China se tornou um dos países mais caros para criar filhos


Ter filhos é caro, não importa em que lugar do mundo você viva. Mas enquanto a economia global enfrenta um choque de preços, a China se tornou um dos lugares mais caros para criar filhos.

A Coreia do Sul lidera a lista dos lugares mais caros para criar um filho desde o nascimento até os 18 anos, medido como porcentagem do Produto Interno Bruto (PIB) per capita, de acordo com pesquisa da Jefferies (JEF), que usou dados da Yuwa Population Research. O PIB é a medida mais ampla da atividade econômica de uma nação.

A China vem em segundo lugar, seguida pela Itália. Os Estados Unidos estão entre os 14 lugares mais caros, entre a Alemanha e o Japão.

No entanto, em termos de quantidade absoluta de dinheiro gasto, a China é um dos lugares mais baratos para ter filhos. Mas tudo é relativo: “Se ajustarmos esses dados à porcentagem da renda média disponível, a China se tornará o lugar mais caro para criar filhos”, disseram os pesquisadores da Jefferies.

Então, o que torna tão caro criar filhos no Extremo Oriente?

Uma grande parte disso é o custo da educação e o custo e a disponibilidade de cuidados quando a criança está em seus anos mais jovens. Os serviços pré-escolares na China eram principalmente privados até recentemente, de acordo com Jefferies.

São necessários mais de US$ 75.000 para criar uma criança até os 18 anos na China e outros US$ 22.000 para levá-la à universidade.

Embora isso pareça uma mensalidade muito mais barata do que a dos estudantes nos Estados Unidos podem enfrentar, há uma diferença fundamental: “Em muitos outros países ocidentais, um empréstimo estudantil fornecido pelo estado é mais comum, e o fardo é retirado dos pais e transferido para as próprias crianças. “, disseram os analistas Jefferies.

Nos Estados Unidos, por exemplo, 55% dos alunos de graduação se formaram com dívidas no ano letivo de 2019-2020, segundo dados do College Board.

O que o governo pode fazer

Os legisladores têm muitas opções para reduzir o custo de ter filhos, inclusive subsidiar creches para limitar a diferença entre pessoas de diferentes classes de renda.

Pequim já está intervindo para tornar as aulas extracurriculares mais acessíveis. O próximo na lista pode ser o custo do berçário e do jardim de infância, pensam os analistas da Jefferies.

“Entendemos que o governo quer que o Estado forneça esses serviços e/ou regule o preço dos serviços privados”, disseram.

O governo da China anunciou em seu atual plano de cinco anos que pretende aumentar o número de vagas em creches para crianças menores de três anos para 4,5 por 1.000 pessoas até 2025 – duas vezes e meia a quantidade atual de 1,8 por 1.000.

Atualmente, existem 42 milhões de crianças chinesas com menos de três anos. Os pais de um terço deles querem que eles frequentem a creche, mas apenas 5,5% podem realmente fazer isso, segundo o relatório Jefferies.

Mais riqueza equivale a menos filhos

As taxas de natalidade nos países mais ricos tendem a ser mais baixas do que nas nações em desenvolvimento. Isso é conhecido como um “paradoxo demográfico-econômico”, o que significa que aqueles com mais recursos optam por ter menos filhos do que as pessoas com renda mais baixa.

“À medida que a China se desenvolve economicamente, é altamente possível que caia no paradoxo demográfico-econômico, assim como muitos outros países desenvolvidos, e a taxa de natalidade pode cair para um nível mais baixo do que muitos esperavam”, disseram os analistas da Jefferies.

Mesmo agora, os casais chineses relutam em ter mais de um filho devido ao alto custo de criá-los. Enquanto os casais nos países ocidentais parecem querer de dois a três filhos, os números são menores no Oriente.

Além disso, o número de casamentos também está caindo. Mas nas culturas asiáticas, ter filhos fora do casamento é muito mais incomum em comparação com o Ocidente.

As tendências demográficas, como as taxas de natalidade, afetam os negócios e a economia de uma nação. Populações envelhecidas têm dificuldade em acompanhar seus sistemas de bem-estar, incluindo Previdência Social e pensões públicas, à medida que a população ativa diminui.

Com o tempo, isso pode aumentar a necessidade de coisas como automação para substituir trabalhadores ausentes.

As tendências demográficas também afetam empresas e ações, embora muitas décadas no futuro, disseram os analistas da Jefferies. “Esperamos ver um esforço contínuo e significativo para reduzir o custo de criar filhos globalmente e mais especificamente na China”, disseram eles.

Isso pode incluir incentivos fiscais, doações em dinheiro e subsídios.

Este conteúdo foi originalmente publicado em China se tornou um dos países mais caros para criar filhos no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.