Putin nomeia novo comandante militar para a guerra na Ucrânia


O presidente russo Vladimir Putin nomeou um novo general para dirigir a guerra na Ucrânia, à medida que os seus planos militares mudam após um fracasso na tomada de Kiev, de acordo com um oficial americano e um oficial europeu.

Os oficiais disseram à CNN que o general Alexander Dvornikov, comandante do Distrito Militar Sul da Rússia, foi nomeado comandante da campanha militar russa na Ucrânia.

“Isso representa um reconhecimento da Rússia de que está indo extremamente mal e eles precisam fazer algo diferente”, disse a autoridade europeia.

 

Um novo comandante com vasta experiência em combate poderia trazer um nível de coordenação a um ataque agora esperado para se concentrar na região de Donbass, em vez de múltiplas frentes.

Dvornikov, 60 anos, foi o primeiro comandante das operações militares da Rússia na Síria, depois de Putin ter enviado tropas ao país em setembro de 2015 para apoiar o governo do presidente Bashar al-Assad.

Durante o comando de Dvornikov na Síria, de setembro de 2015 a junho de 2016, os aviões russos apoiaram o regime de Assad e os seus aliados ao cercar Aleppo oriental, bombardeando bairros densamente povoados e causando grandes baixas de civis. A cidade caiu nas mãos das forças governamentais sírias em dezembro de 2016.

As forças russas usaram uma abordagem semelhante em partes da Ucrânia, atacando edifícios residenciais nas principais cidades e demolindo grande parte da cidade portuária ucraniana de Mariupol.

“Veremos o quão eficaz isso se revelará”, declarou o funcionário europeu. “A doutrina russa, as táticas russas continuam a ser praticamente como são desde o Afeganistão”.
“Eles fazem as coisas da mesma maneira de antigamente”, acrescentou.

Analistas militares e oficiais norte-americanos familiarizados com as avaliações dos serviços secretos especularam que os generais russos têm o objetivo de apresentar a Putin alguns progressos tangíveis no campo de batalha antes do “Dia da Vitória”, em 9 de Maio, quando a Rússia observa a derrota da Alemanha nazista e marca tradicionalmente a ocasião com um desfile na Praça Vermelha de Moscou.

O funcionário europeu descreveu como um “prazo autoimposto”, que poderia levar os russos a cometerem erros adicionais.

Mas poderia também potencialmente levar as forças russas a cometer mais atrocidades, como alegadamente aconteceu no subúrbio de Kiev e em Bucha, durante a ocupação russa. “O fedor destes crimes de guerra vai pairar sobre estas forças armadas russas durante muitos anos”, afirmou o oficial.

O antigo embaixador britânico na Rússia Sir Roderic Lyne alegou no sábado à Sky News que Moscou nomeou um novo general com um "histórico bastante selvagem na Síria para tentar ao menos ganhar algum território em Donetsk, que Putin poderia apresentar como uma vitória".

Atribuir um novo comandante-geral para a guerra da Rússia na Ucrânia pode ser uma tentativa de criar uma estratégia mais coesa. A CNN informou anteriormente que a Rússia não tinha um comandante para as operações na Ucrânia, o que significa que unidades de diferentes distritos militares russos estão operando sem coordenação e por vezes com objetivos cruzados, de acordo com dois oficiais de defesa dos EUA.

Os EUA avaliaram anteriormente que Putin nomearia provavelmente um general cujas forças estão operando no sul da Ucrânia, porque foi para lá que os russos tomaram e mantiveram mais território, em oposição à proposta russa de cercar Kiev e cidades no norte da Ucrânia, em um esforço que terminou recentemente com uma retirada.

O Estado-maior da Ucrânia informou na sexta-feira (8) que as forças russas tinham completado a sua retirada da região norte da Ucrânia, em Sumy, ao mesmo tempo que continuavam a acumular forças no leste do país.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Putin nomeia novo comandante militar para a guerra na Ucrânia no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.