que está acontecendo”, disse ele. “Nunca vimos uma pandemia de coronavírus antes.”

*Com informações de Kevin Liptak e Jacqueline Howard, da CNN

Este conteúdo foi originalmente publicado em Análise: Covid-19 ainda não é como a gripe no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.